Mercados

Petróleo ultrapassa US$ 100 enquanto Rússia ataca alvos em toda a Ucrânia

Commodities têm dia de pressão com ameaça de guerra na Europa; Brent sobe mais de 8%

West Texas Intermediate disparava 7% nesta quinta
Por Grant Smith
24 de Fevereiro, 2022 | 05:50 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Os preços do petróleo subiam acima de US$ 100 o barril pela primeira vez desde 2014 após a Rússia atacar pontos em toda a Ucrânia, provocando temores de uma interrupção nas exportações de energia em um momento de oferta já apertada.

O Brent saltava quase 7% depois que o presidente Vladimir Putin ordenou que tropas russas atacassem instalações militares em toda a Ucrânia. Kiev chamou de “invasão em grande escala” e anunciou lei marcial, enquanto o presidente americano Joe Biden disse que imporia “sanções severas” a Moscou.

O gás natural na Europa subia até 40%, enquanto metais como ouro, alumínio, cobre e níquel também disparavam. A Rússia é um importante vendedor de commodities para clientes globais, com a Europa contando com a nação para cerca de um quarto de seu petróleo e um terço de seu gás.

A escalada assustou um mercado que já estava sob estresse, já que os suprimentos de petróleo em todo o mundo não conseguem acompanhar uma vigorosa recuperação da demanda à medida que a pandemia de coronavírus recua. A coalizão Opep+, liderada pela Rússia e Arábia Saudita, está lutando para restaurar a produção com rapidez suficiente, levando alguns dos maiores players do mercado a alertar sobre preços mais altos.

PUBLICIDADE

A Opep+ se reúne em 2 de março para decidir sobre a produção de abril. Na quarta-feira (23), delegados de alguns dos maiores membros estavam dizendo que o petróleo de três dígitos não os faria bombear mais rápido. Sua estratégia atual é adicionar 400 mil barris por dia de petróleo ao mercado a cada mês.

É possível que a Opep aumente a produção se houver mais escalada, de acordo com Carole Nakhle, fundadora da consultora Crystol Energy.

“Se eles acham que isso ameaçará a estabilidade dos mercados de petróleo, posso vê-los colocando mais barris no mercado”, disse ela em um podcast produzido pela consultora e editora Gulf Intelligence, com sede em Dubai. Provavelmente caberia a países como Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos aumentar a produção porque muitos dos outros membros do grupo teriam dificuldades, disse Nakhle.

Reservas de Emergência dos EUA

O petróleo bruto provavelmente terá uma média de US$ 110 no segundo trimestre do ano se o conflito na Ucrânia aumentar, disse o JPMorgan nesta semana, antes dos desdobramentos de quinta-feira. O banco vê os preços recuando para a média de US$ 90 no final do ano.

PUBLICIDADE

O governo Biden está considerando explorar suas reservas de petróleo de emergência novamente em coordenação com aliados para combater o aumento dos preços, informou a Bloomberg na quarta-feira. A Casa Branca anunciou anteriormente sanções a alguns bancos russos, dívida soberana e elites.

Preços do petróleo

  • O contrato de abril para o Brent era negociado em US$ 103,38 o barril às 5h56, horário de Brasília, com alta de 7,10%
  • West Texas Intermediate estava em US$ 98, com alta de 8%
  • As curvas de futuros estão fortemente atrasadas, um padrão de alta em que as entregas de curto prazo são mais caras do que as posteriores, à medida que os comerciantes físicos correm para garantir o fornecimento.

Leia também

Se você está obcecado com a inflação, abrace as commodities

Aqui estão os principais pontos do projeto que legaliza o jogo no Brasil

PUBLICIDADE