Internacional

AO VIVO: Rússia ataca a maior usina nuclear da Europa

A usina pegou fogo após as tropas russas bombardearem o local na sexta-feira, levantando preocupações sobre a segurança da instalação

Rússia ataca usina nuclear de Zaporiyia
Por Bloomberg News
03 de Março, 2022 | 10:15 am
Tempo de leitura: 24 minutos

Bloomberg Línea — -- Esta notícia está sendo atualizada --

A usina nuclear de Zaporizhzhia, considerada a maior da Europa, foi atacada pelas forças russas, de acordo com a Associated Press. A usina pegou fogo depois que as tropas russas começaram a bombardear o local na sexta-feira, levantando preocupações sobre a segurança da instalação.

O ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, pediu aos militares da Rússia que parassem imediatamente de atirar na usina e que permitissem que uma zona de segurança fosse estabelecida, segundo uma mensagem postada no Twitter.

“Exigimos que eles parem o fogo de armas pesadas”, disse Andriy Tuz, porta-voz da fábrica em Enerhodar, em um vídeo postado no Telegram. “Há uma ameaça real de perigo nuclear na maior estação de energia atômica da Europa.”

PUBLICIDADE

O presidente Joe Biden telefonou para o presidente ucraniano Volodymyr Zelenskiy, segundo a Casa Branca.

A usina de Zaporizhzhia, na cidade ucraniana de Enerhodar, abriga seis reatores de 950 megawatts projetados pelos soviéticos, construídos entre 1984 e 1995, com capacidade de 5,7 gigawatts, o suficiente para abastecer mais de 4 milhões de residências. A usina responde por cerca de 20% da eletricidade do país, de acordo com seu site.

A unidade 1 do local foi atingida e a planta está sofrendo um incêndio como resultado de bombardeios das forças russas, disse um oficial não identificado em vídeos postados na página do Facebook da instalação. Os bombeiros não podem chegar à usina, disse esse post.

O ataque levou a fortes perdas nos mercados asiáticos, que iniciavam os negócios na sexta-feira. O índice Nikkei, de Tóquio, chegou a desabar 3%.

PUBLICIDADE

Mais cedo, a Agência Internacional de Energia Atômica confirmou que os militares russos estavam lutando do lado de fora dos portões da maior usina nuclear da Europa e da Ucrânia.

Na quinta, Moscou elaborou planos de maneira a mexer com o moral e desencorajar os ucranianos de revidarem quando as cidades ficarem sob o controle do Kremlin, disse um funcionário da inteligência europeia. Essa estratégia inclui repressão a protestos, detenção de opositores e, potencialmente, execuções públicas, disse o funcionário da inteligência europeia sob condição de anonimato. Até agora, civis na Ucrânia, bem como seus militares, têm resistido fortemente, inclusive se armando como forças voluntárias.

Negociadores russos e ucranianos chegaram a um acordo para estabelecer corredores humanitários para evacuar civis da região de conflito. Os dois países concordaram em realizar uma terceira rodada de negociações nos próximos dias. As duas equipes se encontraram em um local na Floresta Bialowieza, na fronteira Polônia-Bielorrússia.

Mais de um milhão de refugiados fugiram para países vizinhos, segundo as Nações Unidas. O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, viajará no fim de semana para os países membros da Otan vizinhos à Ucrânia.

Confira mais atualizações no horário de Brasília:

Agência de Energia Atômica vê níveis de radiação inalterados (0h18)

Os níveis de radiação da usina de Zaporizhzhia permanecem inalterados, informou a Agência Internacional de Energia Atômica em um post no Twitter, citando autoridades ucranianas.

PUBLICIDADE

A Sociedade Nuclear Americana disse separadamente em comunicado que não havia sinais de que os danos causados pelo ataque representassem uma ameaça adicional ao público. “Tanto a Rússia quanto a Ucrânia devem entender a importância de garantir a segurança das usinas nucleares e de seus funcionários”, disse o grupo sem fins lucrativos La Grange Park, Illinois.

A Ucrânia disse à Agência Internacional de Energia Atômica que o incêndio “não afetou equipamentos ‘essenciais’” e o pessoal da fábrica estava tomando “ações mitigatórias”.

Biden e Zelenskiy pedem que Rússia libere acesso dos bombeiros (23h49)

O presidente dos EUA, Joe Biden, e o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, pediram que a Rússia “cesse suas atividades militares na área e que permita que bombeiros e equipes de emergência cheguem ao local”, de acordo com a leitura da ligação entre os líderes da Casa Branca.

Biden também conversou com o subsecretário do DOE para segurança nuclear, pedindo uma atualização sobre a situação na usina. A Casa Branca informou que Biden continuará a ser informado regularmente sobre o caso.

PUBLICIDADE

Incêndio não afetou equipamentos essenciais (23h20)

A Ucrânia disse à Agência Internacional de Energia Atômica que o incêndio “não afetou equipamentos ‘essenciais’” e o pessoal da fábrica estava tomando “ações mitigatórias”. O ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, disse que um incêndio ocorreu na usina de Zaporizhzhia e pediu aos militares da Rússia que suspendam imediatamente os disparos.

Rússia ataca maior usina nuclear da Ucrânia (22h)

A usina nuclear de Zaporizhzhia, considerada a maior da Europa, foi atacada pelas forças russas, de acordo com a Associated Press. A usina pegou fogo depois que as tropas russas começaram a bombardear o local na sexta-feira, levantando preocupações sobre a segurança da instalação.

O ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, pediu aos militares da Rússia que parassem imediatamente de atirar na usina e que permitissem que uma zona de segurança fosse estabelecida, segundo uma mensagem postada no Twitter.

“Exigimos que eles parem o disparo de armas pesadas”, disse Andriy Tuz, porta-voz da fábrica em Enerhodar, em um vídeo postado no Telegram. “Há uma ameaça real de perigo nuclear na maior estação de energia atômica da Europa.”

PUBLICIDADE

As chamadas telefônicas para a usina não foram conectadas e a usina não respondeu imediatamente a um e-mail solicitando comentários sobre a situação.

Mais cedo, a Agência Internacional de Energia Atômica confirmou que os militares russos estavam lutando do lado de fora dos portões da maior usina nuclear da Europa e da Ucrânia.

PUBLICIDADE

S&P rebaixa rating da Rússia pela 2² vez (19h52)

A Rússia teve sua avaliação de risco de crédito cortada pela segunda vez em uma semana pela S&P Global Ratings, já que sanções abrangentes enfraquecem a força financeira do país. A empresa de classificação de risco rebaixou nesta quinta-feira o rating soberano da Rússia em oito níveis para “CCC-”, de acordo com um comunicado, apenas dois passos acima do ranking de default.

Isso ocorre poucos dias depois de o rating ser cortado para a classificação de junk de “BB+” na sexta-feira passada. O país permanece em alerta para nova rebaixamento, de acordo com a S&P, o que significa que pode ser reduzido ainda mais. A S&P destacou que controles de capital e outras medidas implementadas pelas autoridades russas poderiam “restringir os detentores de títulos do governo de receber pagamentos de juros e principal no prazo”.

EUA devem dar status de proteção a ucranianos (19h15)

O Departamento de Segurança Interna dos EUA deve começar em breve a dar status de proteção temporária aos ucranianos que estão nos EUA, de acordo com uma pessoa familiarizada com o assunto.

PUBLICIDADE

A medida do secretário de Segurança Interna, Alejandro Mayorkas, entraria em vigor a partir de 1º de março, o que significa que os cidadãos ucranianos teriam que estar nos EUA até esta data para serem elegíveis. Membros do Congresso de ambos os partidos pressionaram o governo Biden a conceder o status, o que permitiria que os ucranianos que já estão no país permanecessem por enquanto nos EUA.

O Departamento de Imigração e Alfândega dos EUA suspendeu os voos de deportação para a Ucrânia.

Militares russos se aproximam de usina nuclear (18h40)

A Agência Internacional de Energia Atômica confirmou que militares russos estão lutando agora fora dos portões da maior usina nuclear da Europa e da Ucrânia.

PUBLICIDADE

Em uma carta urgente à AIEA, a autoridade reguladora da Ucrânia disse que a infantaria russa estava se movendo diretamente em direção à Usina Nuclear de Zaporizhzhia e chamou a situação de “crítica”.

A AIEA pediu a suspensão imediata do uso da força em Enerhodar e solicitou às forças militares que operam lá que se abstenham de combater perto da usina nuclear.

