PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Ação da Embraer dispara 6% e crava nova cotação máxima de 30 dias após anúncio da Eve

Acordo para fornecer até 100 “carros voadores” na Ásia provoca corrida aos papéis da fabricante de jatos

Concepção artística do veículo da Eve que será disponibilizado para a Ascent; empresa de Singapura que fechou acordo com a Embraer
23 de Agosto, 2021 | 04:03 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

São Paulo — A ação da Embraer cravou uma nova cotação máxima de 30 dias, disparando 6,44%, negociada a R$ 21,15, após divulgar planos de disponibilizar até 100 “carros voadores” para o mercado asiático. O giro de negócios com o papel também está acima da média, somando mais de R$ 255 milhões por volta das 15h30, com mais de 23.200 transações.

Essa variação positiva acelerou após a fabricante de jatos anunciar que sua nova empresa, a Eve Urban Air Mobility, e uma companhia de Singapura, a Ascent Flights Global, vão aprofundar uma parceria para desenvolver um “ecossistema robusto” de mobiliária aérea urbana na região da Ásia-Pacífico.

PUBLICIDADE

Veja mais: Os céus ficarão repletos de táxis voadores

A partir de 2026, a Eve fornecerá à Ascent até 100 mil horas de voo no eVTOL, veículo elétrico de decolagem e pouso na vertical, também conhecido no mercado como EVA (Electrical Vertical Aircraft ou Aeronave Elétrica Vertical). A aeronave será utilizada em grandes cidades como Bangkok (Tailândia), Manila (Filipinas), Melbourne (Austrália), Singapura e Tóquio, no Japão”, informa a Embraer.

Segundo a companhia, a Eve planeja disponibilizar até 100 aeronaves para serem comercializadas pela plataforma da Ascent em suas rotas atuais e futuras. “A empresa, que atua como um aplicativo sob demanda, pagará pelo tempo de voo nas aeronaves da Eve ao mesmo tempo em que irá operar em conjunto com outros parceiros na Ásia-Pacífico e de outros mercados”, acrescentou.

PUBLICIDADE

Veja mais: Startup apoiada por Uber promete lançar táxis aéreos até 2024

Em 12 meses, a ação da Embraer (EMBR3) acumula alta de 190,19%, após ter tocado uma mínima de R$ 5,77 no começo da pandemia da Covid-19, quando o mercado de aviação foi obrigado a deixar as aeronaves no chão com o fechamento das fronteiras e a suspensão das encomendas de novos jatos pelas companhias aéreas.

Leia também

Gol promete emissão neutra de carbono em voos para Noronha

Azul conversa com credores para comprar operações da Latam

Demanda por tinta de avião dispara com mudança de companhias aéreas

Sérgio Ripardo

Sérgio Ripardo

Jornalista brasileiro com mais de 25 anos de experiência, com passagem por sites de alcance nacional como Folha e R7, cobrindo indicadores econômicos, mercado financeiro e companhias abertas.

PUBLICIDADE