PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Negócios

Twitter da ‘liberdade de expressão’ de Elon Musk pode assustar anunciantes

Como outras plataformas de mídia social, o site depende muito da publicidade, que representou cerca de 90% da receita em 2021

Bilionário fez oferta de aquisição de US$ 43 bilhões pelo Twitter.
Por Michael Tobin
15 de Abril, 2022 | 11:38 am
Tempo de leitura: 4 minutos
Últimascotações

Bloomberg News — A visão de Elon Musk de tirar as barreiras da moderação de conteúdo do Twitter (TWTR) é elogiada por absolutistas da liberdade de expressão, mas corre o risco de criar um vale-tudo que aliena os anunciantes e deixa os usuários regulares sujeitos a abusos.

PUBLICIDADE

Musk fez sua oferta de aquisição de US$ 43 bilhões pelo Twitter com a intenção de liberar seu potencial para ser a “plataforma de liberdade de expressão em todo o mundo”. Ele acrescentou que “a liberdade de expressão é um imperativo social para uma democracia em funcionamento”.

Mas um site com pouca moderação de conteúdo seria uma preocupação para os anunciantes, que não gostariam que seus anúncios aparecessem ao lado de postagens controversas. Pessoas comuns também podem ser desligadas do site se ele for invadido por assediadores ou teóricos da conspiração.

PUBLICIDADE

“A preocupação subjacente seria que o Twitter pudesse se tornar um lugar tóxico e uma comunidade tóxica”, disse Joshua Lowcock, diretor de marketing global da agência de mídia UM Worldwide.

O Twitter, como outras plataformas de mídia social, depende muito da publicidade, que representou cerca de 90% de sua receita de US$ 5,1 bilhões em 2021. Também como seus pares, especialmente a Meta (FB), o Twitter tem lutado para equilibrar a forma como regula o conteúdo no site.

Os conservadores protestam contra o que afirmam ser um viés liberal, enquanto outros dizem que a plataforma não vai longe o suficiente para conter os apelos à violência ou ao discurso de ódio. Em 2020, dezenas de empresas – da Coca-Cola (KO) à Microsoft (MSFT) – pausaram a publicidade no Facebook da Meta em protesto contra o conteúdo nocivo no site, temendo que os anúncios problemáticos aparecessem em associação às marcas.

Musk, com mais de 80 milhões de seguidores no Twitter, tem sido um dos usuários mais proeminentes do site e também um de seus críticos mais sinceros. Grande parte da ira de Musk contra o Twitter foi direcionada contra o que ele percebe como censura da plataforma, e ele simpatiza com usuários que foram expulsos, como a publicação satírica conservadora Babylon Bee.

A conta do Twitter da publicação foi banida depois que um post sobre um funcionário do governo transgênero dos EUA foi considerado uma violação das regras da plataforma. Pouco depois, Musk entrou em contato com a empresa e ponderou que “talvez ele precise comprar o Twitter”.

PUBLICIDADE

Mas muitos dos discursos e golpes de Musk não foram barrados. Isso inclui memes que zombam de pessoas transgênero e um, desde então excluído, comparando o primeiro-ministro canadense Justin Trudeau a Hitler. Ele também chamou um explorador de cavernas britânico de “cara pedófilo”.

Mesmo com as regras e políticas em constante evolução do Twitter em relação ao conteúdo, muitos usuários ainda enfrentam assédio e doxxing, ou a revelação de detalhes pessoais. Abrir ainda mais a plataforma pode piorar esse problema.

“Em termos de usuários comuns, as pessoas odeiam o assédio”, disse Matt Navarra, consultor de mídia social e analista do setor. “Você pode imaginar se isso fosse aberto para ainda mais liberdade de expressão e houvesse menos políticas, regras e repercussões? Esse não seria um lugar em que as pessoas gostariam de ficar.”

Para os anunciantes, o problema não é a liberdade de expressão, mas a falta de moderação de conteúdo no Twitter, disse Lowcock, da UM Worldwide. Sob o comando do ex-CEO do Twitter, Jack Dorsey, “o Twitter priorizou a saúde da plataforma e isso foi apreciado pela comunidade de publicidade”, disse ele. “A confiança na plataforma aumentou. Não se sabe se Musk continuará essa abordagem ou divergirá completamente”.

Em todos os negócios em que ele esteve – desde a fabricação de veículos elétricos até o lançamento de foguetes e satélites – Musk não liderou um que seja apoiado principalmente pela receita de publicidade. Antes de anunciar que planejava adquirir o Twitter, Musk propôs se livrar dos anúncios e recompensar as marcas de verificação para os usuários que pagavam por um serviço de assinatura.

“Musk nunca demonstrou interesse em um negócio apoiado por anúncios e se espera que ele coloque tenentes no comando que entendam a energia da publicidade”, disse Lowcock.

PUBLICIDADE

Musk enquadrou sua proposta como uma luta pela liberdade de expressão, e não para seu próprio benefício financeiro. “Criar uma plataforma pública que seja extremamente confiável e amplamente inclusiva é extremamente favorável ao futuro da civilização”, disse ele. Para ter certeza, o próprio Musk não tem certeza se terá sucesso em sua oferta, mas disse que tem um plano B se a empresa rejeitar sua oferta.

O bilionário não está sozinho em pedir um discurso mais aberto na plataforma de mídia social; a União Americana das Liberdades Civis há muito critica a moderação de conteúdo das mídias sociais. Mas consertar esses problemas não deve ser feito por uma pessoa, disse Nadine Strossen, ex-presidente da ACLU.

“Não importa quão positivas sejam as intenções de Musk hoje, suas intenções podem mudar amanhã e, mesmo que permaneçam boas, a execução pode ser falha”, disse ela.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também: