promo
Internacional

Chile surpreende com novo choque de juros para conter inflação

BC sinalizou que removerá o estímulo ainda mais rápido à medida que as expectativas de inflação disparam acima da meta

Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — O banco central de Chile surpreendeu os economistas com um aumento na taxa de juros maior do que o esperado na segunda reunião consecutiva e sinalizou que removerá o estímulo ainda mais rápido à medida que as expectativas de inflação disparam acima da meta.

“A evolução do cenário macroeconômico aumentou os riscos de convergência da inflação para a meta de 3% no horizonte de política”, escreveram. “O conselho decidiu antecipar a retirada do estímulo monetário, projetando que a taxa básica de juros atingirá seu nível neutro antes do previsto no cenário central do Relatório de setembro.”

Os bancos centrais da América Latina estão aumentando os custos dos empréstimos rapidamente, à medida que os setores econômicos reabrem e a inflação dispara. No Chile, os preços ao consumidor ultrapassaram as estimativas em setembro, registrando a maior alta desde 2008 em relação ao mês anterior. O produto interno bruto (PIB) crescerá até 11,5% este ano, de acordo com as autoridades, e os legisladores estão debatendo novas regras para fundos de pensão que injetariam outros US $ 20 bilhões na economia.

O que os economistas da Bloomberg dizem

“Esta decisão mostra que a atividade e a demanda doméstica em particular são muito fortes, mais do que em outros países, e que se recuperou da Covid muito mais rápido. A economia está superaquecida. A taxa básica não deve ser inferior a 3,75% no 1T22. " - Felipe Hernandez, economista da América Latina

O aumento dos juros na quarta-feira foi o maior em duas décadas. Os formuladores de políticas já aumentaram as taxas em um total de 225 pontos-base desde julho.

“Esta foi uma decisão de taxa surpreendente e agressiva que incorpora as expectativas de inflação”, disse Sebastian Diaz, economista da Pacifico Research em Santiago. “O banco central está tentando se antecipar à inflação. Eles vão continuar aumentando as taxas. "

Na reunião de política monetária de agosto, o conselho do banco aumentou os custos dos empréstimos em três quartos de um ponto percentual. Naquela época, a maioria dos economistas estava precificando um aumento de um quarto ou meio ponto percentual.

‘Recuperação significativa’

No comunicado, os formuladores de política monetária escreveram que setores como os de serviços, que ficaram para trás, estão agora retornando aos níveis pré-pandêmicos. Ao mesmo tempo, o investimento mostrou uma “recuperação significativa, refletindo uma recuperação que se tornou mais transversal”.

A forte demanda, junto com fatores como um peso mais fraco e custos mais altos das commodities, impulsionou recentemente a inflação. “Houve aumentos notórios nos preços dos combustíveis, com o petróleo subindo acima de US $ 80 o barril, ou seja, um aumento de mais de 15% desde a última reunião”, escreveram.

A inflação anual atingiu 5,3% no mês passado, enquanto as expectativas de preços ao consumidor subiram em todos os horizontes, segundo o banco central. De fato, os operadores de mercado entrevistados pela autoridade monetária veem os aumentos do custo de vida correndo acima da meta nos próximos dois anos.

Ao mesmo tempo, a piora das perspectivas de inflação, juntamente com a incerteza política e mudanças nas regras de aposentadoria antecipada, estão pesando sobre os mercados financeiros locais, escreveram as autoridades. Os fundos de pensão, conhecidos como AFPs, são a base dos mercados de capitais do Chile.

Adicionalmente, o conselho do banco central concordou em suspender o programa de acumulação de reservas iniciado em janeiro passado, dada a evolução recente dos mercados financeiros e o nível de reservas internacionais já atingido.

--Com assistência de Rafael Mendes e Rafael Gayol.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Brasil ultrapassa os 100 milhões de pessoas com vacinação completa

Vacina usada não explica diferença em total de mortes por Covid

CureVac abandona vacina contra Covid após resultados decepcionantes