Eleições 2022

Pesquisa FSB/BTG aponta Bolsonaro como culpado por alta dos combustíveis

Dados do relatório apontam também ex-presidente Lula com 38% das intenções de voto ante 27% de Bolsonaro.

Petrobras reajustou combustíveis em até 25%
Por Andrew Rosati
21 de Março, 2022 | 01:40 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Os brasileiros consideram o presidente Jair Bolsonaro como o maior culpado pelo recente aumento dos preços dos combustíveis no país - mais do que a invasão da Ucrânia pela Rússia.

É o que constatou uma pesquisa da FSB para o Banco BTG Pactual, divulgada nesta segunda-feira (21), após a decisão da estatal Petróleo Brasileiro SA, a Petrobras (PETR4), de aumentar os preços dos combustíveis em até 25% no início deste mês.

Para a maioria dos brasileiros, Bolsonaro é o maior culpado pela alta dos combustíveis no país. dfd

De acordo com a pesquisa, 29% dos entrevistados disseram que o governo é o principal culpado pelo aumento dos custos do combustível, enquanto 22% apontaram as políticas da Petrobras como o principal motivo, já os impostos cobrados pelos governadores estaduais foram apontados por 21% dos entrevistados.

Apenas 18% dos entrevistados disseram que a guerra na Ucrânia é a causa do aumento dos custos de combustível.

PUBLICIDADE

As consequências econômicas da guerra são a mais recente dor de cabeça para a campanha de reeleição de Bolsonaro. Sua popularidade, chegou a aumentar no início deste ano, à medida que as perspectivas econômicas melhoraram e os temores da pandemia diminuíram, começou a ser abalada com a inflação de dois dígitos reduzindo o poder de compra dos brasileiros.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, favorito nas eleições de outubro, capturaria 38% da intenção de voto espontâneo no primeiro turno, enquanto Bolsonaro ficaria com 27%, de acordo com a mesma pesquisa.

Para tais resultados, foram entrevistados dois mil brasileiros em 20 de março. A margem de é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos.

– Esta notícia foi traduzida por Melina Flynn, Content Producer da Bloomberg Línea.

PUBLICIDADE

Leia também

Guerra na Ucrânia: conflito deslocou 10 milhões de pessoas

Aço bate recorde na Europa com perspectiva de sanções à Rússia

PUBLICIDADE