Mercados

Desaceleração da China ameaça recuperação global: Eco Week

Por aqui, depois do feriado de amanhã (15), dados do IBC-Br divulgados pelo Banco Central na terça devem mostrar desaceleração

A abordagem agressiva da China para controlar surtos de Covid-19 está pesando sobre os consumidores
Por Enda Curran
14 de Novembro, 2021 | 07:15 pm
Tempo de leitura: 6 minutos

Bloomberg — A recuperação econômica em ‘V’ da China está desaparecendo mais rápido do que o esperado, pegando analistas desprevenidos e representando um novo vento contrário para a recuperação global já desigual.

Esse é o consenso emergente de que a queda dos preços dos imóveis, os consumidores nervosos e o esfriamento do setor manufatureiro apontam para uma desaceleração na segunda economia do mundo. Uma resposta política surpreendentemente contida de Pequim diminuiu as esperanças de mais apoio, pelo menos por enquanto.

Para colocar a reviravolta no contexto, apenas alguns meses atrás os economistas apostaram na China ultrapassando uma taxa de crescimento de 8% em 2021 e mantendo um forte impulso em 2022. Embora a expansão deste ano ainda possa atingir a faixa de previsão, a desaceleração significa que a China pode ter um crescimento inferior a 5% no próximo ano.

Para a economia mundial, o desenvolvimento ameaça retirar um lastro fundamental de apoio. A fome da China por matérias-primas e sua rápida reabertura após a onda pandêmica inicial também ajudaram a alimentar a recuperação global.

PUBLICIDADE

Os dados de amanhã (15) devem confirmar a desaceleração, com divulgações de números de vendas no varejo, investimento em ativos fixos e produção industrial.

Uma crise de energia em setembro e outubro, associada a elevadas pressões de custo, está reduzindo os lucros corporativos e afetando a produção industrial. Economistas esperam que a produção industrial da China se expanda no ritmo mais lento desde o início de 2020, a 3%. Um subíndice líder nos dados PMI da China que medem a produção também apontou para uma maior suavidade, que estava no seu nível mais fraco desde fevereiro de 2020.

O que diz a Bloomberg Economics:

“As leituras de atividade de outubro da China provavelmente mostrarão alguma resiliência na produção e consumo industrial, que provavelmente começou a se estabilizar após os choques causados pela falta de energia. Mas o investimento em ativos fixos pode ter enfrentado ventos contrários.”

A queda nos preços dos imóveis e a turbulência no mercado de crédito para incorporadoras altamente endividadas significa que o investimento em ativos fixos nos primeiros 10 meses do ano deverá ter desacelerado para 6,2%, ante 7,3% anteriormente.

PUBLICIDADE

Embora os legisladores tenham começado a ajustar algumas políticas e os relatos da mídia estatal estejam alimentando especulações de uma flexibilização das restrições, economistas alertam que a desaceleração no mercado imobiliário - que responde por até 25% da produção - pode prejudicar a recuperação mais ampla.

A abordagem agressiva da China para controlar surtos de Covid-19 está pesando sobre os consumidores, especialmente para catering e vendas no varejo físico. A confiança do consumidor continua fraca e os analistas esperam que o crescimento das vendas no varejo diminua 3,8% no mês.

Ásia

Em outros lugares da Ásia, o Japão divulga números nesta segunda-feira (15) que devem mostrar a recuperação da terceira maior economia do mundo dando ré depois de ser atingida por uma onda do vírus no verão e falhas no fornecimento global.

Um resultado particularmente ruim poderia alimentar ainda mais estímulos do primeiro-ministro Fumio Kishida no final da semana, quando ele decidir sobre um pacote de medidas econômicas. Números do comércio e de inflação também vêm do Japão esta semana.

EUA

As vendas no varejo são a manchete para os lançamentos de dados econômicos dos EUA na próxima semana. Os economistas projetam um avanço sólido no valor das compras em outubro, indicando um ritmo mais forte de gastos das famílias após um terceiro trimestre fraco.

Os relatórios da semana também incluem dados sobre a produção industrial e dados de vendas de casas em outubro, e leituras sobre a atividade manufatureira de novembro em vários distritos do Federal Reserve.

