Depois do Wegovy, farmacêuticas buscam medicamento contra a perda de massa muscular

Empresas como Novo Nordisk, Eli Lilly e Regeneron investem para desenvolver tratamentos que ajudem os pacientes a preservar massa muscular durante a perda de peso

Wegovy
Por Naomi Kresge - Madison Muller
19 de Maio, 2024 | 07:46 AM

Bloomberg — Os novos medicamentos injetáveis para a perda de peso de sucesso podem ajudar os pacientes a perder mais quilos do que qualquer outro. Agora, as farmacêuticas tentam resolver outro problema: garantir que as pessoas mantenham a massa muscular mesmo quando perdem gordura.

A corrida por possíveis tratamentos ganhou tração. A Regeneron Pharmaceuticals divulgou recentemente dados que mostravam que seu coquetel de anticorpos aumentou a musculatura em um pequeno grupo de voluntários. A Eli Lilly (LLY) concordou em desembolsar até US$ 2 bilhões no ano passado para comprar uma startup que desenvolve um medicamento experimental para diminuir a gordura e manter os músculos.

Alguns médicos estão céticos e afirmam que, para muitos pacientes obesos, perder peso é de suma importância, mesmo que eles percam músculos também. No entanto, a preservação dos músculos é uma meta atraente para as farmacêuticas que não participaram da primeira onda de medicamentos para a obesidade e buscam um ponto de apoio nessa área de negócios lucrativa e de rápido crescimento.

Por enquanto, o Wegovy, da Novo Nordisk (NVO), e o Zepbound, da Eli Lilly, são as principais terapias em um mercado de perda de peso que pode chegar a US$ 100 bilhões até 2030, de acordo com estimativas do Goldman Sachs. Mas as duas empresas também estudam tratamentos para ajudar os pacientes a manter os músculos durante a perda de peso.

PUBLICIDADE

“Podemos fazer com que as pessoas percam peso – agora vem o próximo passo”, disse Jennifer Linge, cientista-chefe da AMRA Medical, uma empresa sueca que usa exames de corpo para estudar a composição muscular. “A parte muscular será importante para a próxima fase.”

Leia mais: Efeito Ozempic: sucesso global alavanca economia na Dinamarca, mas expõe dependência

Assim como a obesidade, a sarcopenia – perda de massa e função do músculo esquelético – foi por muito tempo uma doença ignorada, disse Linge. Normalmente, ela está associada ao envelhecimento, embora doenças crônicas como câncer, HIV e diabetes também possam causar a condição.

Quando as pessoas perdem peso muito rapidamente, seja por meio de medicamentos para obesidade ou cirurgia bariátrica, elas podem enfrentar um risco maior de perda muscular prejudicial à saúde. E se pararem de usar os medicamentos e voltarem a ganhar peso, correm o risco de adicionar novamente uma proporção maior de gordura, um efeito que pode enfraquecer o corpo com o tempo.

O fenômeno está enraizado na capacidade do corpo de estimular seus próprios músculos para sobreviver a períodos de fome, disse George Yancopoulos, diretor científico da Regeneron. A restrição calórica severa ajuda a estimular a produção de miostatina, uma proteína que impede o crescimento dos músculos.

Pessoa injetando Zepbound, medicamento para perda de peso, na barrigadfd

Quais são as pesquisas em andamento

Na década de 1990, os cientistas descobriram como eliminar o gene que cria a miostatina em camundongos; Yancopoulos comparou os roedores resultantes ao ator e fisiculturista Arnold Schwarzenegger.

Embora as empresas tenham tentado, há muito tempo, ter como alvo a miostatina para distúrbios de perda de massa muscular, provar que ela pode beneficiar os pacientes tem sido um desafio, disse Yancopoulos em uma entrevista no início deste ano. Mas os pacientes que perdem massa muscular com medicamentos para perda de peso podem ser um “desastre de saúde pública”, disse ele, algo que os medicamentos para retenção muscular podem aliviar.

PUBLICIDADE

A Regeneron recrutou centenas de voluntários para testar dois anticorpos diferentes que potencialmente estimulem os músculos – administrados juntos, em alguns casos, com o Wegovy, da Novo Nordisk. Atualmente, a empresa busca testar os medicamentos em voluntários saudáveis; até a metade do ano, ela prevê que poderá recrutar os primeiros pacientes obesos.

Em um pequeno estudo, mulheres na pós-menopausa que não eram obesas tiveram aumento nos músculos da coxa depois de tomar o coquetel de medicamentos experimentais, disse a Regeneron no Congresso Europeu de Obesidade em Veneza, em 12 de maio.

Os efeitos colaterais podem preocupar: a Regeneron recrutou apenas mulheres na pós-menopausa para a primeira parte do pequeno estudo devido ao potencial de toxicidade embrionária e reprodutiva em homens, disse o líder do estudo Dinko Gonzalez Trotter, diretor executivo de imagens da Regeneron.

Os estudos contínuos também recrutarão homens e ajudarão a esclarecer o perfil de segurança dos medicamentos, disse a Regeneron em um comunicado enviado por e-mail.

Para avançar mais rapidamente, algumas empresas recorrem a medicamentos originalmente desenvolvidos para outros distúrbios. A farmacêutica suíça Roche disse que vê potencial para combinar um medicamento experimental para distrofia muscular com um composto para perda de peso que adquiriu no acordo de US$ 3,1 bilhões com a Carmot Therapeutics.

Leia mais: DeepMind, do Google, mira negócio de US$ 100 bi de descoberta de remédios com IA

A Eli Lilly testa uma hipótese semelhante: a empresa planeja estudar seu medicamento para perda de peso Zepbound em combinação com um tratamento que se mostrou promissor na prevenção da atrofia muscular em adultos mais velhos.

Separadamente, a empresa também está testando um medicamento chamado bimagrumab – adquirido em 2023 com a compra da startup Versanis Bio – para ver se ele estimula a perda de peso e preserva os músculos.

“Nossa esperança é observar um aumento na proporção de massa magra e gorda”, disse o diretor científico Dan Skovronsky aos investidores em abril.

A Novo está fazendo seu próprio trabalho inicial em compostos que poderiam preservar os músculos, disse o chefe de desenvolvimento Martin Holst Lange esta semana. No entanto, a Novo também se opôs à ideia de que a perda muscular observada com o Wegovy não é saudável. Cerca de 35% do peso perdido com o medicamento pode ser massa corporal magra, disse Lange, uma proporção que ele caracterizou como “normal”.

Musculaçãodfd

A importância de fazer exercícios

Já existe uma maneira comprovada de manter mais músculos enquanto se perde peso: fazer exercícios.

Em um estudo dinamarquês sobre o Saxenda, o medicamento de GLP-1 mais antigo da Novo, os pacientes que se exercitaram perderam duas vezes mais gordura corporal do que aqueles que apenas tomaram o medicamento. As pessoas que tomaram o Saxenda sem se exercitar não perderam necessariamente menos peso, mas tiveram maior probabilidade de perder músculos e gordura.

O ganho muscular por meio de exercícios também pode ajudar a evitar que os pacientes recuperem o peso tão rapidamente se pararem de usar os medicamentos, disse Signe Torekov, professora da Universidade de Copenhague que liderou o estudo, que foi apoiado pela Fundação Novo Nordisk. Isso ocorre porque mais massa muscular está associada a uma taxa metabólica mais alta.

Leia mais: Apoio de Oprah impulsiona medicamentos contra a obesidade nos EUA

Outros médicos observam que, embora a massa muscular possa ser importante, a capacidade dos pacientes de usar seus músculos na vida cotidiana é fundamental.

“Se você pesa 175 quilos e precisa de medicação, está preocupado com a perda de massa muscular, mas o principal é estar vivo”, disse Sean Wharton, diretor médico da Wharton Medical Clinic, nos arredores de Toronto, que ajudou a liderar um estudo de uma pílula para obesidade de última geração da Eli Lilly.

“Não consegue subir um lance de escada? Acredito que você conseguirá subir esse lance de escada muito melhor com 50 quilos a menos, mesmo com a perda de massa muscular”, disse ele.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Família da Cimed alavanca vendas e se torna bilionária com impulso de redes sociais

Procura-se um CEO: o executivo que lidera a busca por um novo líder para a Boeing