Gigantes se preparam para tempos difíceis

Também no Breakfast: Mercados às voltas de conjecturas sobre política de bancos centrais; Conselho da Petrobras pode mudar política de preços para evitar ingerência e O joalheiro brasileiro que promove a mineração ética

Tempo de leitura: 4 minutos

Bloomberg Línea — Bom dia! Este é o Breakfast - o seu primeiro gole de notícias. Uma seleção da Bloomberg Línea com os temas de destaque no mundo dos negócios e das finanças.

A Apple planeja frear gastos e contratações no próximo ano para lidar com uma possível recessão. A decisão, relatada por fontes a par do assunto, faz parte de uma estratégia de mais cautela em tempos incertos, embora não seja uma política para toda a empresa.As mudanças não afetarão todas as equipes. Mesmo diante do quadro desafiador, a Apple planeja um calendário agressivo de lançamento de produtos em 2023, que inclui um fone de ouvido de realidade mista, que representará sua primeira grande nova categoria desde 2015.

PUBLICIDADE

Alphabet, Amazon, Meta, Snap e outras empresas de tecnologia tomaram suas próprias medidas nas últimas semanas para controlar orçamentos e reduzir contratações. A Microsoft, a Tesla e a Meta chegaram a eliminar cargos.

✳️ Em contrapartida, apesar dos temores de uma recessão no horizonte e com alguns balanços financeiros já evidenciando tempos difíceis, alguns grandes bancos americanos têm aumentado suas equipes.

Goldman Sachs, Morgan Stanley, JPMorgan e Citigroup divulgaram uma força de trabalho significativamente maior no segundo trimestre, em comparação com o ano anterior. O Goldman, com sede em Nova York, foi o que mais contratou, reforçando sua equipe em 15%. Nos seis maiores bancos americanos, o ganho médio no número de funcionários foi de 5,5% frente a meados de 2021.

➡ Mas esta investida também tem a ver com estes tempos de incerteza e volatilidade. Saiba por que os bancos de Wall Street estão contratando mesmo com o vislumbre de uma recessão.

Gigante de tecnologia também deve destinar menos recursos a determinadas divisões em um esforço para controlar o orçamentodfd

Na trilha dos Mercados

A agenda de hoje está mais baseada nas expectativas depositadas sobre os bancos centrais. De dados concretos, há a inflação galopante na Europa e alguns indicadores macroeconômicos capazes de medir o pulso da economia dos Estados Unidos. Também tem a safra de balanços, hoje com titãs como Netflix.

🔥 Inflação na Europa. Os preços estão tão quentes como a onda de calor exasperante no continente. A inflação anual da Zona do Euro alcançou 8,6% em junho, mais de quatro vezes acima da meta de 2% e maior que os 8,1% anotados em maio. Um ano antes, a taxa anualizada era de 1,9%. Em toda a União Europeia, os preços ao consumidor em junho saltaram 9,6%, frente aos 8,8% do mês anterior, divulgou esta manhã a Eurostat.

🥊 Inflação x Juros. A pressão constante sobre os preços tem colocado o Banco Central Europeu (BCE) contra a parede, já que até agora, diferentemente de seus pares ao redor do globo, relutou em subir os juros para esfriar a inflação.

🆙 Mudando de ideia? Na quinta-feira, o BCE dará seu passo rumo a um aperto monetário. Subirá seus juros pela primeira vez desde 2011. O BCE estaria ponderando com mais atenção dobrar o aumento do juro que havia sinalizado antes. Uma alta de 0,50 ponto seria uma resposta ao agravamento do cenário de inflação, segundo divulgou esta manhã a Bloomberg News, citando fontes a par do tema. A paridade do euro em relação ao dólar cria um novo cenário e o diferencial entre taxas da Europa e dos EUA tornará os títulos desde país mais atrativos.

Leia mais sobre os fatores que moverão os mercados hoje

Um panorama dos mercadosdfd
🟢 As bolsas ontem: Dow Jones Industrials (-0,69%), S&P 500 (-0,84%), Nasdaq Composite (-0,81%), Stoxx 50 (+0,93%), Ibovespa (+0,38%)

A intenção da Apple de reduzir seus planos de contratação esfriou o entusiasmo do início da sessão, quando os investidores se animaram com alguns relatórios trimestrais do setor bancário. A maior empresa do país por capitalização de mercado vai frear as contratações e os gastos no próximo ano, com vistas a enfrentar uma possível retração econômica, disseram três fontes à Bloomberg News. A notícia renovou as preocupações de que a política monetária do Fed, que arbitra sobre as taxas de juros no final deste mês, irá comprometer o crescimento econômico.

Saiba mais sobre o vaivém dos Mercados e se inscreva no After Hours, a newsletter vespertina da Bloomberg Línea com o resumo do fechamento dos mercados.

No radar

Esta é a agenda prevista para hoje:

EUA: Licenças de Construção/Jun, Construção de Casas Novas/Jun, Índice Redbook, Estoques de Petróleo Bruto Semanal API. A Secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, visita a Coreia do Sul

Europa: Zona do Euro (IPC/Jun), Produção do Setor de Construção/Mai); Reino Unido (Variação no Número de Desempregados/Jun)

Ásia: China (Investimento Estrangeiro Direto/Jun)

Bancos centrais: Minuta de política monetária do Banco Central da Australia. O governador do Banco da Inglaterra, Andrew Bailey, fala em evento. Discurso de Lael Brainard (FOMC/Fed)

Balanços do dia: Johnson & Johnson, Lockheed Martin, Netflix, Novartis, Volvo, Yara, Halliburton, Alstom

📌 Para a semana:

• Balanços: Tesla, Abott Labs, SAP, American Airlines, America Express, entre outros

Quarta-feira: Reino Unido (IPC e IPP/Jun), Alemanha (IPP/Jun), Zona do Euro (Confiança do Consumidor)

Quinta-feira: Decisões sobre taxas de juros do Banco do Japão e do Banco Central Europeu (BCE). Gasoduto Nord Stream 1 programado para reabrir após manutenção

Sexta-feira: Indicadores PMIs/Jul: Japão, França, Alemanha, Reino Unido e Zona Euro; Reino Unido (Índice GfK de Confiança do Consumidor); Japão (IPC/Jun); Levantamento do BCE com previsões econômicas

Destaques da Bloomberg Línea

Conselho da Petrobras pode mudar política de preços para evitar ingerência

Exclusivo: Guillermo Lasso, presidente do Equador: ‘não estou isolado no poder’

Quem é o joalheiro brasileiro que vem promovendo a mineração ética

Boeing ganha disputa contra Airbus e leva pedidos da Delta

E mais na versão e-mail do Breakfast:

• Também é importante: • Por que Luiza Trajano foi às redes para vender carnê? • Kapitalo vende inflação e vê Petrobras atrativa antes da eleição • Netflix começa a cobrar por senha compartilhada em países da América Latina • Há um boom na demanda por PCs com a volta ao escritório, diz CEO da Positivo

• Opinião Bloomberg: Discriminação por idade no Citigroup: recurso pode reverter sentença

• Pra não ficar de fora: Onda de calor leva sistema de energia da Europa ao limite

⇒ Essa foi uma amostra do Breakfast, que na versão completa inclui muitas outras notícias de destaque do Brasil e do mundo.

Para receber a íntegra da newsletter na sua caixa de email, registre-se gratuitamente no nosso site.

Por hoje é só. Bom dia!

Obrigado por ler nossa newsletter matinal.

Edição: Michelly Teixeira | News Editor, Europe