PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Agro

Hidrovias do Brasil e Rumo se unem na logística de fertilizantes em Santos

Analistas consideram a parceria comercial como positiva e descartam potencial fusão e aquisição entre as duas empresas

Tempo de leitura: 2 minutos

São Paulo — A Hidrovias do Brasil e a Rumo decidiram se unir para explorar soluções de logística para o transporte de fertilizantes no porto de Santos (SP). As duas companhias informaram, nesta quarta-feira (1º), que assinaram um MoU (Memorando de Entendimentos vinculante), com validade de 180 dias, para a implantação da parceria.

Veja mais: Como vai funcionar a nova ferrovia da Rumo em Mato Grosso

PUBLICIDADE

Em fatos relevantes, as duas companhias detalharam que o MoU estabelece operação em volume anual de 500 mil toneladas de fertilizantes, a ser operado pelas partes com garantia no formato “take or pay”, sendo que essa parceria comercial poderá diversificar ainda mais os serviços da operação da Hidrovias do Brasil em Santos.

Veja mais: Distribuidora de insumos do Pátria acelera expansão na América Latina

A solução logística integrada será implantada por meio da utilização do terminal portuário operado pela HB Santos, controlada pela Hidrovias do Brasil, e o transporte ferroviário operado pela Rumo e suas três controladas - as concessionárias de transporte ferroviário de cargas Rumo Malha Norte, Rumo Malha Paulista e Rumo Malha Central. A parceria depende de autorização de autoridades públicas bem como da emissão de devidas licenças, informaram as companhias.

PUBLICIDADE

Após a divulgação dos fatos relevantes, as ações da Hidrovias do Brasil e da Rumo apresentaram valorização no pregão da B3. O papel da Hidrovias do Brasil (HBSA3) subia 2,95%, cotado a R$ 2,79, por volta de 13h, enquanto a ação da Rumo (RAIL3) registrava alta de 1,25%, vendida a R$ 17,79.

Fusão

O anúncio foi visto como positivo para a Rumo. “Notícias positivas para a Rumo, pois a empresa deve continuar aumentando o volume de cargas e consequentemente melhorando a rentabilidade do negócio”, comentaram, em nota, os analistas Victor Mizusaki (Bradesco BBI) e Ricardo França (Ágora Investimentos).

PUBLICIDADE

Eles pontuaram que o contrato “take or pay” não representa um risco para a Rumo visto que o preço do frete ferroviário para transportar fertilizantes até o estado de Mato Grosso é mais barato do que o frete rodoviário, e a empresa possui acordos comerciais com clientes locais em Mato Grosso. “Não esperamos que este acordo comercial evolua para uma potencial fusão e aquisição entre as duas”, avaliou a dupla de analistas.

Eles lembraram que, em maio deste ano, a Pátria Infraestrutura IV Fundo de Investimento em Participações Multiestratégia adquiriu 78 milhões de ações (10% do total de ações) com um preço médio estimado de aquisição de cerca de R$ 6,4 por cada HBSA3, resultando em um prêmio de 137% sobe o preço atual das ações. “Portanto, as discussões de avaliação parecem proibitivas se o preço das ações da Hidrovias do Brasil não se recuperar. Por outro lado, a Pátria Investimentos pode esperar, pois esse fundo de private equity se encerrará em 2029″, escreveram Mizusaki e França.

Eles mantiveram a recomendação de compra de RAIL3 e preço alvo de R$ 25 para final de 2022.

PUBLICIDADE

Leia também

Aeroporto de Guarulhos perdeu quase R$ 800 mi com pandemia, diz Anac

Sérgio Ripardo

Sérgio Ripardo

Jornalista brasileiro com mais de 25 anos de experiência, com passagem por sites de alcance nacional como Folha e R7, cobrindo indicadores econômicos, mercado financeiro e companhias abertas.

PUBLICIDADE