Internacional

Biden diz que líder do Estado Islâmico foi morto em ataque na Síria

Qurayshi líder do grupo militante foi morto depois de detonar uma bomba no apartamento que dividia com sua família na vila de Atmeh

Fala sobre operação na Síria
Por Justin Sink e Nancy Cook
03 de Fevereiro, 2022 | 04:24 pm
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, afirmou que uma “grande ameaça terrorista” foi eliminada durante uma operação dos EUA no noroeste da Síria, na qual o líder do Estado Islâmico, Abu Ibrahim al-Hashimi al-Qurayshi, foi morto.

“Graças à bravura de nossas tropas, este terrível líder terrorista não existe mais”, disse Biden em comentários na Casa Branca na quinta-feira (3), depois de anunciar anteriormente que havia ordenado o ataque dos EUA. “Nossas forças realizaram a operação com sua preparação e precisão de costume.”

O líder do grupo militante foi morto depois de detonar uma bomba no apartamento em que morava com sua família no terceiro andar, na vila de Atmeh, no noroeste da Síria, enquanto as forças dos EUA se aproximavam, de acordo com altos funcionários dos EUA que informaram repórteres sobre a missão. Não houve baixas americanas.

Al-Qurayshi assumiu o cargo de líder da organização terrorista depois que Abu Bakr al-Baghdadi foi morto em um ataque dos EUA em 2019. Al-Qurayshi supervisionou os ataques do grupo à minoria religiosa yazidi, no Iraque.

PUBLICIDADE

Embora a influência do Estado Islâmico tenha diminuído à medida que as forças sírias e iraquianas – apoiadas pelos EUA e seus aliados, bem como pelo Irã e pela Rússia – eliminaram amplamente suas propriedades territoriais nos últimos anos, o grupo nunca foi completamente erradicado. Nas últimas semanas, combatentes do Estado Islâmico lançaram um ataque para tomar uma prisão na Síria – uma operação que autoridades dos EUA disseram que al-Qurayshi ajudou a liderar.

A inteligência dos EUA rastreava al-Qurayshi há meses e determinou definitivamente que ele estava dirigindo as atividades do Estado Islâmico do prédio em que morava, em dezembro. Os EUA reuniram informações sobre o local - até mesmo construindo uma maquete para o presidente e altos funcionários revisarem na Sala de Situação - e passaram semanas avaliando e praticando diferentes missões.

Forças especiais

O presidente tomou a decisão final de realizar a operação na manhã de terça-feira (1), durante uma reunião com o secretário de Defesa, Lloyd Austin, e Mark Milley, presidente do Estado-Maior Conjunto. A perspectiva de salvar crianças não afiliadas ao líder terrorista desempenhou um papel na decisão de Biden de enviar forças especiais dos EUA em vez de realizar um ataque aéreo, disseram autoridades.

“Sabendo que esse terrorista havia escolhido se cercar de famílias, incluindo crianças, optamos por realizar um ataque das Forças Especiais – com um risco muito maior para nosso próprio povo – em vez de atingi-lo com um ataque aéreo”, disse Biden. .

PUBLICIDADE

As tropas dos EUA conseguiram evacuar com segurança uma família que morava no primeiro andar do prédio, nos primeiros minutos da operação de aproximadamente duas horas.

‘Covardia Desesperada’

Mas logo após o ataque dos EUA, al-Qurayshi detonou uma bomba matando ele próprio e membros de sua família, no terceiro andar. Autoridades disseram ter previsto essa possibilidade porque al-Baghdadi também se matou com explosivos durante um ataque dos EUA, mas determinaram que a missão ainda poderia valer a pena. Engenheiros militares previram que a explosão provavelmente não destruiria todo o prédio.

Em um ato final de covardia desesperada, sem se importar com a vida de sua própria família ou de outras pessoas no prédio, ele escolheu se explodir – não apenas com um colete, mas explodir todo o terceiro andar – em vez de enfrentar a justiça pelos crimes que cometeu, levando vários membros de sua família com ele”, disse Biden.

Um tenente de al-Qurayshi e sua esposa sobreviveram à explosão e enfrentaram as forças especiais dos EUA em um tiroteio no segundo andar do prédio. Eles acabaram sendo mortos e algumas crianças foram removidas com segurança do local, disseram as autoridades.

Biden e a vice-presidente, Kamala Harris, monitoraram a operação ao vivo da sala de situação. Perto do final da missão, forças locais afiliadas ao Al-Qaeda chegaram ao local e começaram a atirar em helicópteros dos EUA. Pelo menos dois desses sírios foram mortos.

Um helicóptero que transportava forças dos EUA para a missão sofreu um problema mecânico durante a operação. Ele foi transferido para um local próximo e foi destruído, segundo as autoridades.

PUBLICIDADE

Autoridades dos EUA dizem acreditar que o ataque levará a uma interrupção significativa nas atividades do Estado Islâmico, observando que al-Qurayshi foi um dos poucos líderes remanescentes do grupo.

“Esta operação é uma prova do alcance e capacidade dos Estados Unidos de eliminar ameaças terroristas, não importa onde eles tentem se esconder em qualquer lugar do mundo”, disse Biden.

– Com a ajuda de Josh Wingrove.

– Esta notícia foi traduzida por Marcelle Castro, Localization Specialist da Bloomberg Línea.

PUBLICIDADE

Veja mais em bloomberg.com

Leia também