Aposta em emergentes ganha tom de cautela entre investidores globais

Eventos como derrocada do Adani Group na Índia e economia americana resiliente são lembrete da necessidade de seletividade na escolha de ativos mais arriscados

Painel de cotações da B3
Por Maria Elena Vizcaino
06 de Fevereiro, 2023 | 04:50 AM

Bloomberg — As rachaduras estão aparecendo na tese otimista de Wall Street para os mercados emergentes à medida que os obstáculos - da queda de US$ 108 bilhões no valor de mercado do Adani Group aos planos de aumento de juros do Federal Reserve - levam a uma abordagem mais seletiva ao investimento.

Uma recuperação no início de 2023 nos ativos das economias em desenvolvimento, alimentada pela reabertura da China e pelas esperanças de condições de financiamento global mais flexíveis, já está começando a perder força. À medida que surgem novos riscos, a Goldman Sachs Asset Management e o JPMorgan Chase (JPM) estão entre os que defendem estratégias mais seletivas.

“Ainda não estamos no ambiente em que podemos comprar indiscriminadamente”, disse Angus Bell, managing partner da Goldman Sachs Asset Management em Londres.

“Para os países que enfrentaram estresse agudo no ano passado, não é realmente como se o ambiente macro tivesse mudado tão dramaticamente que todos os problemas que eles enfrentavam agora tenham evaporado totalmente”, completou.

PUBLICIDADE

Para os investidores, os eventos recentes são um lembrete da rapidez com que o clima pode mudar nos mercados emergentes.

O índice MSCI para moedas em desenvolvimento registrou na última sexta-feira (3) sua maior perda em um dia no fechamento desde o início de dezembro, depois que dados do mercado de trabalho ainda aquecido nos Estados Unidos reforçaram a tese para que Fed continue aumentando as taxas. Isso levou a TD Securities a fechar sua aposta de alta no real do Brasil na medida em que a moeda caiu.

Valuation relativo do MSCI Emerging Markets vs. S&P 500dfd

Um indicador de ações semelhante teve a primeira perda semanal do ano em meio a uma liquidação no amplo conglomerado indiano de Gautam Adani e um aumento na tensão entre EUA-China.

Tudo isso contrasta fortemente com um início estelar de 2023 para a classe de ativos, com a Morgan Stanley Investment Management dizendo que a década dos mercados emergentes havia começado.

Caesar Maasry, chefe de pesquisa de estratégia de ativos emergentes e managing partner do Goldman Sachs, ainda espera quase outros 10% de ganhos em ações de mercados em desenvolvimento.

“Acho que não há espuma”, disse Maasry em entrevista por telefone. “Há mais vantagens no rali dos mercados emergentes.”

Ainda assim, alguns ativos estão começando a parecer mais caros.

PUBLICIDADE

“As principais razões de curto prazo para não seguir o rali agora são sua velocidade e magnitude”, disseram analistas do JPMorgan, incluindo Jonny Goulden, em relatório de 26 de janeiro. Com base na análise sobre o apetite ao risco para moedas emergentes, “alguma cautela de curto prazo é necessária”.

Corrida para ativos de mercados emergentes perde fôlego nos últimos dias, segundo o MSCI Emerging Marketsdfd

Guido Chamorro, codiretor de dívida em moeda forte de mercados emergentes da Pictet Asset Management em Londres, também divulgou o perigo de técnicas de mercado para títulos globais. Em comparação com o ano passado, os investidores adquiriram ansiosamente novas dívidas para construir maiores posições overweight, disse ele.

“Se não houver solavancos na estrada à frente, isso não é um problema”, disse ele. “No entanto, se virmos solavancos na estrada à frente, poderemos ver um pouco de abalo.”

Os fluxos de investimento para fundos de títulos em moeda forte já estão diminuindo um pouco, enquanto os fundos de títulos em moeda local sofreram uma saída recente, de acordo com dados do JPMorgan.

A dívida de Angola e da África do Sul tornou-se relativamente cara, disse Carlos de Sousa, investidor da Vontobel Asset Management em Zurique. Embora ele veja ganhos mais amplos com títulos à frente, há riscos inerentes à perspectiva política e econômica sombria, por exemplo, da Bolívia se a maré global mudar, disse.

No Brasil, casos como o da Americanas (AMER3), mostram os riscos de investimentos em títulos que até outro dia tinha classificação AAA das agências de classificação de risco.

Polina Kurdyavko, chefe de mercados emergentes da Bluebay Asset Management, disse que prefere dívidas de empresas com margens de lucro estáveis e fluxos de caixa consistentes – como concessionárias de energia hidrelétrica na América Latina e certos créditos quase soberanos com suporte estatal.

Uma estratégia de investimento com mais nuances é aquela que muitos em Wall Street estão adotando em meio a sinais de que o ímpeto inicial do ano nos mercados emergentes pode ser menos linear à frente.

“Você tem a sensação de que boa parte dos retornos do ano pode ter sido antecipada”, disse Yung-Yu Ma, estrategista-chefe de investimentos da BMO Wealth Management, que continua otimista com a promessa de reabertura da China. “Mas em termos de trajetória, parece que há muito caminho para isso.”

- Com informações da Bloomberg Línea.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Morgan Stanley: esta é a década dos emergentes para o investimento em ações

Governo com mais gastos e intervenção terá desgaste lento, diz Taschetto, da Ace

‘É muito difícil ficar comprado em ações no Brasil’, diz Guerra, da Legacy