PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

‘Janeiro morno’ desafia pujança de ações após três anos excepcionais do S&P 500

Após um retorno anual de mais de 20%, benchmarks tende a começar o ano de maneira morna, segundo estrategistas

Janeiro pode ser morno após ganhos excepcionais
Por Vildana Hajric e Emily Graffeo
01 de Janeiro, 2022 | 06:55 pm
Tempo de leitura: 5 minutos

Bloomberg — A todos os recordes vistos nas bolsas, os meses sem uma correção nos preços e todas as outras façanhas que desafiaram o mercado de ações nos últimos tempos, adicione outro superlativo. O índice S&P 500 dobrou sua pontuação desde o Ano Novo de 2018, coroando um período de força sustentada com poucos precedentes nesse benchmark.

Contando apenas os fechamentos mensais, você teria que voltar décadas para encontrar um outro período em que o retorno total de três anos do índice excedeu 100%. Duas décadas, para ser exato; até o estouro da bolha da internet. E embora nada nessa comparação seja base para um pânico em qualquer sentido estatístico, pelo menos mostra o assombro do rali atual e o desafio que os investidores enfrentam para decidir se o ritmo de ganhos atual é sustentável.

PUBLICIDADE

Ficar imaginando é normal. As dúvidas surgem quando os superlativos se acumulam.

  • Um terceiro ano consecutivo de retornos de dois dígitos para o S&P 500.
  • Setenta recordes de alta somente em 2021.
  • O melhor dezembro desde 2010, empurrando o índice para 26 vezes o lucro.

Nas últimas cinco sessões de 2021, o S&P subiu 0,9%, mais uma semana de alta em um ano em que fechamentos positivos representaram 63% do total de pregões.

“O ganho de dezembro pode ser a dor de janeiro”, disse Mike Bailey, diretor de pesquisa da FBB Capital Partners. “Se os investidores estão superando seus vencedores em dezembro, isso pode diluir o efeito de janeiro”, disse ele. As pressões no início de 2022 podem incluir comentários mais hawkish do Federal Reserve, relatórios de lucros do quarto trimestre contraídos pela inflação e avaliações que estão perto de picos de cinco anos.

PUBLICIDADE
S&P 500 postou terceiro ano consecutivo de retornos de dois dígitosdfd

Veja também: Bolsa de Nova York termina ano com alta de 27% no S&P 500

Janeiro morno

A história mostra que pode ser o caso. Após um retorno anual de mais de 20%, o S&P 500 tende a começar o ano de maneira morna. Esse é o caso de dados que remontam a 1980, com os meses de janeiro que seguem os anos de fortes ganhos chegando em um nível médio. E esse desempenho é pior do que o retorno médio de 1,2% em janeiro nas últimas oito décadas, de acordo com Jessica Rabe, cofundadora da DataTrek Research.

“Pode haver quedas consideráveis no primeiro mês de um novo ano, após um ganho descomunal”, escreveu ela em uma nota. “Os investidores não devem esperar que o ímpeto positivo deste ano continue no próximo mês.”

Com o rali da última semana de 2021, o retorno total de três anos do S&P 500 cruzou 100% pela primeira vez desde março de 2000, de acordo com o Bespoke Investment Group.

Veja mais: Big Techs ganham US$ 2,5 tri em valor de mercado em 2021

Bolsa de Nova York nos últimos dias de negócios em 2021dfd

Dezembro para lembrar

S&P 500 teve o melhor dezembro desde 2010dfd

Por quase qualquer medida, 2021 foi um ano excepcional para as ações. Todos os setores do Índice S&P 500 registraram ganhos de dois dígitos pela primeira vez, com oito deles subindo 20% ou mais, de acordo com dados compilados pela Bloomberg desde que o sistema de classificação GICS foi implementado em 1999. O grupo de melhor desempenho, energia, teve alta de 48% em 2021, após ter sido o de pior desempenho em 2020.

PUBLICIDADE

Apesar de todas as reviravoltas, no entanto, 2021 foi um ano consideravelmente menos polarizado para ações do que o anterior. Em meio à primeira onda da covid-19, sete ações do S&P 500 triplicaram em 2020, em comparação com zero em 2021, enquanto 15 caíram mais de 40%, um destino que todas evitaram desta vez.

O ganho de 743% da Tesla Inc. ficou em primeiro lugar no benchmark em 2020, enquanto o aumento comparativamente modesto de 179% da Devon Energy Corp. foi o maior em 2021.

“Muitas pessoas acham que podemos devolver parte disso ao entrarmos no novo ano. Isso pode acontecer “, disse Jim Paulsen, estrategista-chefe de investimentos do Leuthold Group, à Bloomberg TV and Radio. Ele espera que 2022 seja globalmente volátil e diz que os retornos não serão tão robustos como foram neste ano.

PUBLICIDADE

A principal preocupação dos investidores neste novo ano é o Fed, que anunciou recentemente que aceleraria a retirada do estímulo econômico. Steve Sosnick, estrategista-chefe da Interactive Brokers, considera os títulos no balanço do banco central, que aumentaram cerca de US$ 130 bilhões em dezembro até o Natal. Isso não é exatamente uma redução gradual, diz ele, então, quando o ritmo de compra começar a diminuir de forma mais significativa, os mercados podem reagir negativamente.

“À medida que a redução ocorre, é mais provável que recebamos algumas correções, já que a entrada de dinheiro no sistema será reduzida”, disse Sosnick. “É por isso que espero um aumento da volatilidade.”

Política monetária rígida

Jack Janasiewicz, gerente de portfólio da Natixis Investment Managers Solutions, concorda que uma política monetária mais rígida manterá os investidores “um pouco mais apreensivos”.

“Provavelmente vai ser um pouco moderado porque as pessoas não estão pensando,’ Ei, estou entrando, dê ré na caminhonete, vamos comprar tudo sob o sol ‘, tipo de coisa”, disse ele por telefone. “Portanto, é esse ponto de partida da psique de um investidor também, eu acho, que coloca um pouco de um teto para ter uma corrida de 25% a 30% em ações.”

PUBLICIDADE

“Provavelmente vai ser um pouco moderado porque as pessoas não estão pensando, ’Ei, estou chegando, dê ré na caminhonete, vamos comprar tudo‘ “, disse ele por telefone. “Portanto, é esse ponto de partida da psique de um investidor, que coloca um pouco de teto para ter uma corrida de 25% a 30% em ações.”

Mas, como sabe qualquer pessoa que preste atenção aos mercados, levar em consideração os riscos de “bear market”, por mais sensato que pareça, tem sido um erro caro por muito tempo. Os lockdowns mais rígidos, os rendimentos dos títulos em alta, as valuations generosos - todos parecem preocupantes, mas nenhum travou os negócios. Dizer que os mercados podem estar voláteis em janeiro devido à rapidez com que subiram recentemente é outra visão que poderia facilmente trazer prejuízos - embora sua simplicidade tenha um apelo para alguns profissionais de Wall Street.

“Os ganhos vão continuar crescendo e o rendimento dos títulos não vai continuar subindo, e isso significa que você é meio que forçado a comprar o S&P 500″, disse Michael Purves, presidente-executivo e fundador da Tallbacken Capital Advisors. “E foi isso que aconteceu em 2021 - cada desvalorização foi comprada.”

Há muitos “riscos de cauda” para 2022. Janasiewicz, por exemplo, diz que uma temporada de lucros amplamente positiva pode ajudar a manter as ações com preço elevado quando os relatórios de lucros começarem a sair - e os analistas já estão aumentando as previsões para a próxima temporada.

PUBLICIDADE

Paulsen, de Leuthold, diz que o S&P 500 pode ultrapassar 5.000 na primeira metade do ano “na empolgação de que finalmente podemos mover a covid de uma pandemia para uma epidemia”, disse ele, acrescentando com a “constatação de que a inflação está moderando”.

--Com assistência de Peyton Forte e Elena Popina.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE