PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

EUA e aliados discutem liberação de reservas de petróleo

Nações aliadas dos EUA consideram uma liberação de cerca de 30 milhões de barris, enquanto outros 30 milhões viriam da reserva estratégica americana

Os preços do petróleo foram acima de US$ 105 o barril na semana passada pela primeira vez desde 2014
Por Alex Morales, Jennifer Jacobs e Saleha Mohsin
28 de Fevereiro, 2022 | 11:42 am
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Os Estados Unidos e seus aliados estão discutindo uma liberação coordenada de cerca de 60 milhões de barris de petróleo de seus estoques de emergência depois que a invasão da Ucrânia pela Rússia elevou os preços do petróleo acima de US$ 100, segundo três pessoas familiarizadas com o assunto.

Nações aliadas dos EUA estão considerando uma liberação de cerca de 30 milhões de barris, enquanto outros 30 milhões viriam da reserva estratégica americana, segundo as pessoas, que pediram para não serem identificadas discutindo deliberações não públicas.

PUBLICIDADE

Embora nenhuma decisão tenha sido tomada, os EUA estão coordenando com os países membros da Agência Internacional de Energia. O Departamento de Energia dos EUA não respondeu imediatamente a um pedido de comentário, e a Agência Internacional de Energia, que normalmente coordenaria tal divulgação, não respondeu a um pedido de comentário.

Veja mais: AO VIVO: Rússia reage à proibição de voos em meio a aumento de sanções

Ministros da União Europeia discutirão nesta segunda-feira a liberação coordenada de suprimentos de emergência de petróleo no âmbito da IEA, disse o chefe de energia do bloco, Kadri Simson, antes de uma reunião de emergência dos Estados membros.

PUBLICIDADE

Os preços do petróleo foram acima de US$ 105 o barril na semana passada pela primeira vez desde 2014 por temores de que o fornecimento de petróleo e gás da gigante de energia Rússia possa ser interrompido, seja pelo conflito na Ucrânia ou por sanções ocidentais de retaliação.

O rali está exacerbando um surto inflacionário para os países consumidores de energia, ameaçando a recuperação econômica e piorando uma crise de custo de vida para milhões.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Airbnb fornecerá acomodação para 100 mil refugiados ucranianos

PUBLICIDADE