Mercados

Previsões do BCE indicam inflação abaixo da meta de 2% após 2022

Novas projeções do Banco Central Europeu dão argumentos à presidente da instituição, Christine Lagarde, contra um rápido aumento das taxas de juros

Christine Lagarde
Por Jana Randow
15 de Dezembro, 2021 | 09:30 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — As novas projeções do Banco Central Europeu mostram a inflação abaixo da meta de 2% tanto em 2023 quanto em 2024, segundo autoridades a par do assunto, o que dá argumentos à presidente da instituição, Christine Lagarde, contra um rápido aumento das taxas de juros.

Os preços ao consumidor devem subir em ritmo mais forte do que a alta de 1,7% prevista em setembro e acima da meta, mas a expectativa é de desaceleração ao longo do horizonte de previsão, disseram autoridades que pediram anonimato porque os números são confidenciais.

As projeções, que abrangem o cenário até 2024 pela primeira vez, são dados fundamentais para a formulação da trajetória da política pós-pandemia do BCE. Esse cenário será oficializado apenas quando publicado pelo Conselho de Governadores após a decisão de política monetária na quinta-feira. Um porta-voz do BCE não quis comentar.

Cenário da inflação: em setembro, o Banco Central Europeu projetava a inflação desacelerando para 1,5% em 2023. A nova projeção vai mirar 2024 pela primeira vezdfd

A próxima reunião provavelmente será uma das mais significativas desde que Lagarde assumiu o cargo em 2019, enquanto autoridades discutem mudanças no plano de compras de ativos convencional e como reinvestir dívidas em vencimento após o término do programa de emergência em março.

PUBLICIDADE

Veja mais: Veja as mulheres brasileiras na lista dos 100 Empreendedores de 2021

Economistas não esperam o primeiro aumento dos juros antes de 2023. Os mercados monetários apostam em uma alta de 10 pontos-base em dezembro de 2022 e veem a taxa de depósito - atualmente em -0,5% - subindo para zero em seis anos.

Lagarde tem se esforçado para orientar investidores contra a antecipação de uma alta dos juros tão cedo e insiste que a atual aceleração da inflação, agora em 4,9%, é transitória. Um cenário que mostre ganhos de preços ao consumidor abaixo de 2% no horizonte pode reforçar essa visão.

Ainda assim, a força desse argumento pode depender de quão abaixo da meta a inflação cai nas projeções. Quanto mais próxima estiver de 2%, mais fácil seria para que autoridades que defendem o aperto da política monetária destacarem a ameaça de consolidação das pressões sobre os preços.

PUBLICIDADE

De acordo com uma autoridade, o cenário vai mostrar a inflação apenas um pouco abaixo da meta tanto em 2023 quanto em 2024, e não leva em consideração elementos que poderiam se revelar como riscos negativos.

Tais fatores incluem o custo de moradia ocupada pelo proprietário - um novo indicador desde a revisão da estratégia do BCE divulgada em julho - e uma série de políticas anunciadas, mas ainda não implementadas, como o aumento de 25% no salário mínimo da Alemanha, segundo a autoridade.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE