PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

EUA: Contratação segue robusta, desemprego cai e salários aumentam

País criou quase meio milhão de empregos em março e a taxa de desemprego caiu mais do que o esperado

A taxa de desemprego caiu para 3,6%, perto do mínimo pré-pandemia
Por Olivia Rockman
01 de Abril, 2022 | 12:11 pm
Tempo de leitura: 4 minutos

Bloomberg — Os Estados Unidos criaram quase meio milhão de empregos em março e a taxa de desemprego caiu mais do que o esperado, destacando um mercado de trabalho robusto que provavelmente apoiará o aperto agressivo do Federal Reserve nos próximos meses.

Os payrolls não-agrícolas aumentaram 431.000 no mês passado, após um ganho de 750.000 revisado para cima em fevereiro, como mostrou um relatório do Departamento do Trabalho na sexta-feira (1). A taxa de desemprego caiu para 3,6%, perto do mínimo pré-pandemia, e a taxa de participação na força de trabalho aumentou. Os ganhos salariais aceleraram.

PUBLICIDADE

A estimativa mediana de uma pesquisa da Bloomberg com economistas previa um avanço de 490 mil nos payrolls e que a taxa de desemprego caísse para 3,7%.

Os rendimentos dos títulos do Tesouro de curto prazo subiram e o dólar se fortaleceu após a divulgação das expectativas de que os dados reforçariam a política mais dura do Fed. O S&P 500 abriu em alta.

“Trata-se de um superaquecimento na economia no e mercado de trabalho. O Fed precisa acelerar” seu aperto, disse Jeffrey Rosenberg, gerente sênior de portfólio para multi-estratégia sistemática da BlackRock, à Bloomberg Television.

PUBLICIDADE

Os dados sugerem que a recuperação do mercado de trabalho continua em um ritmo robusto, já que os empregadores estão conseguindo preencher um número quase recorde de vagas. A inflação, a redução do excesso de poupança das famílias e o sólido crescimento dos salários são fatores que podem atrair mais americanos para empregos nos próximos meses. A covid também se tornou um fator menos importante à medida que os estados suspendem as restrições mais amplamente .

Autoridades do Fed, incluindo o presidente Jerome Powell, disseram nas últimas semanas que apoiariam uma política monetária mais agressiva para conter a inflação de décadas, incluindo um possível aumento de 50 pontos-base na próxima reunião de política monetária em maio. Os banqueiros centrais apontaram repetidamente para um mercado de trabalho forte como uma das razões pelas quais a economia dos EUA pode lidar com uma série de aumentos nas taxas de juros que devem se estender até o próximo ano.

Ganhos salariais

O relatório de sexta-feira (1) mostrou que o salário médio por hora subiu 0,4% em relação a fevereiro e 5,6% em relação ao ano anterior, o maior desde maio de 2020. No entanto, a inflação - a mais alta desde o início dos anos 1980 - está superando o crescimento salarial, o que na prática se traduz como um corte salarial para muitos americanos e começa a prejudicar a demanda do consumidor.

Apesar da força do mercado de trabalho, os índices de aprovação do presidente Joe Biden por parte dos americanos caíram devido ao aumento da inflação. Biden anunciou na quinta-feira (31) que os EUA liberariam um milhão de barris de petróleo por dia das reservas por seis meses para ajudar a aliviar um aumento nos preços da gasolina. Ele deve falar da Casa Branca sobre o relatório de empregos na manhã de sexta-feira (1).

Lazer e hospitalidade foram responsáveis por um quarto dos ganhos no payroll. Serviços profissionais e empresariais, comércio varejista e serviços de educação e saúde também apresentaram avanços sólidos.

A taxa de participação na força de trabalho - a parcela da população que está trabalhando ou procurando emprego - subiu para 62,4%, e a taxa para os chamados trabalhadores em idade ativa, com idades entre 25 e 54 anos, subiu para uma máxima de dois anos.

PUBLICIDADE

A taxa de participação geral permanece um ponto percentual menor do que antes da pandemia, devido em parte a impactos persistentes, incluindo aposentadorias antecipadas, mudanças nos arranjos de cuidados infantis e preocupações com a saúde pública.

O que diz os economistas da Bloomberg

“Com a redução dos casos de covid e a reabertura dos serviços, as empresas não conseguem preencher as vagas de emprego com rapidez suficiente. O aumento do poder de barganha salarial dos trabalhadores, juntamente com a alta inflação e a diminuição do excesso de poupança das famílias, criam uma poderosa motivação para trabalhar.”

PUBLICIDADE

– Anna Wong, Yelena Shulyatyeva, Andrew Husby e Eliza Winger, economistas

No entanto, à medida que os casos de covid diminuem amplamente em todo o país, os americanos são mais incentivados a voltar ao trabalho. O número de americanos empregados que não estão trabalhando devido a doenças caiu para o menor número desde fevereiro de 2020.

As taxas de desemprego caíram bastante em todos os principais grupos demográficos. Notavelmente, a participação de mulheres em idade ativa teve o maior aumento desde junho de 2020. A taxa de desemprego para graduados do ensino médio sem diploma universitário caiu para o menor desde fevereiro de 2020.

– Com a colaboração de Chris Middleton, Reade Pickert e Liz Capo McCormick.

PUBLICIDADE

– Esta notícia foi traduzida por Marcelle Castro, localization specialist da Bloomberg Línea

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Últimas BrasilEUAMercado de trabalho
PUBLICIDADE