Como a Cadillac superou rivais alemãs no mercado de elétricos de luxo dos EUA

A General Motors, dona da marca, vendeu cerca de 6.000 unidades do SUV Lyriq no primeiro trimestre, mais que montadoras do segmento premium como BMW, Mercedes-Benz e Audi

Carro visto de lado. É um SUV de lataria acinzentada
Por Kyle Stock
04 de Maio, 2024 | 10:29 AM

Bloomberg — Para um homem com um cachorro chamado Elvis, comprar um Cadillac é até esperado. Mas para Gary Roberts, um dentista aposentado que mora a oeste de Asheville, na Carolina do Norte, comprar um Cadillac Lyriq também significou a decisão de investir em seu primeiro carro elétrico.

Roberts não é do tipo leal a marcas e nem mesmo um ambientalista, mas algo no Lyriq o atraiu.

Leia mais: Como a BYD e outras marcas chinesas chegaram ao domínio em carros elétricos no país

“Estávamos apenas procurando algo diferente”, disse ele. “Não gosto da aparência da Tesla e o Lyriq parece muito melhor do que um BMW, Audi ou até mesmo um Mercedes”. Elvis também gosta do modelo, embora o Cadillac Escalade de Roberts lhe dê um pouco mais de espaço nas viagens.

PUBLICIDADE

O dentista não é o único consumidor americano de automóveis atraído pela aparência do Lyriq: mesmo que grande parte do mercado de elétricos esteja morna, o Lyriq da Cadillac surgiu como uma estrela em ascensão.

A General Motors (GM) vendeu cerca de 6.000 unidades do modelo no primeiro trimestre, superando quase todos os seus rivais de luxo alemães e uma série de modelos movidos a bateria, de acordo com novos dados da Cox Automotive.

O Lyriq tem um conjunto completo de itens de luxo, incluindo um sistema autônomo de última geração, alto-falantes nos encostos de cabeça e luzes ambiente personalizáveis. Mas não se parece com outros SUVs contemporâneos.

O modelo da Cadillac está mais elegante. Tem um design que se assemelha a modelos de alto desempenho que adversários de Stuttgart costumavam se destacar. O Lyriq também oferece robustos 505 quilômetros de autonomia por carga e custa a partir de US$ 58.600, quase um terço a menos que o SUV elétrico da BMW, o iX.

“[O modelo] está atingindo o ponto ideal do mercado e estamos animados com esse impulso”, diz o vice-presidente da Cadillac, John Roth.

A GM já vendeu cerca de 15.000 Lyriqs nos Estados Unidos.

Roth disse que 70% foram destinados a pessoas que anteriormente não tinham um veículo da GM e, 15%, para consumidores que mais recentemente tinham um modelo de uma marca de luxo rival.

PUBLICIDADE

O Lyriq também se beneficia por estar situado em um dos poucos segmentos com desempenho positivo em veículos elétricos dos EUA. O mercado de luxo vendeu a um ritmo acelerado no primeiro trimestre: 58.100 unidades, ante 37.300 no mesmo período do ano anterior. O segmento agora é responsável por quase 25% dos emplacamentos de veículos elétricos em todo o país, acima dos 14% de um ano atrás.

Embora a acessibilidade continue sendo um dos principais obstáculos à adoção de veículos elétricos, os carros de luxo destinam-se a compradores mais abastados, que muitas vezes os adicionam à sua coleção em vez de substituir um veículo, de acordo com Jessica Caldwell, analista da Edmunds.

Os SUVs elétricos, em particular, ganharam velocidade nas vendas.

Leia mais: De bateria a software: os gargalos da GM para avançar no mercado de elétricos

“Se você pensar bem, a categoria de SUVs de luxo não tem desculpa para sofrer”, disse Caldwell. “Eles não esperam realmente que o mercado de massa entre em ação”.

Gráficodfd

Os modelos menores e mais modestos, por outro lado, estão com dificuldades para manter o ritmo.

Os americanos compraram 269.000 veículos elétricos no primeiro trimestre, de acordo com a Cox, um aumento de 2,6% em relação ao trimestre do ano anterior, mas uma queda de 15,2% em relação aos últimos três meses de 2023.

Leia mais: Xiaomi entra no mercado de veículos elétricos na China para disputar com Tesla e BYD

Grande parte dessa redução pode estar ligada a uma queda de 13% nas vendas da Tesla (TSLA). A montadora ainda controla cerca de metade do mercado de veículos elétricos dos EUA, mas a concorrência está aumentando.

Enquanto isso, Stephanie Valdez Streaty, analista da Cox, observa que os produtos da empresa parecem estar um pouco obsoletos. “Esses modelos já existem há algum tempo”, disse. “Os consumidores gostam de novidades – novos modelos, coisas novas”.

Gráficodfd

Ainda assim, Streaty espera que as vendas de carros elétricos ganhem um novo fôlego com os cortes de preços da Tesla. Muitas marcas seguiram o exemplo da montadora, reduzindo o preço médio de um veículo elétrico nos EUA para US$ 55.200 no primeiro trimestre, uma queda de 9% em relação ao primeiro trimestre de 2023.

“Isso é importante, porque se você acha que um veículo elétrico não está ao seu alcance, você nem mesmo vai fazer pesquisas”, disse Caldwell. Até o final do ano, Cox disse esperar que um em cada dez carros novos comprados nos EUA seja movido a bateria.

O Lyriq, um veículo de pleno luxo, está chegando ao mercado apenas um pouco acima do preço médio dos elétricos nos EUA. Mas chegar a este ponto tem sido um caminho difícil para a GM. Quando o modelo foi apresentado em agosto de 2020, mais de 200.000 pessoas manifestaram interesse.

No entanto, atrasos na produção afetaram as entregas e pelo menos alguns clientes cancelaram seus pedidos. Agora, porém, a fábrica em Spring Hill, estado do Tennessee, está funcionando.

Roth, da Cadillac, vê as vendas do primeiro trimestre como um voto de confiança no Lyriq, e não como uma anomalia ou um reflexo da demanda reprimida. “Muitas dessas marcas simplesmente não atingem a equação da faixa de valores”, diz ele. “A beleza está nos olhos de quem vê, mas deixarei o mercado decidir o que parece ser bom”.

Roberts teve que esperar 10 meses por seu Lyriq. Quando chegou sua vez, ele vendeu seu GMC Acadia Denali, que fazia apenas 8 quilômetros por litro quando circulava pela cidade. “[Existem] veículos suficientes por aí”, diz ele. “Você não precisa dirigir algo que não gosta”.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Angra 3: os desafios para concluir a usina nuclear estimada em R$ 20 bilhões

Tesla corta preço de carro-chefe em US$ 2.000 após vender menos e estoque subir