Agro

Como vai funcionar a nova ferrovia da Rumo em Mato Grosso

Empresa ganhou contrato para construir 730 km conectando maior zona produtora de soja à ligação para o porto de Santos. Para Goldman Sachs, movimento é positivo

Soja sendo embarcada no porto de Santos
20 de Setembro, 2021 | 11:46 am
Tempo de leitura: 2 minutos

A Rumo Logística (RAIL3), subsidiária da Cosan, informou que pretende investir entre R$ 9 bilhões e R$ 11 bilhões na construção de um trecho de cerca de 730 km de ferrovias, ligando Lucas do Rio Verde a Rondonópolis. O norte de MT, onde está Lucas, é a principal região produtora do país.

A empresa foi a única a entregar proposta para a concorrência do governo de Mato Grosso de construção da ferrovia. A Rumo já opera 13.500 km de ferrovias no país.

Veja mais: Portos do Arco Norte tornaram soja de MT mais barata que a dos EUA, diz Tarcísio

A obra permitirá conectar a soja produzida no norte do Estado, em municípios como Sorriso, Sinop e Lucas, ao terminal rodoferroviário de Rondonópolis, que está conectado por trilhos ao porto de Santos (SP), pela Malha Paulista, operada pela própria Rumo.

PUBLICIDADE

Segundo a previsão da empresa, o projeto dele estar concluído em 2030, mas o primeiro terminal já deve estar em operação em 2025/2026. O contrato é de 45 anos, renováveis por igual período.

“Eles preveem que em 2 anos já terão o primeiro terminal sendo ativado entre Primavera do Leste e Campo Verde, o que já traz um grande benefício, porque ela já captura carga daquele região. E na sequência, ela continua subindo”, disse o governador de Mato Grosso, Mauro Mendes (DEM), em entrevista ao Bom Dia MT, da TV Centroamérica (afiliada local da Globo).

O Goldman Sachs considerou positivo o investimento da Rumo numa perspectiva de “longo prazo”.

Veja mais: Por que os preços da soja e do milho subiram com o aumento da produção americana?

PUBLICIDADE

No relatório, os analistas Bruno Amorim e João Frizo afirmaram que o projeto não deve trazer ganho imediato para o Ebtida da empresa porque vai demandar um investimento grande para ser concretizado.

Produtores de Mato Grosso contam com outros dois projetos ferroviários para ganhar competitividade internacional, baixando os preços do frete: a Ferrogrão, que liga o Estado aos portos do Arco Norte (no Pará) e a Ferrovia de Integração Centro-Oeste (Fico).

De acordo com o governo de MT, as obras do trecho Lucas-Rondonópolis devem ser iniciadas em 2022, em razão das etapas a serem cumpridas para licenciamento ambiental e desapropriação.

“Terminada essa fase, imediatamente a empresa fica autorizada a iniciar as obras. Tem todo um roteiro a seguir, de desapropriação por onde passa, de alguns cuidados na elaboração do projeto executivo, mas temos certeza que tudo isso irá acontecer de maneira muito rápida e muita célere”, disse o governador em entrevista nesta segunda.

Leia também:

Aversão ao risco domina mercados e derruba Ibovespa

Agronegócio será setor mais beneficiado pelo 5G, diz ministro das Comunicações

Graciliano Rocha

Graciliano Rocha

Editor da Bloomberg Línea no Brasil. Jornalista formado pela UFMS. Foi correspondente internacional (2012-2015), cobriu Operação Lava Jato e foi um dos vencedores do Prêmio Petrobras de Jornalismo em 2018. É autor do livro "Irmã Dulce, a Santa dos Pobres" (Planeta), que figurou nas principais listas de best-sellers em 2019.