Finanças pessoais

Fundos têm resgate de R$ 810 mi em fevereiro; multimercados lideram saída

No acumulado do ano, a indústria tem captação líquida positiva de R$ 1,47 bilhão e, em 12 meses, de R$ 356,1 bilhões, segundo a Anbima

Aumento de volatilidade e da taxa de juros leva investidores de volta para aplicações mais conservadoras.
07 de Março, 2022 | 05:01 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg Línea — Em um cenário de maior volatilidade nos mercados globais, a indústria brasileira de fundos de investimento encerrou fevereiro com uma saída líquida de R$ 810,1 milhões, segundo a Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima).

De acordo com dados compilados até 25 de fevereiro, a maior contribuição negativa no último mês partiu dos fundos multimercados, com resgate líquido de R$ 18,06 bilhões. Na sequência, os fundos de ações tiveram saída líquida de R$ 10,93 bilhões.

Fundos de previdência e fundos de índice (ETFs) também encerram o último mês no terreno negativo, com resgate de R$ 103,8 milhões e R$ 778 milhões, respectivamente.

o destaque positivo de fevereiro ficou com os fundos de renda fixa, que captaram R$ 27,8 bilhões. O movimento acontece em meio a um cenário de grande incerteza, com guerra na Ucrânia, aumento da inflação global e subida dos juros, levando o investidor a buscar aplicações mais conservadoras. Segundo o relatório Focus, do Banco Central, mais recente, a expectativa é de que a taxa Selic encerre 2022 em 12,25% ao ano.

PUBLICIDADE

Atenção ainda para os fundos cambiais, que acompanham a valorização do dólar – moeda considerada um “porto seguro” em momentos de grande incerteza –, com entrada líquida de R$ 768,5 milhões.

Apesar do desempenho negativo em fevereiro, a indústria tem uma captação líquida (aportes menos resgates) de R$ 1,47 bilhão no ano. Em 12 meses, o resultado também é positivo, em R$ 356,1 bilhões.

Segundo a Anbima, a indústria brasileira de fundos encerrou fevereiro com um patrimônio líquido de R$ 6,9 trilhões.

Veja mais: BC começa a pagar hoje dinheiro ‘esquecido’ em bancos; saiba como sacar

PUBLICIDADE

Rentabilidade

Em fevereiro, apesar da forte saída de investidores de estratégias de ações, as maiores rentabilidades partiram de fundos de renda variável. No período, se destacaram os fundos “Ações FMP-FGTS”, “Ações Setoriais” e os “Mono Ações”, com retornos de 9,18%, 9,07% e 5,42%, respectivamente, segundo os dados da Anbima.

Na renda fixa, o melhor desempenho ficou com a subcategoria “duração alta grau de investimento”, com retorno de 1,12%. Já entre os multimercados, os fundos “macro” lideraram os ganhos, com retorno médio de 1,79%.

Leia também:

Petrobras deve pedir aprovação do governo para reajuste de preços, diz Reuters

Mariana d'Ávila

Mariana d'Ávila

Redatora na Bloomberg Línea. Jornalista brasileira formada pela Faculdade Cásper Líbero, especializada em investimentos e finanças pessoais e com passagem pela redação do InfoMoney.

PUBLICIDADE