Negócios

Petrobras descarta risco de desabastecimento de gás com paralisação de campo

Causa do vazamento de gás em duto, que paralisou ontem a produção junto com a Enauta, ainda é investigada na Bahia

Petrobras é sócia da Enauta no Campo de Manati, na Bahia
29 de Setembro, 2021 | 09:02 am
Tempo de leitura: 1 minuto

São Paulo — A Petrobras espera que a produção de gás do campo de Manati, na Bacia de Camamu, na Bahia, seja retomada até o fim desta semana, após ter paralisado, ontem, em virtude da ocorrência de um vazamento na porção terrestre de seu gasoduto de exportação.

Veja mais: Enauta paralisa um dos principais campos fornecedores de gás no Nordeste

O Campo de Manati é um dos principais fornecedores de gás para a região Nordeste. A Petrobras é a operadora do campo de Manati, com 35% de participação, em parceria com a Enauta Energia (45%), GeoPark (10%) e Petro Rio Coral Exploração Petrolífera (10%).

“As causas da ocorrência estão sendo apuradas. Não há risco de desabastecimento de gás ao mercado, e a Petrobras mantém os órgãos competentes informados”, informou a estatal, na manhã desta quarta-feira (29).

PUBLICIDADE

Veja mais: Exxon terá classificação de gás para avaliar vazamento de metano

A operação do duto foi interrompida, e equipes foram mobilizadas para o reparo, segundo a petroleira. A média de produção do campo em setembro estava em 3,1 milhões de m³/dia, sendo 1,1 milhão de m³/dia a parcela da Petrobras.

Campo de Búzios

Em outro comunicado divulgado nesta manhã, a estatal informou que deve receber US$ 2,08 bilhões da CNOOC pela venda de 5% no contrato de partilha de produção do excedente da cessão onerosa para o campo de Búzios, no pré-sal da Bacia de Santos, pois sua parceira manifestou interesse no exercício da opção de compra.

“O impacto na curva de produção da Petrobras só iniciará após o fechamento da transação, não sendo esperado impacto na meta de produção de 2021.

PUBLICIDADE

Guamaré

Já a petroleira 3R comunicou, hoje, ter recebido uma notificação da Petrobras, informando que a UPGN III (unidade de processamento de gás natural III), localizada em Guamaré, reduzirá sua capacidade de processamento entre 28 de setembro (ontem) e 11 de outubro para manutenção programada.

Durante o período, as produções diárias de gás no campo de Sanhaçu e dos campos de Pescada e Arabaiana estarão limitadas a 60 mil m³ e 55 mil m³, respectivamente. A companhia informação que não há impacto para a produção de óleo dos demais campos que compõem o Polo Macau, que representaram mais 97% da produção do óleo do respectivo polo entre janeiro e agosto deste ano.

Leia também

Mercados internacionais voltam às compras de ações depois da tormenta

Sérgio Ripardo

Sérgio Ripardo

Jornalista brasileiro com mais de 25 anos de experiência, com passagem por sites de alcance nacional como Folha e R7, cobrindo indicadores econômicos, mercado financeiro e companhias abertas.

PUBLICIDADE