Boom de IA eleva ações tech e eclipsa receios do Fed: os eventos que movem os mercados

Projeções da Nvidia impulsionam fé na IA generativa; foco também em atividade europeia e planos de dividendos e recompra das empresas

Estes são os eventos que orientam os investidores e movem os mercados hoje
22 de Fevereiro, 2024 | 07:09 AM

Barcelona, Espanha — A projeção de vendas da Nvidia amplificou a fé no crescimento do uso de inteligência artificial (IA) generativa, inspirando otimismo nos mercados mundiais.

💥 Rastilho de pólvora. Este entusiasmo, especialmente entre os investidores de tecnologia e semicondutores, levou o índice japonês Nikkei 225 a ultrapassar um marco alcançado pela última vez em 1989. Na Europa, o Stoxx Europe 600 superou seu recorde de janeiro de 2022, com o setor tecnológico avançando mais de 3% e a ASML Holding, principal fabricante de chips da região, valorizando até 5%.

➿ Mola propulsora. Após um salto de até 11% no aftermarket, as ações da Nvidia seguiam pela senda positiva (mais de +14%). A fabricante de chips, no centro da revolução da IA e com o melhor desempenho do S&P 500 no ano, prevê receitas de US$ 24 bilhões no primeiro trimestre, superando as expectativas anteriores de cerca de US$ 22 bilhões.

Assine a newsletter matinal Breakfast, uma seleção da Bloomberg Línea com os temas de destaque em negócios e finanças no Brasil e no mundo.

🇺🇸 Sobriedade nos EUA. A empolgação com a Nvidia eclipsou a postura cautelosa do Federal Reserve (Fed) expressa na ata de sua última reunião, onde a maioria dos dirigentes mostrou-se reticente quanto à redução prematura das taxas de juros. Esperam-se discursos da governadora do Fed Lisa Cook e do dirigente do Fed de Minneapolis, Neel Kashkari, que juntamente com dados sobre empregos e vendas de imóveis devem fornecer mais elementos para reflexão.

PUBLICIDADE

🇪🇺 E também na Europa... Os traders estão apostando que o Banco Central Europeu fará menos de um ponto percentual de cortes nas taxas de juros este ano, reduzindo as apostas ao menor patamar desde dezembro. Os contratos de swap mostram que menos de quatro quartos de pontos percentuais de cortes estão cotados até o final de 2024, em comparação com os sete previstos no final do ano passado. A primeira redução é esperada para junho, com uma chance em três de uma mudança antecipada para abril.

🌡️ Termômetro econômico. A atividade do setor privado da Zona do Euro alcançou um pico de oito meses (48,9 pontos, contra estimativas de 48,4), com os serviços e a estabilização em grande parte da região compensando a deterioração da indústria alemã. Na Alemanha, o PMI Composto de fevereiro baixou até 46,1 pontos, contra estimativas de 47,5 e 47,0 da leitura anterior). Na segunda maior economia da Europa, a França, o PMI Composto melhorou mais do que o esperado, mas ainda continua na zona de contração: 47,7 pontos, versus 45,0 esperados e 44,6 da divulgação de janeiro.

💶 Recompensa aos acionistas. A Axa planeja devolver aos investidores cerca de €6 bilhões dos lucros do ano passado, revelou o CEO Thomas Buberl. A seguradora francesa prometeu distribuir 75% dos lucros subjacentes por ação nos próximos anos, incluindo 15% por meio de recompras. Para o ano passado, a Axa anunciou um dividendo de €1,98 por ação e uma recompra de €1,6 bilhão.

PUBLICIDADE

📈 O vaivém dos ativos. Os contratos futuros de índices dos EUA operavam em alta. As ações europeias iam pelo mesmo caminho. Na Ásia, todos os indicadores fecharam positivos. Os contratos de petróleo WTI se valorizavam, assim como os ativos atrelados ao ouro. O bitcoin também trabalhava com valorização.

(Com informações de Bloomberg News)

🗓️ AGENDA: Os eventos e indicadores em destaque hoje e na semana →

Os mercados esta manhãdfd
🔘 As bolsas ontem (21/02): Dow Jones Industrials (+0,13%), S&P 500 (+0,13%), Nasdaq Composite (-0,32%), Stoxx 600 (-0,17%), Ibovespa (+0,09%)
Michelly Teixeira

Jornalista com mais de 20 anos como editora e repórter. Em seus 13 anos de Espanha, trabalhou na Radio Nacional de España/RNE e colaborou com a agência REDD Intelligence. No Brasil, passou pelas redações do Valor, Agência Estado e Gazeta Mercantil. Tem um MBA em Finanças, é pós-graduada em Marketing e fez um mestrado em Digital Business na ESADE.