aa
Tempo de leitura: 4 minutos

Bloomberg — Em termos de discursos presidenciais, a estreia de Javier Milei em Davos foi algo extraordinário: o libertário argentino subiu ao palco para fazer uma defesa inabalável do capitalismo, algo que não se ouve com frequência na política mainstream nos dias de hoje.

O presidente argentino disse ao mundo no famoso encontro em Davos nesta quarta-feira que o Ocidente está sob ataque do socialismo, e o capitalismo de livre mercado não é apenas “justo e moralmente superior”, mas também a razão pela qual a humanidade está desfrutando da “maior expansão de riqueza e prosperidade em nossa história”.

O modelo que ele propõe para a Argentina está firmemente enraizado nos princípios libertários fundamentais: “A defesa da vida, liberdade e propriedade”, Milei disse à audiência do Fórum Econômico Mundial em sua primeira viagem internacional desde sua posse em 10 de dezembro.

Ele então descreveu o que considera as faces atuais do socialismo: o feminismo, a agenda das mudanças climáticas e o coletivismo, ideias que, segundo ele, se espalham pela mídia, universidades e até mesmo organizações multilaterais cooptadas por “neo-marxistas”.

PUBLICIDADE

Ele foi tão longe a ponto de afirmar que ferramentas de política comuns em nações desenvolvidas, desde dívidas até subsídios e taxas de juros, são resultado do Estado tentando controlar as vidas individuais, em uma mensagem que ecoou o tom da campanha radical que o levou à presidência.

LEIA +
Milei desfaz controles de preços e inflação anual na Argentina vai a 211%

A mensagem de Milei destoa em um fórum frequentemente dedicado a tópicos politicamente corretos como “Como fechar a lacuna de gênero na saúde” e “IA: O grande equalizador?”.

Até Donald Trump dedicou parte de seu último discurso em Davos a afirmar que seu governo estava criando “a economia mais inclusiva que já existiu” e se vangloriando de como estavam melhorando a vida de “americanos de todas as raças, cores, religiões e credos”, objetivos que Milei provavelmente consideraria uma forma de socialismo.

PUBLICIDADE

Ao mesmo tempo, com valores de diversidade, igualdade e inclusão na vanguarda das batalhas culturais nos EUA, o discurso de Milei sem dúvida agradou algumas mentes na plateia.

Você pode imaginar os sorrisos secretos daqueles magnatas dos negócios que, no fundo, pouco se importam com a promoção da diversidade, a proteção do meio ambiente ou a regulamentação do excesso monopolístico, mas ainda precisam seguir essa agenda porque é o mundo corporativo em que vivemos.

Para eles, o líder argentino tinha mensagens tranquilizadoras: “Vocês são heróis... Se vocês ganham dinheiro, é porque oferecem um produto melhor a um preço melhor, contribuindo assim para o bem-estar geral... Vocês são os verdadeiros protagonistas dessa história e devem saber que, a partir de hoje, têm na Argentina um aliado incondicional”.

O discurso de Milei não pode ser dissociado da recente história de fracasso econômico da Argentina. Após décadas de intervencionismo e regulamentações que consolidaram capitalistas e deixaram quase metade de sua população na pobreza, seu foco em um estado disfuncional que gasta demais e entrega pouco é bem-vindo.

PUBLICIDADE

No entanto, apesar de todos os pontos provocativos que Milei apresentou vigorosamente em Davos, ele perdeu a oportunidade de dizer aos mestres do universo o que eles mais queriam ouvir: seu plano concreto para tirar a Argentina da miséria atual produzida por décadas de má prática política.

A estrutura libertária pode ser mais ou menos convincente para as empresas apostarem, mas certamente não é suficiente para justificar despejar bilhões em um país que tem perspectivas empolgantes e precisa seriamente de investimentos, mas que, repetidamente, tem decepcionado.

A realidade é que qualquer um que queira investir na Argentina agora não encontrará o oásis libertário almejado por Milei, mas um país com inflação de 211%, sem crédito e multinacionais saindo. Milei não pode ser culpado por nada disso.

PUBLICIDADE

Ele é a consequência, não a causa, do mal-estar do país, e será julgado por sua capacidade de reverter a situação. Mas ele precisa começar a articular de maneiras mais práticas como esse retorno será realizado e quais serão as políticas fiscais, monetárias e comerciais nos próximos quatro anos após esses meses iniciais de emergência.

Milei sabe disso muito bem. De volta a Buenos Aires, ele passa seus dias não em embates ideológicos com a teoria econômica neoclássica “que abre as portas para o socialismo”, mas em lutas e negociações muito reais com províncias e o Congresso controlado pela oposição. Ele até teve que anunciar aumentos de impostos, em clara contradição com seu discurso em Davos.

No voo comercial da Lufthansa que o levou à Europa, Milei já havia avisado que estava participando do evento favorito da elite global para “plantar as ideias de liberdade em um fórum contaminado pela agenda socialista de 2030 que só trará miséria ao mundo”.

Atacar o socialismo em um fórum de bilionários e vencedores pode ser um pouco redundante, mas essa é a mensagem característica de Milei, e não é uma má ideia que a audiência poderosa a ouça diretamente do homem. Posso ver as pessoas se animando porque é uma ruptura com o frustrante passado recente.

Mas será necessário muito mais do que isso para convencê-los de que a Argentina pode reverter a situação.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Genoa vê Banco Central cauteloso apreciar o real e eleva aposta em bolsa

El Niño mais forte é novo risco ao agro brasileiro e ao crescimento da economia

O que a indústria automotiva revela sobre as novas tendências do comércio global