Tempo de leitura: 6 minutos

Bloomberg — Final de dezembro é quando refletimos sobre o que esperamos melhorar no ano que está por vir ... e também é o momento para minhas previsões anuais de manchetes de notícias para os próximos 12 meses.

Normalmente eu começo avaliando as previsões do ano passado, mas neste ano apenas uma merece menção: pela segunda vez nos últimos três anos, eu acertei o vencedor da Série Mundial de baseball dos Estados Unidos. Previ que o Washington Nationals venceria em 2019 e que o Atlanta Braves venceria em 2021.

Tirando isso, quando chegou a 2021, minha bola de cristal estava turva. (Qual não estava?) Mas está clareando. Aqui estão, então, minhas previsões para 2022. Cabe aos leitores adivinhar quais estão recheadas de ironia:

# 1. Preocupados com o blockchain, os membros do Congresso continuarão exigindo a regulamentação das criptomoedas. Para alívio dos investidores, as agências federais seguirão seu ritmo glacial de costume. No entanto, a Câmara e o Senado continuarão a esconder regras ridículas sobre o assunto em meio a projetos de lei que tratam ostensivamente de outras questões. Curiosamente, ninguém na mídia se aventurará a pedir a qualquer parlamentar que esteja chateado com as criptomoedas para explicar o que “blockchain” significa.

# 2. Da mesma forma, as agências federais confrontadas com evidências de que seus sistemas foram hackeados continuarão com o hábito de se esquivar. Mas não se preocupe. Graças ao projeto de lei de infraestrutura, as redes digitais do governo, que ficaram bem atrás das da China e da Rússia, têm a mesma chance de ter segurança de nível de 2022 em vigor até 2027.

PUBLICIDADE

# 3. Continuando meu hábito de escolher arremessos longos para vencer a World Series, irei com o San Diego Padres contra o Boston Red Sox. (Eu sei, mas aposto que você se sentiu da mesma maneira no ano passado, quando escolhi o Atlanta.)

# 4. Em 2022, o manto de gelo da Groenlândia se dissolverá um pouco mais rápido do que no verão passado, quando derreteu cerca de 40% a 50% acima do que não há muito tempo era a taxa normal. Embora a taxa de derretimento tenha se mostrado difícil de prever, vários modelos prevêem que ela dobre antes do final do século XXI. Como sempre, sem um vídeo empolgante, as pessoas terão dificuldade em se concentrar no que está acontecendo na Groenlândia, talvez porque os danos da perda de gelo ocorrerão em um futuro distante.

# 5. Em outras notícias sobre o clima, a pegada de carbono da Internet, que em 2017 foi de 3,7% das emissões globais (mais alta do que todos, exceto dois países), continuará a disparar conforme as pessoas continuam trabalhando e se divertindo em casa. Até o final de 2022, só a China irá gerar mais gases de efeito estufa. (Sim, há algumas duplicações contabilísticas, mas dá para entender a ideia.)

# 6. Enquanto estamos no assunto de emissões de carbono, com tantas pessoas ficando em casa, os provedores de conteúdo irão intensificar sua prática recente de lançar episódios semanais em vez de uma temporada inteira de uma vez, reduzindo ainda mais a diferença entre a televisão e os serviços de streaming. Veja como isso se relaciona com as mudanças climáticas: o streaming em HD gera uma pegada de carbono 20 vezes maior do que assistir ao mesmo conteúdo em formato padrão.

PUBLICIDADE

# 7. Mais sobre filmes: “Babylon” será o queridinho da crítica do ano. O campeão de bilheteria será “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura” de lavada. Além disso, “Killers of the Flower Moon” (ou Assassinos da lua das flores, como consta no título do livro em português) será um sucesso inesperado, porque quem não pagaria para assistir “Yellowstone” interpretado por Martin Scorsese?

# 8. Uma nova variante de Covid-19 altamente transmissível aparecerá na Europa Ocidental no outono. Os EUA responderão proibindo viajantes que chegam do sul da África.

# 9. Em outras notícias de política externa, o Ocidente cederá às demandas do presidente russo Vladimir Putin de que a OTAN contenha sua expansão para o leste e também prometerá não sancionar o oleoduto Nord Stream 2. Enfurecido com a facilidade de sua vitória, Putin invadirá a Ucrânia de qualquer maneira. Os EUA ameaçarão com graves repercussões se ele tirar mais do país do que deseja.

