Traders de câmbio também estão otimistas quanto ao potencial de altas taxas de inflação persistindo por mais tempo do que a maioria esperava
Tempo de leitura: 5 minutos

Bloomberg Opinion — O tiro (da inflação) foi ouvido em todo o mundo. O Departamento do Trabalho dos Estados Unidos disse esta semana que seu índice de preços ao consumidor subiu 6,2% em outubro em relação ao ano anterior. O aumento foi o maior desde 1990, quando os preços do petróleo dispararam nos meses que antecederam o início da Primeira Guerra do Golfo. Esta foi certamente a prova de que não apenas o time dos que defendem que a pressão é transitória havia perdido o debate sobre a inflação, mas que os EUA estavam prestes a se tornar a próxima República de Weimar! Hum, vamos desacelerar um pouco as coisas.

Não se trata de minimizar os efeitos nocivos da alta inflação. Os preços ao consumidor que estão subindo repentinamente a uma taxa muito mais rápida prejudicam desproporcionalmente aqueles na extremidade inferior do espectro de renda e riqueza - um grupo que só cresceu desde a crise financeira há mais de uma década - bem como os idosos, que provavelmente vivendo de suas economias. A inflação também pode ser ruim para as empresas, especialmente se corroer as margens de lucro e fazer com que os consumidores reduzam seus gastos.

Veja mais: Inflação significa comprar menos coisas que queremos

A boa notícia é que a mensagem que está sendo enviada pelos mercados financeiros é que toda a agitação em torno da inflação pode ser um pouco prematura.

Não é como se este último relatório de CPI fosse um caso isolado; o indicador começou a subir com os dados de março e está elevado desde abril. No entanto, o mercado de ações, medido pelo índice de referência S&P 500, subiu cerca de 13% desde 12 de abril, um dia antes da divulgação do relatório do IPC de março. O Índice de confiança do investidor da State Street para a América do Norte, que é derivado de negociações reais em vez de respostas de pesquisas, é o mais alto desde o início de 2016. Isso faz sentido quando você considera que as empresas estão prosperando. As margens de lucro das empresas se expandiram para algumas das mais amplas já registradas, mostrando que os clientes estão prontos, dispostos e são capazes de absorver os preços mais altos solicitados.

PUBLICIDADE

Em 1,55%, o rendimento dos Treasuries de 10 anos caiu desde 12 de abril, recuando de 1,67%. Em 1990, os rendimentos - que ajudam a definir taxas para tudo, desde hipotecas a taxas de títulos corporativos - estavam acima de 8%. Claro, o forte envolvimento do Federal Reserve no mercado de títulos explica por que os rendimentos são tão baixos. Mesmo assim, as taxas de equilíbrio sobre os títulos do Tesouro de cinco anos, que são uma medida do que os traders esperam que a taxa de inflação seja ao longo da vida dos títulos, estão apenas em torno de 3,12%, o que parece desanimador, dada a hiperventilação sobre o relatório do IPC.

Os traders de câmbio também estão otimistas quanto ao potencial de altas taxas de inflação persistindo por mais tempo do que a maioria esperava. Embora o Bloomberg Dollar Spot Index tenha subido desde 12 de abril, como seria de se esperar em um período de aceleração da inflação, a alta foi de apenas 2,33% desde então. Além disso, o benchmark ainda está abaixo da média dos últimos cinco anos.

Os economistas agora têm sete meses para rastrear e analisar o impacto das taxas de inflação mais altas na economia, e o resultado é um encolher de ombros coletivo. Uma pesquisa mensal da Bloomberg News divulgada na sexta-feira (13) mostrou que os economistas não esperam que a próxima recessão comece antes de 2025. Além disso, eles não veem muito impacto na economia, que preveem se expandir a uma taxa muito saudável de 4,8% neste trimestre, queda de apenas um décimo de ponto percentual em relação à pesquisa de outubro. A previsão para o primeiro trimestre de 2022 aumentou de 4% para 4,3%.

Quanto à inflação, eles esperam que o IPC suba 3,6% no próximo ano. Embora isso seja elevado para uma economia que se acostumou a ganhos anuais de cerca de 2% ou um pouco menos nos últimos anos, é abaixo dos 4,5% esperados para 2021 e longe da taxa necessária para causar danos econômicos reais.

PUBLICIDADE

Veja mais: Hedge contra Inflação? Alta de preços impulsiona ações de valor, ouro ... e Bitcoin

É justo rejeitar esse pensamento de grupo entre os economistas, dado o quão errados eles têm feito previsões desde o início da pandemia. Mas o que é mais difícil de descartar é o contexto histórico. As famílias talvez estejam em sua melhor situação financeira na história. Seu patrimônio líquido coletivo medido pelo Fed aumentou em US$ 23,2 trilhões nos quatro trimestres encerrados em 30 de junho, para US$ 141,7 trilhões. O maior recorde em qualquer ano civil foi de US$ 11,6 trilhões em 2019.

Os americanos também acumularam US$ 2,7 trilhões em economias excedentes desde o início da pandemia, de acordo com a Bloomberg Economics, cerca do triplo do que é normalmente. Tom Porcelli, economista-chefe da RBC Capital Markets para os EUA, calculou em um relatório recente que os salários no ano já estão cerca de US$ 400 bilhões mais altos do que teriam sido se a pandemia nunca tivesse acontecido, usando uma estimativa de base pré-pandemia. O que isso significa é que, no final de dezembro, os consumidores podem esperar quase um ano a mais de ganhos de renda.

Claro, os mercados financeiros podem ser muito complacentes com a inflação mais rápida. Não seria a primeira vez que a sabedoria coletiva dos investidores subestimou alguns riscos. Mas é difícil argumentar que as famílias não têm os recursos financeiros para absorver esses preços mais altos nos próximos meses nos EUA. Um teste pode acontecer na terça-feira (16), quando o Departamento de Comércio divulgar seu relatório de vendas no varejo para outubro. O economista não prevê uma greve de compradores, estimando um ganho muito saudável de 1,1%, ou mais de três vezes a média mensal nos cinco anos anteriores ao início da pandemia.

Esta coluna não reflete necessariamente a opinião do conselho editorial ou da Bloomberg LP e seus proprietários.

Robert Burgess é editor executivo da Bloomberg Opinion. Ele é ex-editor executivo global encarregado de mercados financeiros da Bloomberg News. Como editor-chefe, liderou a cobertura de notícias dos mercados de crédito durante a crise financeira global.