Scholz diz a ex-líder alemão para cortar laços russos (17h58)

O chanceler alemão, Olaf Scholz, pediu ao ex-líder Gerhard Schroeder que renuncie ao conselho de empresas russas de energia. Schroeder, presidente do conselho da estatal petrolífera russa Rosneft PJSC e do comitê de acionistas da Nord Stream AG, apoiou um gasoduto entre Rússia e Alemanha que Scholz suspendeu a certificação no mês passado.

PUBLICIDADE

“Meu conselho para Gerhard Schroeder é se retirar desses cargos”, disse Scholz à emissora alemã ZDF.

A invasão da Ucrânia pela Rússia levou a Alemanha a realinhar sua postura militar e econômica em relação a Moscou e Putin. Schroeder, que foi chanceler da Alemanha de 1998 a 2005, manteve laços amistosos com Putin depois de se aposentar da política.

Pentágono cria canal de emergência para militares russos (17h40)

Os militares dos EUA estabeleceram um canal de emergência com os militares russos para comunicações rápidas, de acordo com um comunicado do Pentágono.

“Os Estados Unidos mantêm vários canais para discutir questões críticas de segurança com os russos durante uma contingência ou emergência”, disse o comunicado.

O Pentágono estabeleceu em 1º de março o que chama de “linha de desconflito” com o Ministério da Defesa russo para evitar a possibilidade de um mal-entendido que poderia ter consequências indesejadas. O Pentágono disse que sua primeira oferta de tal canal havia sido rejeitada.

EUA sancionam porta-voz de Putin e magnatas russos (17h30)

O governo Biden impôs sanções contra Dmitry Peskov, secretário de imprensa de Putin, além de magnatas russos como Nikolay Tokarev, sua esposa e filha; Boris Rotenberg, sua esposa e filhos; Arkady Rotenberg e seus filhos e filha; Sergey Chemezov e sua esposa, filho e enteada; Igor Shuvalov e sua esposa, filho, filha e empresas ligadas a eles; Yevgeny Prigozhin e sua esposa, filha e filho; e Alisher Usmanov, bem como seu superiate e avião particular.

“Os Estados Unidos e governos de todo o mundo trabalharão para identificar e congelar os bens que as elites russas e seus familiares detêm em nossas respectivas jurisdições – seus iates, apartamentos de luxo, dinheiro e outros ganhos ilícitos”, disse a Casa Branca em um comunicado.

Atualmente, não há nada que oligarcas ou autoridades russas possam fazer para convencer países como EUA e Europa a removê-los da lista de sanções, disseram dois altos funcionários na quinta-feira.

Em vez disso, as forças-tarefa dos EUA e da UE estão caçando os ativos que pertencem aos magnatas e suas famílias já anunciados para sanções. Os líderes empresariais e outros na lista fazem parte do regime russo e desempenham um papel importante no Estado russo, disse um alto funcionário da UE.

Um alto funcionário do governo Biden disse que o esforço dos EUA agora é dedicado a responsabilizar os russos. O governo dos EUA está trabalhando com a Europa e o Reino Unido para identificar, caçar e apreender ativos, disse a autoridade dos EUA.

Rússia fala em fazer execuções públicas na Ucrânia (16h05)

Moscou elaborou planos de maneira a mexer com o moral e desencorajar os ucranianos de revidarem quando as cidades ficarem sob o controle do Kremlin, disse um funcionário da inteligência europeia.

Essa estratégia inclui repressão a protestos, detenção de opositores e, potencialmente, execuções públicas, disse o funcionário sob condição de anonimato. Até agora, civis na Ucrânia, bem como seus militares, têm resistido fortemente, inclusive se armando como forças voluntárias.

Rússia e Ucrânia concordam em estabelecer corredor humanitário (15h20)

Negociadores russos e ucranianos concordaram em realizar uma terceira rodada de negociações depois de chegarem a um acordo para estabelecer corredores humanitários para evacuar civis.

O negociador russo Leonid Slutsky disse que a terceira rodada de negociações ocorrerá “no futuro próximo”, enquanto Mykhailo Podolyak, assessor do chefe de gabinete do presidente Zelenskiy, lamentou em uma postagem no Twitter que “ainda não obtivemos os resultados que queremos”.

As duas equipes se encontraram em um local na Floresta Bialowieza, na fronteira Polônia-Bielorrússia.

EUA dizem que Quad promete ajuda humanitária (14h54)

O presidente dos EUA, Joe Biden, conversou com os outros três líderes do Quad - Austrália, Índia e Japão - e concordou em estabelecer uma nova linha de comunicação para entregar ajuda humanitária à Ucrânia, de acordo com um comunicado da Casa Branca.

