promo
Internacional

Por que ir ao mecânico virou um problema nos Estados Unidos?

Carros estão ficando parados por semanas a espera de peças simples como filtro de óleo e carpetes, que já não chegam às oficinas com a mesma velocidade e frequência de antes

Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — Os problemas da cadeia mundial de suprimentos estão afetando as oficinas de automóveis dos Estados Unidos.

O desafio de encontrar peças triviais como filtros de óleo ou carpetes forçou as oficinas a acumular estoques, encontrar soluções e implorar aos clientes por paciência até que um novo pedido chegue. Atrasos típicos de um ou dois dias podem se estender por semanas em alguns casos, segundo os donos das oficinas.

É um ciclo vicioso. Uma escassez global de semicondutores cortou a produção de carros novos, levando a um aumento na demanda e nos preços de carros usados e forçando as pessoas a manter os antigos por mais tempo. Por sua vez, esses veículos precisam de mais manutenção, que agora estão se arrastando cada vez mais pelos emaranhados da cadeia de suprimentos.

Nos subúrbios de Seattle, o dono de oficina Bryan Kelley esperou por peças por 60 a 90 dias em duas ocasiões diferentes, enquanto consertava picapes. Uma das peças, um sensor de posição do virabrequim, costumava levar meia hora para sair do centro de distribuição, disse Kelley, proprietário da Valley Automotive Repair and Electric. A espera ficou tão longa que o cliente estava prestes a desistir de sua Dodge Ram 1500, disse ele.

Veja mais: Apple: Crise ‘sem fim’ de suprimento abate empresa mais valiosa do mundo

“Ele chegou a dizer:’ Vou rebocá-la e comprar outra’”, disse Kelley, que também é presidente da associação comercial Automotive Service Association Northwest. “A coisa se agravou quando ele descobriu que não poderia simplesmente comprar uma.”

A indústria de autopeças e reparos movimenta cerca US$ 300 bilhões e está enfrentando desafios operacionais generalizados, de picos no preço do aço e outros materiais à escassez de mão-de-obra e atrasos no desembarque de mercadorias nos portos dos Estados Unidos, disse Paul McCarthy, presidente-executivo da Associação de fornecedores de peças de reposição automotivas.

Nenhuma oficina está sendo poupada, sejam concessionários, que obtêm suas peças das principais montadoras, auto-peças independentes ou pequenas oficinas de esquina, disse McCarthy.

Esse é o momento da cadeia de suprimentos mais difícil que já vi

—  William Rhodes, CEO da AutoZone Inc.

A AutoZone está com “o nível mais baixo de estoque que eu posso me lembrar”, disse Rhodes, que começou sua carreira na gigante do varejo de peças de automóveis com sede em Memphis, Tennessee, na década de 1990 e é CEO desde 2005.

Veja mais: Fabricantes de chips globais resistem a fornecer dados para EUA

Por enquanto, os mecânicos da linha de frente estão tendo que ser criativos e, ao mesmo tempo, manter os proprietários de carros calmos enquanto dão as más notícias. Ajuda quando tantos desses clientes experimentaram escassez de todos os tipos de produtos durante a pandemia no último ano e meio.

Nos subúrbios da Filadélfia, o Nissan Sentra de Lisa Matlock foi inundado quando o furacão Ida atingiu o nordeste no início de setembro, deixando o interior do carro encharcado e mal cheiroso. “Não consigo nem começar a dizer como era o cheiro”, disse Matlock.

Incapaz de encontrar um carpete substituto, os mecânicos da Colket Technical Services em Lansdale, Pensilvânia, apelaram ao plano B. Retirar o carpete existente, limpá-lo profissionalmente e colocá-lo de volta.

“Os filtros de óleo estão se tornando mais difíceis de conseguir, então quando eu os compro, eu os compro nas maiores quantidades que posso”, disse Danny Tomasian, gerente do River Road Auto Service em Bethesda, Maryland.

Por enquanto, a indústria de peças de reposição dos Estados Unidos está se preparando para uma escassez possivelmente no próximo ano, disse McCarthy da associação de fornecedores.

Colket, o dono da garagem na Filadélfia, está levando isso na esportiva.

Ele até tem um apelido para os atrasos persistentes: “Carinhosamente nos referimos a isso como pedido em atraso intergaláctico”.

Veja mais em Bloomberg.com.

Leia também

Brasil simplifica gestão ESG das empresas com ajuda da tecnologia

Aumentar os salários é ótimo; a inflação de longo prazo subjacente, nem tanto

Primeira arena multiuso de SP quer atrair turnês mundiais para o país