PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Agro

Distribuidora de insumos do Pátria acelera expansão na América Latina

Lavoro avalia entrada nos mercados do Chile, Paraguai e Peru, depois de consolidar liderança na região

Depois de consolidar liderança no mercado de revendas agropecuárias no Brasil, empresa acelera planos para chegar a outros países
30 de Novembro, 2021 | 07:16 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg Línea — Depois de consolidar sua posição no Brasil, como maior rede de distribuidoras de insumos agropecuários, e estar estrategicamente posicionada na Colômbia, a Lavoro quer acelerar sua atuação na América Latina. Nesta semana, Marcelo Abud, CEO da empresa, estará no Chile avaliando oportunidades para a expansão da empresa na região. Mas o país não é o único no radar do executivo. Na lista para a expansão do grupo ainda estão Paraguai e Peru.

Apesar de atividades agropecuárias distintas, os países onde a Lavoro está ou avalia entrar, todos possuem duas características em comum: um mercado de distribuição de insumos agrícolas pulverizado e consequentemente passível de consolidação, e com potencial de internacionalização.

PUBLICIDADE

Veja mais: Em meio ao ‘apagão’ de insumo, governo prevê safra recorde de grãos

“Quando o Pátria decidiu captar o fundo cinco, foram analisados os setores em que o Brasil era competitivo e ao mesmo tempo com potencial de internacionalização e o mercado de distribuição de insumos foi o escolhido. Nos últimos quatro anos fizemos muitas aquisições, temos 20 empresas dentro do grupo e crescemos tanto em número de lojas, portfólio e serviços”, afirma Abud.

Números não oficiais do mercado de revendas agropecuárias indicam que a Lavoro possui cerca de 8% de participação do mercado no Brasil. Grupos como Agrogalaxy, 3tentos e Boa Safra realizaram seus IPO’s neste ano em busca de capitalização para financiar sua expansão e participar da consolidação do mercado de revendas agrícolas, que já está acontecendo no Brasil.

PUBLICIDADE

Paralelamente ao processo de internacionalização, a Lavoro deve concentrar esforços na digitalização dos seus negócios. “Entendemos que o produtor ainda não está preparado para uma transição de forma abrupta e por isso nosso objetivo é estar na jornada de compra deste produtor do início ao fim. Nesse sentido, estamos virando uma plataforma que oferece o produto e serviços para pequenos e médios produtores”, afirma Abud.

O executivo lembra que hoje já é possível realizar o tradicional barter dentro da plataforma da empresa, onde o produtor compra fertilizantes ou defensivos, por exemplo, e faz o pagamento com o grão que será colhido. “Já fizemos uma operação onde o produtor comprou um sistema de painel solar para a fazenda e pagou com grão direto para a trading. Uma espécie de barter sustentável”, afirma.

Leia também

Governo mantém 10% de biodiesel no diesel e frustra ruralistas

B3 aposta em sete Fiagros listados até o fim de 2021

Alexandre Inacio

Alexandre Inacio

Jornalista brasileiro, com mais de 20 anos de carreira, editor da Bloomberg Línea. Com passagens pela Gazeta Mercantil, Broadcast (Agência Estado) e Valor Econômico, também atuou como chefe de comunicação de multinacionais, órgãos públicos e como consultor de inteligência de mercado de commodities.

PUBLICIDADE