PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Cripto

Por que bilionários estão entrando no mercado de criptomoedas?

Grandes investidores que desconfiavam e até desprezavam o novo ambiente começaram a mudar sua postura depois do que viram acontecer em 2021

Antes rejeitadas, criptomoedas começam a entrar no portifólio dos bilionários
Por Scott Carpenter
01 de Janeiro, 2022 | 01:00 pm
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — Thomas Peterffy publicou um anúncio de página inteira no Wall Street Journal em 2017 alertando sobre os perigos que os futuros do Bitcoin representavam para os mercados de capitais. Hoje em dia, o bilionário húngaro é bem inteirado sobre o universo de criptomoedas. Peterffy, que tem uma fortuna estimada em US$ 25 bilhões, disse que é prudente ter 2% a 3% de sua riqueza pessoal em criptomoedas, apenas no caso da moeda fiduciária ir para o “inferno”.

Ele mesmo possui alguns, enquanto sua empresa Interactive Brokers Group Inc. recentemente ofereceu aos clientes a capacidade de negociar Bitcoin, Ethereum, Litecoin e Bitcoin Cash, após detectar a “urgência” de seus clientes em entrar em ação. Peterffy, disse que a Interactive Brokers, sediada em Greenwich, Connecticut, oferecerá a capacidade de negociar de cinco a dez moedas a partir deste mês.

PUBLICIDADE

É possível que as criptomoedas possam colher retornos extraordinários - mesmo que o oposto também seja verdadeiro, disse Peterffy. “Acho que pode chegar a zero e pode chegar a um milhão de dólares”, disse ele em uma entrevista. “Eu não faço ideia”. Sua abordagem destaca a mudança de atitude em relação aos criptoativos por investidores que antes desprezavam ou desconfiavam dos tokens digitais, mas perceberam, especialmente em 2021, que não suportariam perder o potencial de grandes ganhos.

Veja mais: Bitcoin sobe 60% em ano excepcional para criptoativos apesar de perdas em dezembro

Mesmo com os preços oscilando descontroladamente, grandes e pequenos investidores mergulharam em Bitcoin e Ethereum, bem como em tokens não fungíveis, ativos com tema de cachorro e shitcoins, incluindo a apropriadamente chamada $ASS Coin.

PUBLICIDADE

Ray Dalio revelou recentemente que tinha pelo menos alguns Bitcoins e Ethereum em seu portfólio apenas alguns meses após questionar a utilidade da criptomoeda como reserva de riqueza. O fundador da Bridgewater Associates vê os investimentos como uma alternativa de dinheiro em um mundo onde “o dinheiro é lixo” e a inflação corrói o poder de compra. Paul Tudor Jones revelou que investiu como proteção contra a inflação, e quase metade dos family offices com os quais o Goldman Sachs Group Inc. faz negócios estavam interessados em adicionar moedas digitais às suas carteiras, de acordo com uma pesquisa recente do banco.

O ProShares lançou o primeiro ETF de futuros de Bitcoin dos EUA, que atraiu mais de US$ 1 bilhão em dois dias, antes que os ingressos estourassem e o preço despencasse desde sua estreia em outubro. Entusiastas da criptografia ainda esperam que os reguladores dos EUA aprovem um ETF que realmente contenha Bitcoin em 2022. Com um desempenho melhor, a Coinbase Global abriu o capital e agora tem uma avaliação de mercado de US$ 54 bilhões. Seu fundador, Brian Armstrong, tem uma fortuna de US$ 9,7 bilhões, de acordo com o Bloomberg Billionaires Index.

Veja mais: Empresas com caixa e exposição a cripto têm retorno de 25% em 2021

Foi também um período em que os criptoativos colidiram com a cultura. Um NFT da Beeple foi vendido por US$ 69,3 milhões na Christie’s. Tom Brady lançou NFTs vinculados a sua carreira lendária, enquanto Katy Perry, Grimes e a agência por trás da sensação do K-Pop, BTS, todos buscavam lucrar com a indústria florescente. O presidente de El Salvador, Nayib Bukele, chegou a transformar o Bitcoin em moeda vigente do país.

Michael Novogratz, que dirige o Galaxy Digital, disse no mês passado que os preços podem cair de um lado para o outro no curto prazo. Houve muita “espuma” nos mercados em 2021, disse Novogratz à Bloomberg, à medida que investidores de varejo investiram em NFTs e buscavam investimentos em criptoativos incomuns. Ele também previu que o Bitcoin não cairá abaixo de um piso de cerca de US$ 42 mil. Fechou o ano em cerca de US$ 46,3 mil. “Tanto dinheiro está sendo despejado neste espaço que não faria sentido se os preços caíssem muito abaixo disso”, afirmou Novogratz.

Ainda há muito ceticismo de Wall Street e dos ultra-ricos, mas também, pragmatismo. Ken Griffin do Citadel descreveu recentemente a corrida para abraçar as criptomoedas como uma “chamada jihadista” contra o dólar americano. Mas Griffin disse que sua própria empresa comercializaria se houvesse mais regulamentação. Jamie Dimon, do JPMorgan Chase & Co., chamou o Bitcoin de “sem valor” em outubro, mas isso veio mesmo quando o gigante com sede em Nova York estava aumentando as contratações para ajudar seus clientes a negociar moedas digitais. Os clientes do banco são “adultos”, disse Dimon.

PUBLICIDADE