O procurador-geral dos EUA, Merrick Garland, disse que o Departamento de Justiça e aliados internacionais “não deixarão pedra sobre pedra nos esforços para investigar, prender e processar aqueles cujos atos criminosos permitem que o governo russo continue sua guerra injusta contra a Ucrânia”.

Um promotor veterano do escritório do procurador dos EUA em Manhattan, Andrew Adams, foi escolhido para liderar uma nova força-tarefa visando os ativos de russos ricos que violam as sanções dos EUA, disse Garland em um discurso antes da conferência de advogados na quinta-feira.

Putin diz que operação na Ucrânia ‘está seguindo rigorosamente o cronograma’ (14h30)

“Todas as metas estabelecidas estão sendo alcançadas”, disse Putin a altos funcionários em comentários televisionados em uma reunião de seu Conselho de Segurança. Reiterando sua visão de que russos e ucranianos são “um só povo”, Putin afirmou que suas forças estão lutando contra “neo-nazistas” e forças de fora da Ucrânia.

A Ucrânia, que comprometeu seu exército na batalha, e seus aliados acusaram a Rússia de atacar cidades e civis.

Já Zelenskiy disse na quinta-feira que teme que Putin tenha objetivos mais amplos do que a Ucrânia. Se “Deus me livre, a Rússia toma a Ucrânia”, os próximos serão Letônia, Lituânia, Estônia, Moldávia, Geórgia e Polônia, disse ele a repórteres estrangeiros em Kiev. “E eles não vão parar até chegarem a Berlim”, disse ele.

UE pretende suspender o status de nação mais favorecida da Rússia na OMC (12h31)

A União Europeia está tentando remover o status de nação mais favorecida da Rússia na Organização Mundial do Comércio, uma medida que pode atingir 95 bilhões de euros (US$ 105 bilhões) das exportações de Moscou para o bloco com tarifas.

A Comissão Europeia, braço executivo da UE, está discutindo a possibilidade com os Estados membros, de acordo com a porta-voz da comissão, Miriam Garcia Ferrer.

Letônia e Lituânia registraram aumento em ataques cibernéticos na semana passada (12h20)

Os ataques cibernéticos direcionados a instituições estatais, infraestrutura crítica e provedores de serviços aumentaram desde meados da semana passada, disse Baiba Kaskina, diretor da unidade de segurança cibernética da Letônia, em entrevista à TV letã. Alguns dos ataques foram bem-sucedidos, mas sem consequências graves, disse Kaskina.

O ministro da Energia da Lituânia, Dainius Kreivys, disse em entrevista coletiva que houve um “aumento substancial” de ataques cibernéticos à indústria de energia do país. A unidade de defesa cibernética da Estônia disse que as instituições estatais viram um aumento na varredura de seus sistemas de internet.

Rublo afunda para outro recorde de baixa (11h44)

O rublo caiu para um recorde de baixa em relação ao dólar nas negociações de Moscou, caindo pelo quarto dia depois que os serviços de classificação reduziram a pontuação de crédito da Rússia profundamente. Os mercados de ações e títulos da Rússia ainda estão fechados, e a negociação de moedas está avançando em uma sessão diária mais curta.

O rublo caiu quase 10% em 117,2275 por dólar em Moscou, atingindo seu mais longo período de quedas desde agosto e o nível intradiário mais fraco desde pelo menos 2003 em Moscou. No comércio offshore, o rublo caiu 2,3%, em 104,6355.

Ministros da UE diminuem as expectativas para o pacote de ajuda econômica (11h30)

Pode haver pouco apetite político para financiar um novo programa de ajuda econômica para a Europa, sinalizaram a ministra das Finanças finlandesa Annika Saarikko e o presidente do Eurogrupo, Paschal Donohoe, após reunião em Helsinque, mesmo quando a Comissão Europeia trabalha em um pacote de contingência para amortecer o impacto das sanções e a guerra em curso na economia da UE.

“Agora ainda não é hora de falar sobre como mitigar os impactos econômicos das sanções nos Estados membros, mas é hora de enviar uma mensagem de que estamos, se necessário, prontos para sanções ainda mais fortes”, disse Saarikko a repórteres em Helsinque.

