Plano de investimento da Petrobras é novo teste para acionistas minoritários

Expectativa de aumento nos investimentos da empresa coloca em xeque o rali de ações que beneficiou os principais acionistas minoritários, como o investidor Rajiv Jain, da GQG Partners

Petrobras
Por Vinícius Andrade - Zijia Song
09 de Novembro, 2023 | 04:32 PM

Bloomberg — O investidor Rajiv Jain se tornou o maior acionista minoritário da Petrobras (PETR3; PETR4), muitas vezes abocanhando ações quando outros investidores fugiam do papel. Agora, sua confiança na estatal brasileira passa por um dos maiores testes.

A GQG Partners, empresa de investimentos que Jain ajudou a fundar em 2016, possui cerca de 6% da petrolífera e se beneficiou de um salto de 59% no preço da ação desde meados de dezembro.

A continuidade desse rali será influenciada, em grande parte, pelo plano estratégico de cinco anos que a Petrobras anunciará nas próximas semanas.

Um aumento maior do que o previsto nos investimentos, ou pior ainda, um disparo nos gastos em projetos menos rentáveis poderia ameaçar os ganhos. Mas Jain, acostumado a montar posições que desafiam o consenso, não se deixa abalar.

PUBLICIDADE

“A ação subiu muito nos últimos 12 meses, mas os riscos também foram reduzidos”, disse Siddharth Jain, analista de investimentos da GQG e filho de Rajiv Jain.

“Temos aumentado a nossa posição nos últimos meses porque, mesmo depois do rali, esta ainda é, na nossa opinião, a ação ‘large cap’ mais barata do mundo”, Jain disse em entrevista à Bloomberg News.

Rajiv Jaindfd

Ele tem um ponto. Mesmo depois de a Petrobras ter visto seu valor de mercado subir R$ 176 bilhões desde as mínimas de dezembro, a ação atualmente negociada a 3,8 vezes o lucro projetado para os próximos 12 meses, o papel mais barato em uma cesta de 20 pares globais monitorados pela Bloomberg. O múltiplo para a estatal argentina YPF é o dobro disso.

PUBLICIDADE

A Petrobras divulga seu balanço do terceiro trimestre após o fechamento desta quinta-feira (9).

Novo CEO

A GQG, que também construiu posições significativas em nomes como o conglomerado indiano Adani, anunciou pela primeira vez uma participação de 5% na Petrobras no final do ano passado, quando muitos estavam preocupados com a vitória nas urnas do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que constantemente criticava a condução da empresa — desde a política de preços dos combustíveis até a distribuição de bilhões de reais em dividendos.

E, embora a Petrobras pareça barata, muitos investidores continuam ansiosos com o primeiro plano de investimentos elaborado por Jean Paul Prates, indicado para a presidência da estatal pelo governo Lula.

Analistas do Goldman Sachs liderados por Bruno Amorim disseram esta semana que veem o anúncio como um “risco potencial de curto prazo”.

Petrobras Shares Rally as Investors Look Past Lula Fears | Oil driller adds 164 billion reais in market value since mid-Decemberdfd

Prates já começou a fazer mudanças. A produtora de petróleo revelou uma nova política em julho que reduziu o pagamento de dividendos. O conselho também propôs alterações no estatuto social da Petrobras que poderiam reduzir o espaço para futuros pagamentos extraordinários.

Para a GQG, essa não é uma mudança radical o suficiente para fazer o fundo voltar atrás na aposta. “Houve algumas mudanças com as quais não concordo necessariamente, mas as coisas não estão tão ruins”, disse Siddharth Jain.

Agora, com o plano plurianual, vem o verdadeiro teste.

PUBLICIDADE

O plano

Os investidores esperam que o capex seja superior ao valor de US$ 78 bilhões do plano anterior, com estimativas de analistas de bancos e gestoras variando entre US$ 85 bilhões e US$ 95 bilhões, segundo dados compilados pela Bloomberg.

Prates sinalizou que a Petrobras pretende destinar até 15% de seus investimentos totais para projetos de energia renovável e baixo carbono.

“O capex vai subir, mas não esperamos nenhum aumento enorme, como dobrar os investimentos – leva muito tempo para que esses projetos passem pelo processo de aprovação”, disse Jain.

Embora uma aquisição em grande escala ou um aumento mais agressivo no investimento sejam preocupantes, o fundo está dando à Petrobras “o benefício da dúvida por enquanto”, disse ele.

PUBLICIDADE

Outros investidores também apostaram fortemente na Petrobras.

Andrew Keiller, sócio da Baillie Gifford & Co que supervisiona o fundo Baillie Gifford Emerging Markets Equities, começou a montar sua posição em Petrobras por volta de 2016 e 2017.

A ação agora representa 5,6% do fundo, sua terceira maior posição, o que levou Keiller a fazer “pequenas reduções” recentemente. A aposta em Petrobras foi a maior contribuidora para os ganhos do fundo nos últimos cinco anos.

Alguns investidores citam lições aprendidas com a Lava Jato. O espaço para mudanças dramáticas diminuiu, segundo André Lion, gestor de portfólio da Ibiuna Investimentos e veterano de três décadas do mercado brasileiro.

PUBLICIDADE

“Essa alteração do estatuto é boa? Claro que não é boa. Mas é o fim da tese? Não é”, disse Lion. “A Petrobras era uma aluna nota 9,5 e vai terminar o mandato nota 6.”

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

Para este veterano em investimentos ESG, é hora de ficar longe dos ETFs

Após reduzir alavancagem, Alliança mira novas parcerias com operadoras, diz CEO

PUBLICIDADE

Stone e PagSeguro valem 90% menos após Pix e aumento de concorrência

Madero mantém cautela para 2024 e dá o tom do setor de restaurantes no país

Nunca estivemos tão perto de um acordo com a Americanas, diz CEO do Itaú