PUBLICIDADE

Os olhos também estão na Casa Branca. O presidente Joe Biden deve anunciar sua escolha para a presidência do Fed antes do Dia de Ação de Graças, 25 de novembro. Ele está avaliando se manterá Jerome Powell no cargo por um segundo mandato ou elevará a governadora do Fed, Lael Brainard.

América latina

A agência de estatísticas do Peru publica dados do mercado de trabalho de outubro para a capital do país, Lima, na segunda-feira. A taxa de desemprego aumentou marginalmente e o subemprego aumentou desde junho, com a recuperação da economia.

O relatório de atividade econômica do Brasil de setembro, o IBC-Br, divulgado na terça-feira (16) pode mais uma vez ressaltar o estado frágil de sua recuperação, à medida que a confiança diminui e os ventos contrários aumentam, com uma possibilidade de um terceiro trimestre negativo.

Veja mais: Cinco assuntos quentes para o Brasil na próxima semana

PUBLICIDADE
IBC-Br de setembro, considerado prévia do PIB, deve mostrar desaceleraçãodfd

Três das grandes economias da região publicam relatórios de produção do terceiro trimestre. Os analistas esperam que os dados da Colômbia na terça-feira mostrem uma forte recuperação trimestral e uma leitura anual de mais de 10%.

No dia seguinte, a mais quente das maiores economias da América Latina, o Chile, deve pelo menos manter o ritmo tórrido estabelecido no segundo trimestre, à medida que bilhões de dólares em medidas de estímulo impulsionam a expansão de uma das nações mais ricas da região.

Fechando a semana, os números trimestrais do PIB do Peru devem ficar atrás dos de seus pares andinos, mas ainda colocam a economia no caminho para liderar o crescimento da América Latina em 2021. O presidente do banco central, Julio Velarde, disse na quinta-feira que a economia pode crescer 13,2% em 2021.

Europa, Oriente Médio, África

Os relatórios econômicos do Reino Unido, em particular do mercado de trabalho, podem ser fundamentais na próxima semana. O governador do Banco da Inglaterra, Andrew Bailey, citou a situação da força de trabalho como um elemento crucial para explicar por que os legisladores desafiaram as expectativas generalizadas e evitaram o aumento das taxas de juros neste mês.

PUBLICIDADE

“Se você perguntar por que não fizemos isso agora, a resposta tem tudo a ver com o mercado de trabalho”, disse Bailey à BBC Radio 4 em 5 de novembro, explicando como mais pessoas do que se pensava estavam na licença do Reino Unido programa quando terminou em setembro.

Os dados de desemprego e salários são divulgados na terça-feira. Na quarta-feira, a inflação pode mostrar aceleração para 3,9%, a mais rápida em uma década. As vendas no varejo na sexta-feira também fornecerão pistas sobre a resiliência dos consumidores.

PUBLICIDADE

Enquanto isso, na Zona do Euro, a presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, aparecerá publicamente em meia dúzia de eventos, proporcionando múltiplas oportunidades para orientar os investidores antes de uma importante decisão em dezembro sobre o futuro do estímulo. O mais proeminente em seu diário serão duas horas de testemunho ao Parlamento Europeu na segunda-feira.

Os bancos centrais de outros lugares também chamarão a atenção. Na terça-feira, na Hungria, as autoridades monetárias podem acelerar os aumentos das taxas depois que a inflação subiu mais do que o previsto e as contrapartes regionais embarcaram em um aperto agressivo.

A Islândia, o primeiro país da Europa Ocidental a aumentar as taxas de juros desde o início da pandemia, pode apresentar outro aumento na quarta-feira. No mesmo dia, o presidente do banco central da Noruega, Oystein Olsen, falará sobre a economia poucas semanas antes de uma decisão que também pode incluir um aumento da taxa.

PUBLICIDADE

Em contraste com esses países e grande parte do Grupo dos 20, as autoridades turcas devem continuar a experiência monetária não convencional do país na quinta-feira, cortando sua taxa básica de juros pelo terceiro mês.

A lira sofreu o impacto das consequências, caindo mais 25% em relação ao dólar este ano, a maior perda entre as principais moedas do mundo.

No mesmo dia, a votação do Comitê de Política Monetária da África do Sul sobre sua decisão de taxa de juros de referência provavelmente será uma decisão difícil, já que pondera o crescimento econômico anêmico contra a inflação chegando mais perto do topo de sua meta de 3% a 6%.

Veja mais em Bloomberg.com