Putin diz a Macron que a Rússia cumprirá metas na Ucrânia (11h30)

O presidente russo, Vladimir Putin, disse a seu colega francês, Emmanuel Macron, que planeja cumprir os objetivos de sua invasão da Ucrânia, informou a Interfax, citando o serviço de imprensa do Kremlin.

Macron falou com Putin a pedido do líder russo, de acordo com um funcionário do escritório do presidente francês. Putin avisou que tudo estava indo de acordo com seu plano na Ucrânia e que as coisas vão piorar. Ele também negou que a Rússia tenha bombardeado Kiev ou ferido civis, enquanto Macron condenou suas ações, disse a autoridade.

Navio estoniano afunda na costa ucraniana (10h40)

Um navio cargueiro de propriedade estoniana, o Helt, afundou na costa ucraniana perto da cidade portuária de Odesa, confirmou o Ministério das Relações Exteriores em Tallinn. Quatro dos seis membros da tripulação estão desaparecidos, disse, acrescentando que nenhum cidadão estoniano estava a bordo.

O Helt saiu do radar às 8h18, horário de Brasília, depois que foi alvejado e quebrado abaixo da linha de água, de acordo com um post no Facebook da Autoridade de Portos Marítimos da Ucrânia. A tripulação foi vista em barcas, disse.

Refinarias de petróleo dos EUA apoiariam a proibição de importação russa (10h22)

Os legisladores dos EUA que buscam a proibição das importações de petróleo russo encontraram um aliado improvável nas refinarias americanas, que dizem apoiar a ideia, desde que não encurralem as cargas agora a caminho.

A American Fuel and Petrochemical Manufacturers “apoia totalmente a suspensão de todas as compras futuras de petróleo bruto e produtos petrolíferos da Rússia”, disse o grupo comercial em uma carta aos legisladores. A declaração pode reforçar os esforços do Congresso para proibir as importações de petróleo russo, que representavam cerca de 3% do petróleo estrangeiro trazido para os EUA no ano passado.

Ucrânia planeja outro leilão de títulos de guerra (10h10)

A Ucrânia planeja um segundo leilão de títulos de guerra para ajudar a financiar a resistência à invasão da Rússia, de acordo com uma pessoa familiarizada com o assunto. O governo usará seu horário regular de terça-feira do leilão, e os lucros serão destinados a “necessidades prioritárias de ajuda humanitária”, que incluem roupas e calçados, cobertores e camas hospitalares, de acordo com um documento visto pela Bloomberg News. Eles também financiarão equipamentos de proteção, como capacetes e coletes à prova de balas.

A Ucrânia levantou 8,1 bilhões de hryvnia (US$ 277 milhões) na primeira venda desse tipo no início desta semana. Esse evento chamou a atenção global, pois pessoas que não eram investidores profissionais procuravam comprar a dívida para mostrar apoio ao país.

Rússia e Ucrânia retomam negociações (9h30)

Uma segunda rodada de negociações entre autoridades russas e ucranianas deve começar dentro de algumas horas. Mykhailo Podolyak, conselheiro do chefe de gabinete do presidente Volodymyr Zelenskiy, apareceu em um tuíte em um helicóptero ao lado de um aliado.

As discussões estão previstas para acontecer em um local na Floresta Bialowieza, na fronteira entre Polônia e Belarus. Uma primeira rodada de negociações, na qual os russos expuseram suas exigências de “neutralidade” ucraniana, teve poucos resultados.

Biden mais US$ 10 bi ao Congresso (8h15)

A Casa Branca pediu ao Congresso cerca de US$ 10 bilhões em fundos de emergência para a Ucrânia, para serem usados para lidar com a crescente crise humanitária, bem como para auxiliar sua defesa contra a Rússia. Desse total, US$ 4,8 bilhões iriam para o Pentágono e US$ 5 bilhões para o Departamento de Estado.

Os fundos faziam parte de um pedido de financiamento de US$ 32,5 bilhões. As negociações continuam sobre como operar o governo federal após 11 de março, quando o financiamento atual deve expirar.

Banco Central da Ucrânia adia decisão sobre juros (7h02)

O banco central da Ucrânia adiou uma decisão agendada sobre política monetária. A taxa básica de referência do país permanece em 10% por enquanto.

O Banco Nacional da Ucrânia disse que continua comprometido com as metas de inflação e retomará as reuniões regulares de política monetária assim que a economia normalizar.

