Mercados

Por que o juro alto já não funciona tão bem para conter a inflação em países como o Brasil?

Indicador de moedas de mercados emergentes caiu para o nível mais baixo desde março de 2020 em relação ao rendimento médio de seus títulos públicos

Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central do Brasil
Por Karl Lester M. Yap e Netty Ismail
17 de Outubro, 2021 | 06:32 pm
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — A antiga estratégia dos bancos centrais de aumentar as taxas de juros para defender suas moedas está falhando em fazer sua mágica nos mercados emergentes neste momento. Um indicador das moedas dos países em desenvolvimento caiu para o nível mais baixo desde março de 2020 em relação ao rendimento médio dos títulos locais. Isso sugere que os investidores estão descartando o apelo do aumento das taxas de juros, preocupando-se, em vez disso, com a combinação tóxica de crescimento global mais lento e inflação mais rápida.

À medida que uma crise de oferta atinge suas economias, aumentando os preços ao consumidor, os bancos centrais dos mercados emergentes estão correndo para minimizar os danos com taxas mais altas. Mas isso também corre o risco de asfixiar uma frágil recuperação da desaceleração causada pela pandemia. Esse dilema repercutirá nos legisladores da Rússia, Indonésia, Turquia e Hungria nesta semana, conforme eles decidem sobre suas taxas de juros.

“É um equilíbrio delicado entre limitar o golpe e não apertar demais quando a demanda global claramente passou de seu pico”, disse Witold Bahrke, estrategista sênior da Nordea Investment, com sede em Copenhague. “Caminhar em um ritmo ainda mais rápido arriscaria um golpe duplo para as economias emergentes.”

Veja mais: Presidente turco demite membros do BC contrários a cortar juros

PUBLICIDADE

Os bancos centrais estão descobrindo que os aumentos das taxas por si só não trarão de volta os investidores quando o crescimento é um ponto de interrogação. O real do Brasil despencou 4,2% desde 22 de setembro, quando houve o aumento de sua taxa de referência. O zloty da Polônia perdeu valor em relação ao euro e ao dólar depois que os custos dos empréstimos aumentaram em 6 de outubro. A coroa tcheca também está mais baixa desde um aumento em 30 de setembro.

As economias emergentes devem registrar um crescimento combinado de 6,5% em 2021, recuperando-se de uma contração de 0,6% no ano passado. No entanto, isso reduziria sua liderança de crescimento sobre as economias desenvolvidas para 1,2 ponto percentual, de 3,1 pontos percentuais. Alguns investidores veem essa lacuna cada vez menor como um obstáculo à compra de ativos mais arriscados.

Os países em desenvolvimento já perderam sua vantagem de crescimento durante os bloqueios da Covid-19, pois forneceram pacotes de estímulo muito menores para suas economias do que os Estados Unidos ou Europa. Agora, os aumentos das taxas ameaçam erodir ainda mais a expansão econômica.

Nesse cenário, alguns investidores estão apostando em oportunidades de valor relativo, com foco nas economias emergentes que administraram uma combinação ideal de crescimento e controle da inflação. A Fidelity International Ltd. prefere a Rússia e o Brasil, onde os ganhos de preço estão próximos de seus picos. Por outro lado, evita os países da Europa Central, alegando que as pressões inflacionárias podem persistir no início do próximo ano.

PUBLICIDADE

Veja mais: Chile surpreende com novo choque de juros para conter inflação

“Gostamos dos mercados de títulos, onde sentimos que os bancos centrais estão à frente da curva em termos de inflação e já estão em um ciclo de aperto monetário”, disse Paul Greer, um gerente financeiro da Fidelity em Londres.

Então, o que torna um mercado emergente ideal nestes tempos turbulentos? A maioria dos investidores diz que a Rússia tem as respostas.

O país tem uma presidente de banco central amplamente respeitada, Elvira Nabiullina, cuja determinação em combater a inflação é de conhecimento comum nos mercados. Ela também tem um superávit em conta corrente e uma das maiores reservas de moeda estrangeira do mundo. E quando os ganhos inesperados do aumento do preço do petróleo são adicionados à mistura, os investidores começam a ver o rublo como irresistível. A moeda ganhou quase 2% neste mês e tem o melhor desempenho este ano nos mercados emergentes.

Ian Tomb, estrategista do Goldman Sachs Group Inc., disse que o rublo comprado é a negociação preferida do banco devido à alta dos preços do petróleo, mas essa não era a única atração da moeda. “Uma série de fatores, incluindo vantagens no transporte e saldos externos, apoia nossa preferência contínua pelo rublo”, escreveu ele em uma nota.

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

Amazônia está à beira de uma inflexão em meio a grilagem de terras no Brasil

PUBLICIDADE