# 10. O preço das ações da Pfizer excederá as previsões dos analistas, que previram receitas para 2022, alimentadas pelas vendas de vacinas, de cerca de US$ 100 bilhões. Furioso porque os desenvolvedores de produtos de sucesso ganham muito dinheiro, o Congresso aprovará uma sobretaxa fiscal especial sobre as receitas relacionadas à Covid da Big Pharma.

# 11. Por falar no Congresso, aqui estão os resultados das eleições do próximo ano: como amplamente previsto, os democratas perdem a Câmara dos Deputados, embora por uma margem muito menor do que o esperado. Para alívio dos progressistas, o partido surpreende as pesquisas ao manter um Senado meio a meio. Os republicanos derrotam a Geórgia, vencem a Carolina do Norte com um pé nas costas e seguram a Pensilvânia por um fio de cabelo. Mas os democratas invertem o Wisconsin e, para sua própria surpresa, resistem em Nevada.

PUBLICIDADE

# 12. Em outras notícias políticas, o ex-presidente Donald Trump condenará publicamente os candidatos do Partido Republicano que se recusarem a proclamar ilegítimas as eleições de 2020. O resultado desta pressão será ... o voto democrata surpreendentemente forte mencionado no parágrafo anterior.

# 13. Voltando aos esportes profissionais. O Green Bay Packers vai superar Tom Brady nos playoffs e vencer o Super Bowl contra o Kansas City Chiefs. (Não posso continuar escolhendo Brady para vencer. Simplesmente não posso.)

# 14. Apesar dos esforços para aumentar a segurança dos usuários do Tor, as preocupações de que, devido à interferência de atores estatais, as transações não sejam mais secretas, só vão aumentar. Somado a preocupações antigas de que os protocolos de ocultação do Tor estreitam significativamente a largura de banda e aumentam a latência, os problemas levarão os usuários que desejam o anonimato a buscar alternativas, aumentando a pressão sobre os navegadores mais populares para oferecer um modo que seja realmente privado.

# 15. Em outras notícias de tecnologia, como os observadores previram, o mais novo iPhone da Apple não terá uma entrada Lightning; em vez disso, o dispositivo carregará apenas sem fio. Consumidores perplexos vão procurar stands de recarga, apenas para descobrir que estão esgotados em todos os lugares. O Congresso abrirá uma investigação sobre as políticas de preços de gananciosos fabricantes de stands de recarga.

Enquanto isso, enfrentando um aumento na demanda do consumidor, as montadoras gastarão muito ao reprojetar todos os veículos para incluir vários blocos de recarga. As companhias aéreas vão refazer seus aviões. Os hotéis irão refazer seus quartos. Os compradores de novas casas exigirão carregadores sem fio embutidos, e os proprietários de casas existentes entrarão numa onda frenética de reformas. O mesmo acontecerá com os apartamentos. E restaurantes. E cafeterias. E salas de espera de consultórios médicos. O boom econômico impulsionado pelo carregador do iPhone que se seguirá durará ao longo de 2023 e além, até as eleições de 2024, quando ... opa, desculpe, o cristal da bola ficou turvo de novo.

PUBLICIDADE

Tenha um ano novo seguro e maravilhoso.

Os editoriais são escritos pela diretoria editorial da Bloomberg Opinion

Esta coluna não reflete necessariamente a opinião do conselho editorial ou da Bloomberg LP e de seus proprietários.

Stephen L. Carter é colunista da Bloomberg Opinion. Ele é professor de Direito na Universidade de Yale e foi secretário do juiz da Suprema Corte dos EUA, Thurgood Marshall. Seus romances incluem “O Imperador de Ocean Park” e seu último livro de não ficção é “Invisible: The Forgotten Story of the Black Woman Lawyer Who Took Down America’s Most Powerful Mobster.”

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Os melhores novos restaurantes de Miami, cidade de destaque na gastronomia

Quer ostentar? Rolex e Patek Philippe ficam ainda mais raros

Argentina congela preços turísticos para o verão de 2022