Mais de 1 milhão de pessoas fogem da Ucrânia (6h30)

A invasão da Rússia forçou 1.002.860 pessoas a fugirem da Ucrânia para países vizinhos, disse a agência de refugiados da ONU nesta quinta-feira, no que está prestes a se tornar a maior crise humanitária na Europa desde a Segunda Guerra Mundial.

A agência disse que mais de meio milhão de pessoas fugiram para a Polônia, enquanto 139.686 foram para a Hungria, 97.827 para a Moldávia e 72.200 para a Eslováquia. A Romênia recebeu 51.261, disse o ACNUR, enquanto 47.800 pessoas partiram para a Rússia.

Os ucranianos que fogem para a União Europeia terão acesso total ao bloco e receberão autorizações de residência, bem como acesso à educação e empregos, como parte de um plano que deve ser implementado já a partir desta quinta-feira.

Os estados-membros europeus considerarão ativar a chamada diretiva de proteção temporária que permitirá que os ucranianos permaneçam na UE por mais de 90 dias, uma medida que deve ser adotada pela maioria dos membros, de acordo com um alto funcionário da Comissão Europeia.

A Suíça também considera oferecer residência temporária no país aos ucranianos.

Rússia perde grau de investimento pela Fitch (21h10)

A agência de classificação de riscos Fitch Ratings reduziu a avaliação de crédito da Rússia em seis níveis, citando a severidade das sanções internacionais em resposta à invasão da Ucrânia, que pode minar a capacidade e disposição do país de pagar dívidas.

A Fitch rebaixou a Rússia para “B” de “BBB” e colocou o rating em observação negativa nesta quarta-feira, citando o enfraquecimento das finanças externas e públicas, desaceleração do crescimento, elevado risco doméstico e geopolítico, além de potencial de novas sanções.

MSCI retira Rússia de índices emergentes (20h57)

A MSCI Inc. (MSCI) está eliminando as ações russas do índice de mercados emergentes, que é amplamente seguido pela indústria de fundos de investimento, devido às sanções econômicas e financeiras ao país. “Durante uma consulta, a MSCI recebeu feedback de um grande número de participantes do mercado global, incluindo proprietários de ativos, gestores de ativos, corretoras e bolsas, com uma esmagadora maioria confirmando que o mercado de ações russo atualmente não pode ser investido e que os títulos russos devem ser removidos dos índices MSCI Emerging Markets”, disse a MSCI em comunicado na quarta-feira.

Blinken para viajar para aliados da Europa Oriental (17h20)

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, viajará para o Leste Europeu a partir desta quinta-feira para dar sequência aos esforços de tranquilizar os vizinhos da Rússia e os aliados da OTAN quanto ao seu apoio, anunciou hoje o Departamento de Estado.

A viagem incluirá paradas na Bélgica, onde Blinken participará das reuniões ministeriais da OTAN e do Grupo dos Sete, além da Polônia, Moldávia, Letônia, Lituânia e Estônia. A Polônia está hospedando temporariamente a embaixada dos EUA na Ucrânia e tem visto grandes fluxos de refugiados nos últimos dias.

A Moldávia, um estado não pertencente à UE, encravado entre a Romênia e a Ucrânia, também registrou fluxos significativos de refugiados. A Rússia mantém tropas em uma região pró-Rússia separatista do país. Enquanto estiver lá, Blinken afirmará que os EUA apoia a “democracia, soberania e integridade territorial da Moldávia”, disse o porta-voz do Departamento de Estado Ned Price em comunicado.

Força-tarefa dos EUA mira ativos de oligarcas (13h06)

O Departamento de Justiça dos EUA anunciou detalhes de uma nova força-tarefa projetada para aplicar sanções e restrições à exportação e apreender bens de luxo pertencentes aos cidadãos mais ricos da Rússia.

A força-tarefa “KleptoCapture” reunirá especialistas em sanções e aplicação de controle de exportação, anticorrupção, confisco de ativos, antilavagem de dinheiro, aplicação de impostos, investigações de segurança nacional e coleta de evidências estrangeiras, disse o DOJ em comunicado nesta quarta-feira.

“Para aqueles que apoiam o regime russo por meio de corrupção e evasão de sanções: vamos privá-los de um porto seguro e responsabilizá-los”, disse a vice-procuradora-geral Lisa Monaco. “Oligarcas estejam avisados: usaremos todas as ferramentas para congelar e apreender seus rendimentos criminais.”

