Eleições 2022

Lula: fechar fábricas de fertilizantes foi ‘irresponsabilidade total’

Ex-presidente voltou a culpar Jair Bolsonaro pela alta do preço dos combustíveis no país

saída da Petrobras da produção de insumos para fertilizantes foi "irresponsabilidade total"
22 de Março, 2022 | 09:56 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg Línea — Líder nas pesquisas eleitorais, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse, nesta terça-feira (22), que a crise de falta de fertilizantes no país é resultado da “irresponsabilidade” que fechou as unidades de produção de insumos pela Petrobras (PETR3 e PETR4). Com a guerra na Ucrânia, o agronegócio do país corre o risco de sofrer desabastecimento de NPK (nitrogênio, fósforo e potássio), importados principalmente da Rússia e de Belarus.

“O Brasil poderia ser autossuficiente em fertilizantes. O Brasil é o terceiro maior produtor de alimentos do mundo e um país que tem o potencial de produção de alimentos que o Brasil tem, não precisa importar, a gente pode produzir aqui”, afirmou o ex-presidente em entrevista à rádio Som Maior, de Criciúma (SC).

“Eles fecharam as fábricas que a gente tinha, três no Paraná, duas em Sergipe, na Bahia e, mais importante, a fábrica de ureia que a gente estava fazendo em Três Lagoas (MS), que estava 85% pronta. Simplesmente paralisaram, numa demonstração de irresponsabilidade total”, disse.

Veja mais: Como o Brasil conseguiu destruir sua própria indústria de fertilizantes

PUBLICIDADE

A paralisação da obra de Três Lagoas e a saída da Petrobras do mercado de fertilizantes ocorreram no governo Temer, quando a política da estatal passou a concentrar-se na produção de petróleo e o desinvestimento em áreas não prioritárias, como a produção de derivados do gás, como uria, com uso como insumo agrícola. A decisão seguiu-se ao prejuízo bilionário, contabilizado pela Petrobras com o pagamento de propina revelado pela operação Lava Jato.

Hoje, o país importa 85% dos fertilizantes utilizados pelo agronegócio. Em 1996, a importação era responsável por 46%, mas a dependência dos insumos importados cresceu nos 25 anos seguintes de forma consistente, inclusive nos 13 anos em que o país foi governado pelo PT.

Veja mais: Petrobras vira alvo de ataques em meio a onda global de subsídio a combustível

Lula voltou a culpar o presidente Jair Bolsonaro (PL), seu principal adversário em outubro, pela alta dos preços dos combustíveis no país e prometer que, caso seja eleito novamente, vai “abrasileirar” os preços praticados pela Petrobras.

PUBLICIDADE

Além de defender a construção de novas refinarias para diminuir a dependência de derivados importados, a crítica do petista dirige-se à política de paridade com os preços do mercado internacional, inaugurada no governo Temer e seguida pelo atual governo.

Veja mais: Pesquisa FSB/BTG aponta Bolsonaro como culpado por alta dos combustíveis

“Preço dos combustíveis tem que ser nacionalizado, não pode ser dolarizado, como é agora. (...). Enquanto a gente enriquece o acionista, a gente empobrece a sociedade. Não tem cabimento”, disse.

“O presidente tem de chamar o presidente da Petrobras, o conselho da Petrobras, o Conselho Nacional de Política Energética e discutir a questão do preço”, afirmou.

Leia também:

Bolsonaro cobra Petrobras sobre redução do preço após queda do petróleo

Lula: Petrobras deveria usar 50% do lucro com refinarias e pesquisa

Graciliano Rocha

Graciliano Rocha

Editor da Bloomberg Línea no Brasil. Jornalista formado pela UFMS. Foi correspondente internacional (2012-2015), cobriu Operação Lava Jato e foi um dos vencedores do Prêmio Petrobras de Jornalismo em 2018. É autor do livro "Irmã Dulce, a Santa dos Pobres" (Planeta), que figurou nas principais listas de best-sellers em 2019.

PUBLICIDADE