PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Negócios

Aos 110 anos de idade, Nadir Figueiredo decide mudar o nome

Tradicional fabricante de artigos domésticos de vidro faz “rebranding”; companhia lança captação com debêntures

Copo americano,  invenção da Nadir Figueiredo, que anunciou reposicionamento de marca e eliminou o sobrenome de sua marca
06 de Fevereiro, 2022 | 05:11 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

São Paulo — Nunca é tarde para mudar. Completando 110 anos de fundação em 2022, a Nadir Figueiredo, tradicional fabricante de copos e outros artigos domésticos de vidro, decidiu passar por um processo de “rebranding” e agora quer ser apresentada apenas pelo seu prenome, sem ser acompanhado por seu sobrenome.

Para realizar a repaginada, a Nadir, simplesmente Nadir, contou com uma parceria da FutureBrand São Paulo, filial da consultoria global de branding, que escritórios em cidades como Londres, Nova York, Beijing, Dubai e Paris. No Brasil, a FutureBrand está sediada em São Paulo e já assinou trabalhos para marcas como Nespresso, Aramis, Think Olga, Grupo Boticário, Beats e Idesam.

PUBLICIDADE

Veja mais: Centenária Nadir Figueiredo compra colombiana Cristar

O novo posicionamento da Nadir, que tem tradição no segmento de utilidades domésticas em vidro, se reflete também nas cinco marcas que compõem seu portfólio (Nadir, Copo Americano, Marinex, Duralex e Sempre), informou a companhia, em nota.

“Nossos produtos fazem parte do cotidiano dos brasileiros, e nossa marca está presente em muitos lares. Retirar o sobrenome não nos afasta do que construímos até aqui, e sim nos torna ainda mais próximos das pessoas. Afinal, nos sentimos íntimos daqueles que escolhem um Copo Americano, um Marinex ou um Duralex para seus momentos gastronômicos e queremos que eles também se sintam assim com nossa marca”, disse Paulo de Paula e Silva, diretor comercial e marketing da Nadir, em comunicado.

PUBLICIDADE

Com o “rebranding”, a letra “N” de sua logomarca ganha um novo desenho, com uma tipografia mais geométrica, com novo tom de azul e um ponto final laranja (“que aquece e aproxima ainda mais a marca das pessoas, reforçando a posição de liderança da marca”, diz a nota).

Veja mais: Com nova fábrica, Ambev dribla falta de garrafa de vidro para cerveja

O reposicionamento da marca coincide com a expansão da companhia no exterior. Em dezembro, a Nadir anunciou a compra da colombiana Cristar TableTop, empresa no segmento de vidro de mesa, que era pertencente à Cristaleria Peldar, do grupo norte-americano Owens Illinois.

Sociedade anônima de capital fechado, a Nadir está atualmente com uma captação em andamento. No último dia 5 de janeiro, a companhia iniciou uma oferta pública de esforços restritos no valor de R$ 385 milhões em debêntures simples, com quatro emissões previstas, segundo o site da CVM (Comissão de Valores Mobiliários), com o UBS Brasil como coordenador líder da operação.

Sediada em Suzano, a 50 km da cidade de São Paulo, a Nadir começou como uma oficina de máquinas de escrever, entrando no mercado de vidros somente em 1935 com a aquisição de sua primeira fábrica com produção manual. Em 1947, ela lançou um dos seus produtos mais famosos: o chamado “copo americano”, usado pelos brasileiros para tomar um café pingado no balcão de uma padaria.

Em 2019, o fundo americano de private equity HIG Capital comprou a Nadir por R$ 836,27 milhões. A aquisição foi feita por meio da Flamengo Participações, controlada pela HIG.

PUBLICIDADE

No ano passado, pelo menos duas empresas tradicionais do Brasil mudaram drasticamente seus nomes. A Duratex passou a se chamar Dexco. Já a BR Distribuidora virou Vibra Energia.

Leia também

Calendário do 4º tri: B3 abre a safra das seguradoras nesta segunda

Sérgio Ripardo

Sérgio Ripardo

Jornalista brasileiro com mais de 25 anos de experiência, com passagem por sites de alcance nacional como Folha e R7, cobrindo indicadores econômicos, mercado financeiro e companhias abertas.

PUBLICIDADE