Biden diz que EUA estão abertos a proibir petróleo e gás russos (12h53)

O presidente Biden disse que está aberto a implementar uma proibição de importação de petróleo e gás russos, uma medida que pode forçar os preços já altos para os consumidores americanos.

“Nada está fora da mesa”, disse Biden ao deixar a Casa Branca para uma viagem a Wisconsin.

Líderes do Báltico pedem ao público que não demonize os russos locais (12h50)

Os líderes da Estônia, Letônia e Lituânia pediram ao público que não puna as minorias étnicas russas de seus países pela invasão da Ucrânia liderada pelo Kremlin.

A primeira-ministra da Estônia, Kaja Kallas, alertou contra o aumento das tensões com a grande população de língua russa da Estônia, dizendo que “esta é a guerra de Putin e o povo russo não deve ser punido por isso”. A primeira-ministra lituana, Ingrida Simonyte, chamou os residentes de língua russa de seu país de patriotas e a primeira-ministra letã Krisjanis Karins disse que “se começarmos a nos voltar contra os russos como povo, estaremos dando um tiro no pé”.

UE avalia bloqueio de navios russos (11h56)

A União Europeia está procurando maneiras de limitar o acesso a seus portos e águas para navios russos, segundo pessoas familiarizadas com as discussões, que pediram para não serem identificadas porque as negociações são privadas.

O chefe de comércio da UE, Valdis Dombrovskis, disse aos legisladores europeus na segunda-feira que havia “algum trabalho em andamento” para explorar sanções ao setor marítimo da Rússia, sem dar detalhes, pois essas medidas não fazem parte de seu dossiê.

Não queríamos que isso acontecesse, diz o banqueiro central russo (11h26)

A governadora do Banco da Rússia, Elvira Nabiullina, procurou tranquilizar os funcionários em um vídeo nesta quarta-feira, dizendo-lhes para se concentrarem em seu trabalho e evitarem debates políticos.

Chamando a situação atual de “extrema”, ela disse à equipe em uma mensagem de vídeo, “é claro que nenhum de nós queria que isso acontecesse, mas fizemos tudo para que nosso sistema financeiro e nós, como banco central, pudéssemos lidar com qualquer choque, econômico ou político”.

A Rússia mais que dobrou sua taxa de juros e impôs controles de capital em um esforço para estabilizar o sistema financeiro depois que os EUA e seus aliados impuseram duras sanções, inclusive ao próprio banco central.

Rússia controla maior usina atômica da Ucrânia (11h15)

A Rússia disse à Agência Internacional de Energia Atômica que seus militares assumiram o controle do território ao redor da maior usina nuclear da Ucrânia, enquanto diplomatas realizam uma reunião de emergência para expressar sua crescente preocupação com a segurança e a escalada dos combates.

As autoridades ucranianas dizem que mantêm o controle da própria instalação de Zaporizhzhya e que uma unidade militar pronta para o combate permanece dentro do perímetro. Alguns moradores da cidade vizinha de Enerhodar ergueram barricadas na usina, de acordo com várias contas online.

A AIEA concordou com uma reunião extraordinária em Viena na quarta-feira, poucas horas depois que autoridades russas informaram ao diretor-geral Rafael Mariano Grossi que controlavam o acesso à usina. Zaporizhzhya é a maior instalação de energia nuclear da Europa. Seus seis reatores ficam num local que faz fronteira com o rio Dnieper, com apenas uma única estrada que leva para dentro ou para fora.

Aéreas de baixo custo oferecem ajuda à Ucrânia (9h44)

A Ryanair Holdings disse que ajudará no transporte aéreo de suprimentos médicos com destino à Ucrânia, enquanto a Wizz Air Holdings Plc ofereceu 100.000 passagens gratuitas aos refugiados assim que chegarem aos países vizinhos.

Funcionário da Rússia vê risco de conflito direto com a OTAN (9h30)

Os riscos de um conflito inadvertido entre a Rússia e a Otan estão aumentando com o aumento do fornecimento de armas para a Ucrânia por membros da aliança, disse o vice-chanceler Alexander Grushko, segundo a Interfax.

“Não há garantia de que não haverá algum tipo de incidente, não há garantia de que um incidente não possa aumentar”, disse Grushko à televisão estatal.

A Rússia está contando com o “bom senso” nas ações da Otan para evitar um conflito, disse ele, observando as declarações públicas da aliança de que não tem intenção de provocar um confronto.

Nigéria vai evacuar cidadãos dos vizinhos da Ucrânia (9h27)

A Nigéria planeja evacuar mais de 5.000 de seus cidadãos da Polônia, Hungria e Romênia, vizinhos da Ucrânia, disse o ministro de Estado das Relações Exteriores, Zubairu Dada.

A nação da África Ocidental enviará aviões para repatriar mais de 1.000 pessoas esta semana, com mais a seguir. O anúncio segue relatos nas mídias sociais de que algumas pessoas negras e de países da África e do Oriente Médio foram impedidas de entrar nos países da União Europeia, enquanto centenas de milhares fogem dos combates desencadeados pela invasão da Rússia.

Conversas entre Rússia e Ucrânia podem acontecer hoje (9h03)

Ucrânia e Rússia podem realizar uma segunda rodada de negociações nesta quarta-feira, de acordo com um porta-voz do presidente Volodymyr Zelenskiy. A Rússia disse que enviou uma delegação a Belarus.

UE estima que sanções atingem 80% do setor bancário russo (8h45)

Cerca de 80% do setor bancário russo foi atingido até agora por sanções da UE, incluindo a exclusão de sete credores do sistema global de pagamentos SWIFT, de acordo com um funcionário da UE que se recusou a ser identificado por uma questão confidencial.

A UE está avaliando se os criptoativos estão sendo usados como uma possível rota de evasão, disse o funcionário. O aumento no valor de alguns desses ativos pode ser uma resposta a sanções, mas também pode refletir o aumento no valor de outros ativos como o ouro, disse o funcionário.

Johnson, do Reino Unido, concorda com Zelenskiy sobre a necessidade de mais sanções (8h22)

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, concordou com o presidente ucraniano Volodymyr Zelenskiy sobre a “necessidade de as sanções irem além para exercer pressão máxima sobre o presidente Putin nos próximos dias”, disse uma porta-voz do governo de Johnson em comunicado por e-mail.

Grande maioria dos ucranianos acredita que pode repelir a Rússia: enquete (8h18)

A grande maioria dos ucranianos - 88% - acredita que seu país será capaz de repelir a invasão lançada pela Rússia, de acordo com uma pesquisa realizada pelo pesquisador Rating.

A pesquisa, realizada na segunda-feira, mostrou que 98% dos ucranianos apoiavam o exército do país e 93% apoiavam as ações do presidente Volodymyr Zelenskiy. Quatro em cada cinco ucranianos disseram estar prontos para pegar em armas para defender seu país, contra três em cada cinco em 2020.

Airbus e Boeing suspendem vendas e suporte para a Rússia (7h36)

A Airbus seguiu a Boeing na suspensão das vendas de peças de reposição e suporte para clientes de companhias aéreas na Rússia, citando uma lista crescente de sanções internacionais. Um centro de engenharia que emprega 200 engenheiros russos será suspenso, disse um porta-voz da Airbus.

UE concorda em sancionar Belarus (7h15)

A UE concordou em impor mais restrições a Belarus por seu envolvimento na invasão da Ucrânia pela Rússia. As sanções comerciais incluem a proibição de importações de Belarus de bens utilizados para a produção ou fabricação de produtos de tabaco, combustíveis minerais, substâncias betuminosas e produtos de hidrocarbonetos gasosos, cloreto de potássio, madeira, cimento, ferro e aço e borracha, de acordo com documentos vistos por Bloomberg.

Ao mesmo tempo, a UE bloqueará as exportações dos chamados bens e tecnologia de dupla utilização, que poderiam ser usados pelos militares do país. As sanções entrarão em vigor após a publicação no Jornal Oficial da UE, de acordo com um tweet da presidência francesa da UE.

Preços do petróleo e do gás natural sobem (7h11)

Os preços do gás natural na Europa subiram até 60% para um recorde e o petróleo bruto chegou a US$ 110 o barril em meio a preocupações com interrupções no fornecimento russo. O Commodity Spot Index da Bloomberg atinge um recorde de 60 anos atrás, com compradores, traders e remetentes cautelosos ao lidar com suprimentos russos.

--Com informações da Bloomberg News

--Com a colaboração de Ana Carolina Siedschlag, Bianca Andrade, Kariny Leal, Marcelle Castro e Toni Sciarretta

PUBLICIDADE