Mercados

Senado dos EUA elimina ponto de pressão, mas mercado externo deve seguir volátil

Bolsas europeias e futuros de índice de NY trabalham sem rumo definido; foco de hoje está em dados sobre emprego nos EUA

dados de emprego nos EUA e rumo dos preços de energia orientam negócios de hoje
08 de Outubro, 2021 | 05:26 am
Tempo de leitura: 1 minuto

Barcelona, Espanha — Agora é certo: os senadores democratas e republicanos finalmente chegaram a um acordo para aumentar em US$ 480 bilhões o teto da dívida os Estados Unidos até o início de dezembro. Apesar de ser um alívio de curta duração, a medida elimina um foco de preocupação nos mercados internacionais.

O aumento do limite da dívida, que aliviaria o risco imediato de um calote, ainda precisa de uma votação na Câmara, que deve analisar o caso na próxima semana. Mas o mercado comemora o fato de ter uma apreensão a menos em sua agenda – pelo menos até as próximas oito semanas. Ainda assim, os investidores devem trabalhar de forma reticente. Os primeiros negócios do dia nas bolsas europeias e com futuros de índices nos Estados Unidos mostram alguma volatilidade, com índices caminhando em direções contrárias.

Ler mais: Senado dos EUA aprova aumento de curto prazo no teto da dívida

E o que está no radar do mercado?

  • Os dados sobre o desemprego e a criação de vagas nos Estados Unidos, que serão divulgados hoje pelo Departamento do Trabalho. Os números podem indicar ao mercado os cenários possíveis para a política monetária que será aplicada pelo Federal Reserve.
  • O movimento dos preços de matérias-primas energéticas como o petróleo, o gás natural e o carvão. Ontem, os preços do gás exibiram uma queda superior a 10% na Europa, refletindo os sinais de que a Rússia poderia fornecer mais gás para o continente.
Em contexto: Os efeitos da disparada de preços nas últimas semanas já começam a aparecer na inflação. Um aumento desmesurado nos preços destas commodities poderia prejudicar a recuperação econômica global e afetar negativamente a renda disponível das famílias e as margens de lucro corporativas.
  • A toada dos bancos centrais mundiais: quando reduzirão seus programas de recompra de títulos – medida que ajudou a estimular suas economias – e como equalizarão as taxas de juros? Ontem o Banco Central Europeu (BCE) divulgou a ata de sua reunião de setembro, onde o principal destaque foi que a maioria dos membros expressou que a previsão de inflação para 2023 (1,5%) é muito baixa. Houve diferentes opiniões sobre como calibrar as compras de ativos do programa emergencial do BCE, sendo que alguns membros declararam sua preferência por uma atuação “mais substancial”.
  • O rendimento dos bônus do Tesouro norte-americano de 10 anos alcançou o nível mais alto desde junho. Parte da volatilidade no mercado de renda variável nas últimas semanas tem a ver com a necessidade de as bolsas aprenderem a conviver com taxas juros dos títulos mais caras e commodities a um preço mais elevado.

As bolsas na Europa se comportavam assim na manhã de hoje:

  • o Stoxx 600 Europe Index operava com 0,28% de baixa, aos 457 pontos às 10h15 CEST (5h15 no horário de Brasília)
  • o alemão DAX caía 0,26%, para 15.210 pontos
  • em Paris, o CAC 40 recuava 0,21%, para 6.586 pontos
  • o londrino FTSE 100 elevava-se 0,08%, aos 7.083 pontos
  • o IBEX 35 ganhava 0,18%, aos 8.977 pontos

Futuros de ações nos EUA

  • o S&P 500 futuro caía ligeiramente 0,04% às 10h15 CEST (5h15 no horário de Brasília) para os 4.388 pontos
  • os contratos indexados ao índice Dow Jones ganhavam 0,05%, aos 34.655 pontos
  • os contratos futuros indexados ao índice Nasdaq declinavam 0,18%, para 14.854 pontos

Como fechou Wall Street ontem

O S&P 500 terminou com 0,83% de alta, aos 4.399 pontos. O Dow Jones Industrial avançou 0,98%, somando 34.754 pontos. Já o Nasdaq valorizou-se 1,05%, totalizando 14.654 pontos.

PUBLICIDADE

Mercados asiáticos

Depois de uma semana fechada por feriado, a bolsa de Shangai voltou à ativa e fechou em alta de 0,67%, aos 3.592 pontos. Em Hong Kong, o Hang Seng terminou com 0,35% de alta, aos 24.788 pontos. No Japão, Nikkei 225 subiu 1,34%, situando-se aos 28.048 pontos.

Confira o comportamento de outros mercados na manhã de hoje:

Petróleo

  • em Nova York, os contratos futuros de petróleo subiam 1,57% às 10h15 CEST (5h15 no horário de Brasília), para US$ 79,52 por barril.

Moedas

  • o euro era negociado com baixa de 0,07% a US$ 1,1545
  • o iene subia 0,30%, para US$ 111,98
  • a libra esterlina tinha 0,19% de queda, cotada a US$ 1,3590

Ouro

  • o ouro futuro caía 0,20%, para US$ 1.755 a onça troy

Cripto

  • o bitcoin subia 2,06%, para US$ 55,320 mil.

Ler mais: Inverno no Hemisfério Norte pode ser mais gelado e a culpa é das mineradoras de cripto

-- Com informações da Bloomberg News

Leia também

PUBLICIDADE

Nobel da Paz: Jornalistas das Filipinas e Rússia ganham prêmio por fomentar liberdade de expressão

Investidores pausam preocupação com dívida dos EUA, mas inflação segue no encalço: Breakfast

Assembleia da Hapvida, Banco ABC com investidores: Radar SA


Michelly Teixeira

Michelly Teixeira

Jornalista com mais de 20 anos como editora e repórter. Em seus 12 anos de Espanha, trabalhou na Radio Nacional de España/RNE e colaborou com a agência REDD Intelligence. No Brasil, passou pelas redações do Valor, Agência Estado e Gazeta Mercantil. Tem um MBA em Finanças, é pós-graduada em Marketing e cursa um mestrado em Digital Business na Esade.

PUBLICIDADE