Saúde

EUA aprovam dose de reforço da Pfizer para adolescentes

A agência também reduziu o intervalo recomendado entre a segunda e a terceira doses da vacina para cinco meses

Ajuda para manter as salas de aula abertas
Por Timothy Annett e Riley Griffin
03 de Janeiro, 2022 | 03:03 pm
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — A agência reguladora dos Estados Unidos liberou a dose de reforço da Pfizer contra a Covid-19 para adolescentes mais jovens, ampliando o acesso a doses adicionais enquanto os pais procuram proteger seus filhos da onda ômicron e os funcionários da escola tentam manter as salas de aula abertas.

A Food and Drug Administration informou em uma carta à Pfizer, na segunda-feira (3), que havia concedido uma autorização de uso emergencial de uma terceira dose da vacina de RNA mensageiro, que a Pfizer desenvolveu com BioNTech, para que pessoas com idades entre 12 e 15 anos. A agência também reduziu o intervalo recomendado entre a segunda e a terceira doses da vacina para cinco meses.

Além disso, a FDA disse que crianças com comprometimento imunológico com idade entre 5 e 11 anos poderiam receber uma terceira dose da série primária pelo menos 28 dias após a imunização inicial de duas doses.

As ações da Pfizer, que dispararam no ano passado à medida que a empresa se beneficiou da alta demanda global por sua vacina, caíram 3%, para US$ 57,30 às 10h26. Em Nova York.

PUBLICIDADE

Em seguida, um painel de especialistas do Centro de Controle e Prevenção de Doenças deve discutir a autorização e fazer recomendações adicionais sobre como aplicar as injeções. O grupo, o Comitê Consultivo em Práticas de Imunização, pode se reunir ainda esta semana.

Conceder a um grupo mais amplo de adolescentes acesso a reforços pode ajudar a conter a propagação do vírus, já que os funcionários do governo pretendem manter as escolas abertas. Novos casos diários ultrapassaram os níveis de pico vistos nos EUA há um ano e espera-se que continuem subindo pelo menos até meados de janeiro.

Ainda assim, a campanha para aumentar a proteção contra a ômicron entre os adolescentes provavelmente enfrentará ventos contrários. Apenas 53% das pessoas de 12 a 17 anos estão totalmente vacinadas com o regime inicial, em comparação com 73% dos adultos de 18 anos ou mais, de acordo com dados do CDC até 30 de dezembro. Isso limitará o número de adolescentes elegíveis para a dose extra da vacina.

Maior risco

Muitos líderes estaduais e locais expressaram o desejo de evitar a mudança para o ensino híbrido ou remoto por preocupação com outras consequências educacionais e para a saúde. Com as crianças agora voltando à escola após as férias, os distritos estão se preparando para que mais alunos e professores contraiam o vírus.

PUBLICIDADE

O risco de pegar ômicron é maior do que com outras variantes, mesmo para crianças em idade escolar e adolescentes totalmente imunizados. Estudos feitos por fabricantes de remédios e outros pesquisadores descobriram que infecções pós-vacinação pela ômicron, responsável pela maioria dos casos de vírus nos EUA no momento, são mais prováveis em pessoas que ainda não receberam uma dose de reforço.

A Pfizer declarou em dezembro que, em estudos iniciais de laboratório, os pesquisadores da empresa observaram uma redução de 25 vezes nos anticorpos neutralizantes que combatem a variante, em comparação com a cepa original do vírus, em pessoas que receberam duas injeções. Uma dose de reforço restaurou a proteção aos níveis anteriores.

Alguns pesquisadores questionaram a necessidade de reforços em pessoas mais jovens, já que a maioria dos adolescentes que contraem o vírus não desenvolve doença grave e a ômicron não parece ser tão virulenta quanto as outras cepas. Além disso, uma doença cardíaca chamada miocardite foi observada em algumas pessoas, especialmente homens mais jovens, que receberam injeções de RNA mensageiro.

Recentemente, os EUA viram um aumento no número de crianças hospitalizadas com Covid-19. As novas internações hospitalares de menores de 18 anos com a doença aumentaram 86%, para 521 por dia, em média, na semana encerrada em 31 de dezembro, de acordo com dados do CDC.

A maioria das crianças hospitalizadas não foi vacinada, de acordo com a diretora do CDC, Rochelle Walensky. Crianças menores de 5 anos ainda não são elegíveis para receber uma das três vacinas autorizadas nos EUA.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE