Saúde

Zona de quarentena em Hong Kong aprisiona dezenas em meio a caos

Uma das cidades mais ricas da Ásia enfrenta dificuldades em abrigar e alimentar cerca de 3.000 pessoas que foram isoladas à força

Unidades de isolamento no Penny’s Bay Quarantine Center, em Hong Kong, em dezembro de 2021.Fotógrafo: Paul Yeung/Bloomberg
Por Kari Soo Lindberg e Iain Marlow
14 de Janeiro, 2022 | 03:04 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Horas sem eletricidade ou sinal de celular. Sem comida por um dia inteiro. Dezenas de pessoas impossibilitadas de sair por falta de documentos.

Estas são algumas das histórias de caos advindas de um campo de quarentena improvisado em Hong Kong à medida que uma das cidades mais ricas da Ásia enfrenta dificuldades em abrigar e alimentar cerca de 3.000 pessoas que foram isoladas à força, em uma tentativa desesperada de acabar com o vírus no território chinês que tem 7,4 milhões de pessoas.

May Ng, 52, ainda estava no principal centro de quarentena de Penny’s Bay na quinta-feira, embora sua ordem de detenção -- vista pela Bloomberg -- mencione que ela deveria ter sido liberada um dia antes. A equipe do acampamento disse a ela que o Departamento de Saúde não havia fornecido os documentos necessários para sua liberação.

Veja mais: Covid pode se tornar endêmica em 2022, diz presidente da Moderna

PUBLICIDADE

“Sinto que esta não é a mesma Hong Kong onde cresci”, disse Ng. “O governo está tão desorganizado e não há liderança. Eles apenas seguem tarefas. Eles não olham para o contexto mais amplo.”

Cerca de 60 pessoas foram detidas um ou dois dias depois de uma ordem de quarentena devido a “erro humano” na entrada de dados, disse Edwin Tsui, controlador do Centro de Proteção à Saúde, em coletiva de imprensa nesta sexta-feira. Mais 400 pessoas foram designadas para questões relacionadas à pandemia, acrescentou Tsui, e o governo está tentando encontrar mais instalações de quarentena.

A desordem desencadeou uma onda de raiva em moradores e expôs um governo despreparado para lidar com a variante ômicron altamente infecciosa, depois que foi dependente de restrições rígidas nas fronteiras para gerenciar a pandemia. Hong Kong ainda tem uma das taxas de vacinação mais baixas do mundo desenvolvido, apesar de passar meses sem ter um caso transmitido localmente, levando as autoridades a enviar pessoas próximas de casos positivos para campos de quarentena por várias semanas.

A crise em Penny’s Bay, que fica perto da Disneylândia de Hong Kong, na ilha de Lantau, também representa uma grande barreira para suspender a proibição de voos de passageiros dos EUA, Reino Unido e outras grandes economias. Viajantes de países de “alto risco” precisam passar por Penny’s Bay para entrar novamente na cidade, que teve uma queda abrupta no número de visitantes, apenas alguns anos depois de ter um dos aeroportos mais movimentados da Ásia.

PUBLICIDADE
A instalação de quarentena em Penny’s Bay.Fotógrafo: Marc Fernandes/NurPhoto/Getty Imagesdfd

“Se esta é a única maneira de lidar com a estratégia Covid zero, precisamos desistir dela e proteger a economia e o sustento da comunidade”, disse o vereador do distrito Paul Zimmerman. “A proibição de voos é uma medida ultrajante e deve ser retirada imediatamente. Hong Kong é uma cidade mundial e uma engrenagem do comércio e das finanças internacionais.”

Hong Kong manteve sua política de eliminar o vírus em uma tentativa de retomar viagens com a China continental sem necessidade de quarentena. A chefe-executiva Carrie Lam disse que a cidade precisaria passar 14 dias sem uma única infecção local para atingir esse objetivo, que Zimmerman descreveu como “beco sem saída”.

Ômicron colocou de pé política de covid zero de Hong Kongdfd

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE