PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

Boris Johnson pede desculpas à rainha Elizabeth por participar de festa

Jornal britânico revelou que o primeiro-ministro participou de festas em Downing Street na noite anterior ao funeral do marido da rainha Elizabeth II

Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — O gabinete de Boris Johnson pediu desculpas à rainha Elizabeth II após revelações de festas em Downing Street na noite anterior ao funeral de seu marido, aumentando ainda mais a pressão sobre o primeiro-ministro, já que seu governo enfrenta uma série de alegações sobre quebra de regras da pandemia.

O jornal Daily Telegraph disse na sexta-feira que em 16 de abril de 2021, duas festas foram realizadas em Downing Street para marcar a partida de dois funcionários, na véspera do funeral do príncipe Philip. Um deles foi para o então porta-voz de Johnson, James Slack. Na época, eventos fechados entre famílias ainda eram proibidos.

PUBLICIDADE

“É profundamente lamentável que isso tenha ocorrido em um momento de luto nacional”, disse o porta-voz de Johnson, Jamie Davies, a repórteres em uma entrevista regular, recusando-se a comentar se o governo acredita que os eventos também violaram os regulamentos da Covid. “Reconhecemos a significativa raiva pública.”

A reportagem do Telegraph, que tradicionalmente se inclina a favor do Partido Conservador no poder, é especialmente sensível para Johnson porque a rainha foi fotografada sentada mascarada e sozinha no funeral de seu marido, de acordo com as regras da pandemia na época.

Questionado se o primeiro-ministro pediria desculpas pessoalmente à rainha, Davies respondeu: “O número 10 pediu desculpas ao palácio”. Ele disse que Johnson não estava em Downing Street quando os eventos ocorreram.

PUBLICIDADE

Mesmo assim, o pedido de desculpas à rainha provavelmente exacerbará a raiva entre os parlamentares conservadores, alguns dos quais já querem que ele renuncie depois que ele finalmente reconheceu que participou de uma festa no jardim de Downing Street em maio de 2020 – também uma época quando tais reuniões foram proibidas sob as regras da pandemia.

Evento de “trabalho”

O primeiro-ministro disse à Câmara dos Comuns na quarta-feira (12) que achava que era um evento de “trabalho“.

PUBLICIDADE

Muitos conservadores estão esperando o veredicto da investigação de um funcionário público sênior antes de decidir se ainda apoiam a liderança de Johnson. Sue Gray foi encarregada de investigar os vários eventos realizados em Downing Street e em torno de Whitehall durante a pandemia – incluindo o evento com a presença de Johnson e as duas últimas reuniões relatadas pelo Telegraph.

Em um raro impulso para Johnson durante a semana mais difícil de seu mandato, o jornal The Times informou na sexta-feira que seu inquérito deve concluir que não houve criminalidade envolvida.

Se for verdade – e o Times não deu nenhuma indicação de quão próximas de Gray suas fontes estavam – isso significaria que a Polícia Metropolitana de Londres, que enfrentava ser arrastada para um cenário com potencialmente enormes ramificações políticas, também não investigaria formalmente. A força disse na quinta-feira (13) que consideraria qualquer evidência entregue a eles por Gray, mas não abriria um inquérito de antemão.

PUBLICIDADE

“Os policiais normalmente não investigam violações dos regulamentos de coronavírus quando são relatadas muito depois de terem ocorrido”, afirmou.

Regras para Covid

Muito depende, portanto, do resultado da investigação de Gray. Enquanto isso, Johnson está tentando mudar o foco do público para o surgimento do Reino Unido de uma onda recorde de infecções por Covid alimentadas pela variante ômicron.

PUBLICIDADE

Durante sua aparição no Parlamento na quarta-feira, Johnson descreveu o programa de vacinação do Reino Unido como o “lançamento de reforço mais rápido na Europa” e a razão pela qual o país é agora “uma das economias mais abertas” da região.

À medida que Johnson começa a se concentrar no que ele chama de aprender a viver com o Covid, o governo esta semana reduziu o número de dias que os infectados precisam se isolar de sete para cinco.

O secretário de Saúde, Sajid Javid, também indicou no Parlamento na quinta-feira que as regras restantes da pandemia - que incluem passes obrigatórios de Covid para obter acesso a locais e grandes eventos - provavelmente não serão renovadas quando expirarem em 26 de janeiro.

A grande questão que Johnson e seus conservadores enfrentam é se isso será suficiente para persuadir o público a ignorar as alegações de festas em Downing Street, que prejudicaram até a posição do partido nas pesquisas.

PUBLICIDADE

Outro potencial problema é o possível surgimento de mais alegações. Questionado na sexta-feira se ele poderia descartar mais festas em Downing Street, o porta-voz de Johnson se recusou a comentar enquanto aguarda o resultado da investigação do governo.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE