PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Saúde

Testes positivos sugerem subnotificação de covid nos EUA

Média de casos diários atingiu cerca de 405 mil na semana passada, cerca de 60% a mais que no pico anterior

Número de testes relatados pelos estados ainda está abaixo das máximas de 2021
Por Jonathan Levin
03 de Janeiro, 2022 | 07:32 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Os Estados Unidos estão registrando as novas infecções por Covid-19, mas a contagem verdadeira pode ser significativamente maior.

A média de casos diários atingiu cerca de 405 mil na semana passada, cerca de 60% a mais que no pico anterior, em janeiro de 2021, segundo dados da Universidade Johns Hopkins. Mas o número de testes relatados pelos estados ainda está abaixo das máximas de 2021.

Enquanto isso, a taxa de positivos entre os testes de reação em cadeia da polimerase (PCR) é de 17%, a maior desde abril de 2020. Na cidade de Nova York, um em cada três testes dá positivo, conforme dados de 31 de dezembro.

Juntos, os dados sugerem que a ômicron se tornou tão prevalente que muitas infecções não são detectadas, talvez porque a pessoa tenha feito um teste rápido em casa ou talvez nenhum.

PUBLICIDADE

Mesmo quando a variante infecta mais e mais pessoas, as hospitalizações e mortes permanecem abaixo dos picos anteriores, reforçando um crescente corpo de dados mostrando que a ômicron é menos grave do que a delta. Os EUA estão relatando cerca de 1.100 mortes de Covid por dia, de acordo com uma média de sete dias, que mudou pouco no mês passado. E as novas admissões hospitalares de pacientes com Covid aumentaram 40% em uma semana, para uma média de 12 mil no período de 25 a 31 de dezembro, mas permanecem abaixo de um pico de mais de 16 mil no ano anterior.

As regiões mais atingidas, em termos de números de casos, são a capital do país, Nova York, Porto Rico, Nova Jersey e Flórida. Desse grupo, apenas Washington D.C. e Nova Jersey têm mais pessoas no hospital com Covid-19 confirmado do que durante o pico do inverno passado.

Algumas escolas e empresas têm resistido aos tipos de políticas sanitárias e fechamentos que adotaram no passado, mesmo com as autoridades temendo que o grande número de infecções e ausências possam afetar as operações comerciais, hospitalares e escolares com o retorno do país das férias de inverno.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também