PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Brasil

Bolsonaro diz que inflação e alta de combustíveis são culpa do isolamento social

Presidente disse que a pior inflação para abril desde 1996 é consequência da política do “fique em casa, a economia a gente vê depois”

Em discurso no interior de São Paulo, Bolsonaro diz que inflação é culpa da política de isolamento social adotada por orientação da OMS para combater o coronavírus
12 de Maio, 2022 | 05:46 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg Línea — Em discurso no interior de São Paulo nesta quinta-feira (12), o presidente Jair Bolsonaro (PL) disse que a causa da inflação e da alta dos combustíveis é a política de isolamento social adotada para combater a pandemia do coronavírus, por recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS).

A fala foi no encerramento da Feibanana, uma feira de bananicultura e agronegócio. O presidente disse que uma obra na cidade de Pariquera-Açú estava atrasada por causa da “política errada” do isolamento. “A consequência disso foi e está sendo uma inflação agora generalizada no mundo todo. E o Brasil é um país que está tendo inflação e aumento de combustível. Sei disso e assumo as minhas responsabilidades, mas isso se faz presente no mundo todo. O Brasil é um daqueles que menos está sofrendo com a inflação”, discursou.

PUBLICIDADE

Ontem (11), o IBGE divulgou os dados da inflação de abril. O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) para abril ficou em 1,06%, o pior resultado para o mês desde 1996. A inflação acumulada desde abril do ano passado ficou em 12,13%.

Segundo dados da OCDE divulgados na semana passada, o Brasil tem a terceira maior inflação dos países que integram o G20, grupo das 20 maiores economias do mundo. Fica atrás apenas da Turquia e da Rússia, nessa ordem.

De acordo com a pesquisa Genial/Quaest divulgada na quarta-feira (11), a economia é o principal problema para 50% dos eleitores. Cerca de 18% dessa parcela acreditam que o principal problema econômico seja a inflação.

PUBLICIDADE

A Petrobras (PETR4) (PETR3) também anunciou reajuste do preço do diesel em 8,87% na refinaria. Desde o início do ano, o combustível, um dos principais custos do frete no Brasil, aumentou 49%, segundo dados da Agência Nacional de Petróleo (ANP).

Também ontem (11), Bolsonaro trocou o ministro de Minas e Energia. Demitiu o almirante Bento Albuquerque e nomeou Adolfo Sachsida, ex-secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, para o lugar. Em seu primeiro pronunciamento como ministro Sachsida, aliado de Paulo Guedes e bolsonarista de primeira hora, disse que pretende incluir a Petrobras no programa de privatizações do governo federal.

Leia também:

Genial/Quaest: Bolsonaro para de crescer após três meses; Lula mantém liderança

Turquia é a mais recente a congelar preços para controlar inflação; há risco no Brasil?

BrasilÚltimas BrasilBloomberg LíneaJair BolsonaroEleições 2022IPCAOCDEInflação
Pedro Canário

Pedro Canário

Repórter de Política da Bloomberg Línea no Brasil. Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero em 2009, tem ampla experiência com temas ligados a Direito e Justiça. Foi repórter, editor, correspondente em Brasília e chefe de redação do site Consultor Jurídico (ConJur) e repórter de Supremo Tribunal Federal do site O Antagonista.

PUBLICIDADE