Eleições 2022

Genial/Quaest: Bolsonaro para de crescer após três meses; Lula mantém liderança

Segundo a pesquisa, perdão a Daniel Silveira e piora na situação econômica fizeram intenções de voto no presidente estagnarem

Piora na percepção da economia e perdão a Daniel Silveira fizeram intenções de voto em Bolsonaro pararem de crescer depois de três meses de alta, segundo pesquisa da Genial/Quaest
11 de Maio, 2022 | 11:55 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg Línea — A pesquisa de maio Genial/Quaest, divulgada nesta quarta-feira (11), mostrou que o presidente Jair Bolsonaro (PL) parou de crescer depois de três meses em ascensão enquanto o ex-presidente Lula (PT) se manteve estável na liderança.

Segundo a pesquisa, Lula está com 46% das intenções de voto e Bolsonaro, 31%. A rejeição ao presidente, no entanto, caiu de 66%, em fevereiro, para 59% em maio. A rejeição ao petista se manteve estável em 43%.

Nas intenções de voto, Ciro Gomes (PDT) está em terceiro lugar, com 7%, seguido por João Doria (PSDB), que tem 3%, André Janones (Avante), também com 3%, e Simone Tebet (MDB), que tem 1%.

Para a Quaest, Bolsonaro estacionou por dois motivos: a piora na percepção do eleitor em relação à economia e rejeição ao embate do presidente com o Supremo Tribunal Federal (STF) por causa do perdão concedido ao deputado Daniel Silveira (PL-RJ), condenado a oito anos e nove meses de prisão pela corte.

PUBLICIDADE

De acordo com a pesquisa, 50% dos entrevistados apontaram a economia como o principal problema do país, enquanto saúde e pandemia foram citadas por 13% dos eleitores. Em fevereiro deste ano, 35% disseram que a economia era o principal problema e 27% citaram saúde e pandemia.

E entre os que citaram a economia como o maior problema, 18% citaram a inflação como o principal fator — empate técnico com os 19% que citaram a “crise econômica”.

O IBGE divulgou nesta quarta os dados do IPCA, que mede a inflação. A inflação de abril ficou em 1,06%, a maior para o mês desde 1996, e depois de alta de 1,62% em março. De abril do ano passado a abril deste ano, a alta foi de 12,13%, ante 11,3% registrada nos 12 meses imediatamente anteriores.

E, segundo a Quaest, “a economia vem influenciando diretamente as eleições”. Para 62% dos eleitores, a situação econômica piorou no último ano — embora 52% acreditem que ela vai melhorar. E 59% disseram ter dificuldades para pagar as contas nos últimos três meses.

PUBLICIDADE

Os eleitores também rejeitaram o perdão concedido por Bolsonaro a Daniel Silveira. Segundo a pesquisa, 59% dos pesquisados tomaram conhecimento do fato e 45% consideraram que o presidente agiu errado.

Entre os eleitores de Bolsonaro, no entanto, 64% acham que ele agiu certo. Na interpretação de Felipe Nunes, CEO da Quaest, o perdão ao deputado atraiu o eleitor radical que já apoia o presidente, mas afastou o eleitor moderado, que não vota nem em Lula nem em Bolsonaro, conforme disse no Twitter. Entre os eleitores “nem nem”, 54% reprovaram o perdão a Daniel Silveira.

Ao mesmo tempo, a desconfiança do eleitor na urna eletrônica, um dos alvos preferenciais de ataques por parte de Bolsonaro em seus discursos, caiu: em setembro do ano passado 27% disseram não confiar no equipamento; em maio deste ano, essa cifra foi de 22%. A confiança na urna saiu de 41% para 40%.

A pesquisa ouviu 2 mil pessoas em domicílio entre os dias 5 e 8 de maio. A margem de erro é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos. A pesquisa está registrada no TSE sob o protocolo BR-01603/2022.

Leia também:

Alimentos e gasolina levam IPCA à maior alta em quase 30 anos

Em lançamento de chapa com Alckmin, Lula diz que vencerá ameaça autoritária

Pedro Canário

Pedro Canário

Repórter de Política da Bloomberg Línea no Brasil. Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero em 2009, tem ampla experiência com temas ligados a Direito e Justiça. Foi repórter, editor, correspondente em Brasília e chefe de redação do site Consultor Jurídico (ConJur) e repórter de Supremo Tribunal Federal do site O Antagonista.

PUBLICIDADE