Internacional

Senado dos EUA aprova aumento de curto prazo no teto da dívida

Aprovação, por 50 votos a 48, apenas empurra a disputa em relação ao limite da dívida do governo americano por menos de dois meses

Senado aprova extensão do teto da dívida até dezembro
Por Laura Litvan, Erik Wasson e Laura Davison
07 de Outubro, 2021 | 11:01 pm
Tempo de leitura: 5 minutos

Bloomberg — O Senado dos EUA aprovou uma legislação nesta quinta-feira que tira a nação da beira de um calote de pagamento com um aumento no teto da dívida de curto prazo, quebrando um impasse que se arrastou por semanas e que abalou os mercados financeiros.

A votação passou por 50 votos a 48, sem nenhum republicano a favor da medida que apenas empurra a disputa em relação ao limite da dívida do governo americano por menos de dois meses. O aumento de US$ 480 bilhões na autorização de empréstimos estatutários deve terminar por volta de 3 de dezembro.

O aumento do limite da dívida ainda precisa de uma votação na Câmara, que deve analisar o caso na próxima semana. No entanto, os líderes da Câmara disseram aos legisladores que poderiam ser chamados de volta a Washington dentro de 72 horas. Espera-se que seja aprovado lá, e a Casa Branca disse que o presidente Joe Biden estava ansioso para sancionar a lei.

“Os republicanos encamparam um jogo arriscado e partidário, e estou feliz que sua ousadia não funcionou”, disse o líder da maioria no Senado, Chuck Schumer, depois que o projeto de lei superou um obstáculo processual.

PUBLICIDADE

Schumer e o líder da minoria, Mitch McConnell, chegaram a um acordo para a votação na quinta-feira. A notícia do acordo gerou recuperação no mercado de ações. O S&P 500 registrou um terceiro dia de ganhos, à medida que diminuíam as chances de um aperto economicamente devastador na política fiscal - pelo menos por enquanto.

Agenda legislativa

A linha do tempo para a votação do teto de dívida estabelece um cronograma em que várias batalhas fiscais e políticas acontecerão quase simultaneamente. O financiamento para operações do governo também expira em 3 de dezembro, arriscando uma paralisação de pagamentos, a menos que os legisladores concluam os orçamentos para este ano fiscal. Além disso, os democratas tentam aprovar um amplo pacote econômico de Biden nessa época.

McConnell teve que trabalhar até quase o último minuto para fazer com que um número suficiente de republicanos votassem uma moção processual - chamada de coação - para interromper o debate e levar a votação do teto da dívida para o plenário. McConnell e 10 outros republicanos votaram para abrir caminho para o projeto de lei.

Em um prenúncio da batalha campal que ocorrerá em dezembro, McConnell enfrentou o revés de alguns membros de seu partido, que disseram ter cedido aos democratas e outros parlamentares que não queriam suas impressões digitais no caso temendo consequências no próximo ano.

PUBLICIDADE

O senador Ted Cruz, do Texas, que não será eleito até 2024, chamou o acordo de McConnell com Schumer de “um erro”.

“Estávamos todos juntos e deixando claro que os democratas tinham autoridade total para aumentar o teto da dívida, assumido a responsabilidade pelos trilhões de dívidas que estão irresponsavelmente adicionando a este país”, disse Cruz. “Schumer estava à beira de desistir. E, infelizmente, o negócio que foi colocado na mesa foi uma tábua de salvação para Schumer. "

Trump age para evitar aprovação

O senador John Thune, da Dakota do Sul, o segundo republicano mais importante da Câmara, disse que embora houvesse apoio do Partido Republicano suficiente para permitir a aprovação, o caso se arrastou para mais longe do que se esperava. “É óbvio que ninguém gosta desse problema”, disse Thune. “Não há republicanos da minha geração que gostem de lidar com o limite da dívida.”

À medida que a votação se aproximava, o ex-presidente Donald Trump, em um breve comunicado, implorou aos republicanos que rejeitassem “este terrível acordo que está sendo promovido por Mitch McConnell”. O Congresso aumentou o teto da dívida três vezes enquanto Trump estava no cargo, inclusive em 2019, quando foi suspenso por dois anos.

Apelos de Yellen

A ação no Senado vem depois de semanas de disputas partidárias sobre como aumentar o teto da dívida, que a secretária do Tesouro, Janet Yellen, alertou que seria rompido por volta de 18 de outubro se não ocorresse uma ação do Congresso.

“Todos, incluindo eu, deram um suspiro de alívio por termos conseguido chegar a um acordo que nos levaria até o dia 3 de dezembro, mas precisamos acertá-lo em um prazo mais longo”, disse Yellen em uma entrevista na tarde de quinta-feira à CNN. “Portanto, temos mais trabalho a fazer para passar isso do dia 3 de dezembro.”

PUBLICIDADE

Yellen também repetiu seu apelo para se livrar do limite de dívida, situação que deixa a chefe do Tesouro com mandato conflitante para ao mesmo tempo encaminhar os pagamentos autorizados pelo Congresso e não aumentar a dívida por cumpri-los.

“É cada vez mais prejudicial para a América ter um teto para a dívida”, disse Yellen. “Isso levou a uma série de conflitos politicamente perigosos que fizeram com que os americanos e os mercados globais questionassem se a América leva ou não a sério o pagamento de suas contas. É flertar com uma crise autoinfligida. "

A aprovação evita uma crise imediata, mas significa que a batalha partidária sobre a dívida estará novamente no calendário assim que o Congresso enfrentar o prazo para manter o governo funcionando, com o financiamento regular do ano fiscal se esgotando. Os democratas também devem, naquele momento, tentar aprovar um projeto de lei de infraestrutura e um enorme plano de impostos e gastos na Câmara e no Senado, com sua pequena maioria.

Pacote de US$ 4 tri de Biden

Isso pode ser politicamente perigoso para os legisladores democratas ainda fortemente divididos sobre os US$ 4 trilhões da proposta do pacote econômico de Biden - particularmente para moderados em estados indecisos que se preocupam com o custo geral.

PUBLICIDADE

McConnell disse que os republicanos ainda querem que os democratas aumentem o teto da dívida em dezembro, usando um processo conhecido como reconciliação, o que deixaria os republicanos totalmente fora do processo.

Schumer rejeitou essa ideia, em vez de tentar eliminá-la apenas com votos democratas em um caminho mais rápido. Ele argumentou que não havia tempo suficiente antes do prazo de meados de outubro. O processo levaria cerca de duas semanas, de acordo com especialistas em orçamento.

O movimento de limite da dívida de curto prazo de McConnell foi negociado para permitir um blefe dos democratas, ao mesmo tempo em que mostra que os republicanos estão dispostos a ser flexíveis, de acordo com uma pessoa familiarizada com esse pensamento. “Agora não haverá dúvidas. Eles terão muito tempo “, disse McConnell na quinta-feira.

Ao sincronizar a próxima data de limite para o teto da dívida e ameaça de shutdown do governo, o Congresso pode ter mais probabilidade de abordar os dois em um único ato legislativo. Tal projeto de lei poderia incluir um acordo de patamar de despesa de primeira linha para o ano fiscal de 2022 que contemple as demandas do Partido Republicano por maiores gastos com defesa - permitindo, assim, que o orçamento para o ano inteiro seja incluído.

PUBLICIDADE

- Com a ajuda de Christopher Condon.

Leia também

PUBLICIDADE

Brasil sai da lista vermelha para entrada no Reino Unido

Investidora bilionária ensina finanças para mulheres com poker online

Quem são os nomes mais influentes do agro na lista 500 da AL?

PUBLICIDADE