Mercados

Ações asiáticas apontam para abertura estável à espera de dados da China

A segunda-feira traz um dilúvio de dados econômicos na China que devem mostrar que a recuperação econômica em ‘V’ do país está desaparecendo mais rápido do que o esperado

Ações globais perto de níveis recordes indicam que os investidores em ações estão tranquilizados pela força corporativa e pelos argumentos de que as pressões de preços são transitórias
Por Andreea Papuc
14 de Novembro, 2021 | 07:31 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — As ações asiáticas pareciam definidas para uma abertura estável na segunda-feira, com os traders aguardando os principais dados econômicos chineses e monitorando a volatilidade do mercado de títulos, desencadeada pela alta inflação e a perspectiva de uma política monetária mais restritiva.

Os futuros do Japão e Hong Kong subiam, enquanto os da Austrália pouco mudaram. As ações de tecnologia impulsionaram o S&P 500 na sexta-feira (12), limitando as perdas semanais e reforçando a resiliência do mercado de ações às pressões de preço alimentadas pela cadeia de suprimentos e interrupções de trabalho. O dólar também estava estável nos primeiros negócios.

Os títulos do Tesouro com vencimentos mais longos caíram na sexta-feira, após um período de oscilações pronunciadas refletindo a incerteza sobre a recuperação da pandemia, se a inflação será rígida e a provável velocidade dos aumentos das taxas de juros. As expectativas do mercado de títulos para o ritmo da inflação na próxima década são as mais altas desde 2006.

A segunda-feira traz um dilúvio de dados econômicos na China que devem mostrar que a recuperação econômica em ‘V’ do país está desaparecendo mais rápido do que o esperado. O consenso é de que os ganhos nas vendas no varejo, na produção industrial e nos investimentos em ativos fixos - incluindo imóveis - desaceleraram em outubro.

PUBLICIDADE

As oscilações nos títulos soberanos apontam para a preocupação de que os bancos centrais tenham que apertar as políticas mais rapidamente do que o esperado para conter a inflação sustentada. Em contraste, as ações globais perto de níveis recordes indicam que os investidores em ações estão tranquilizados pela força corporativa e pelos argumentos de que as pressões de preços são transitórias.

Veja mais: Mercados sinalizam que pânico com inflação pode ser prematuro

“O risco é que o FOMC precise aumentar a taxa Fed Funds em mais do que esperamos se a inflação permanecer persistentemente alta”, escreveu Kim Mundy, estrategista do Commonwealth Bank of Australia, em uma nota.

O presidente do Federal Reserve de Minneapolis, Neel Kashkari, disse que o banco central dos EUA não deveria reagir exageradamente à inflação elevada, mesmo que cause dor, porque é provável que seja temporária. A secretária do Tesouro, Janet Yellen, disse que controlar o vírus Covid-19 nos EUA é a chave para aliviar as pressões sobre os preços.

PUBLICIDADE

O presidente Joe Biden se encontrará virtualmente com o presidente chinês Xi Jinping na segunda-feira. As tensões entre os dois países têm aumentado em torno de questões como Taiwan e restrições às vendas de tecnologia dos EUA para a China.

Os preços do petróleo registraram o maior período de perdas semanais desde março. O líder da maioria no Senado, Charles Schumer, pediu a Biden que aproveitasse as reservas de combustível de emergência do governo dos EUA para ajudar a reduzir os preços da gasolina.

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE