Brasil

Os principais pontos do depoimento do dono da Havan na CPI

Luciano Hang negou que tivesse pedido para alterar o atestado de óbito da própria mãe. Depoimento foi marcado por tumultos e propaganda da rede de lojas

Luciano Hang disse que ficou surpreso com o fato do atestado de morte da sua mãe, que faleceu em janeiro, ter omitido a Covid-19 como causa da morte
29 de Setembro, 2021 | 04:18 pm
Tempo de leitura: 4 minutos

Luciano Hang, um dos mais vocais apoiadores do presidente Jair Bolsonaro, está depondo nesta quarta-feira (29) na CPI da Pandemia, no Senado Federal. O depoimento do dono da rede de lojas Havan tem sido marcado por ironias, bate-bocas e ofensas.

O empresário negou que tivesse pedido para que Covid-19 não constasse no atestado de óbito da mãe, Regina Hang, que morreuem janeiro, vítima da doença em um hospital da Prevent Senior em São Paulo. O documento da morte não fazia alusão à doença.

Veja mais: Prevent Senior: médicos eram forçados a entregar hidroxicloroquina, diz advogada

Aqui estão os principais pontos:

PUBLICIDADE

Atestado de óbito da mãe

Hang disse que ficou surpreso quando viu o atestado de óbito de sua mãe, Regina Hang, em janeiro. O empresário negou que tivesse pedido para que a causa da doença constasse no documento.

“Achei estranho estar no óbito, mas sou leigo. Tinha cinco doenças lá e não estava Covid. Segundo eles, quem preencheu o atestado de óbito foi o plantonista. No dia seguinte, a comissão de controle de infecção hospitalar e corrigiu o erro do plantonista”, disse.

“Não vejo o interesse do hospital de mentir sobre a causa da morte da minha mãe”, afirmou.

Veja mais: Sete fatos para entender o que está acontecendo com a Prevent Senior

PUBLICIDADE

Hang disse que a mãe recebeu “tratamento precoce” ao entrar no hospital. O “tratamento precoce” citado pelo empresário refere-se à azitromicina, hidroxicloroquina e outros medicamentos comprovadamente sem eficácia para o tratamento de Covid.

Regina foi internada em 1º de janeiro e faleceu em 3 de fevereiro.

Financiamento de fake news

Luciano Hang negou que tenha financiado canais na internet para desacreditar medidas de isolamento e defender a disseminação de remédios sem eficácia comprovada para tratar a Covid.

Ele disse que propagandas da Havan são distribuídas através do sistema de anúncios do Google, mas que não houve direcionamento para sites, como o Terça Livre – canal do bolsonarista Allan dos Santos, investigado pelo STF no inquérito dos atos antidemocráticas.

Veja mais: Covid reduz em dois anos expectativa de vida de homens nos EUA

Hang diz que não se vacinou

O empresário disse que não tomou a vacina contra a Covid-19, doença que contraiu em janeiro deste ano na época em que sua mãe estava internada. Hang atribuiu a um “conselho de um médico” a decisão de não se vacinar.

PUBLICIDADE

“Tenho médicos. Um deles me disse: ‘Luciano, nunca vi ninguém com uma imunidade tão alta como a sua. Deixe para se vacinar apenas quando a imunidade cair’”, relatou o empresário.

Randolfe Rodrigues (Rede-AP) fez um comentário mordaz: “Não acredito que um médico tenha dado um conselho idiota como esse”.

Veja mais: Veja como anda o avanço da Covid-19 no Brasil e na América Latina

A Havan e os bancos públicos

Um dos focos do senador Renan Calheiros (MDB-AL), relator da CPI, perguntou sobre o acesso da Havan aos recursos do BNDES, Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal.

PUBLICIDADE

Hang disse que nunca acessou diretamente recursos do BNDES, mas que empresas que fornecem à Havan integram o Finame, programa do banco estatal para financiamento de máquinas e equipamentos.

Segundo Hang, ele fez um único negócio com o BNDES: a compra de um terreno em Franca (SP) de uma empresa que quebrou e devia para o banco. O empresário afirmou que ele pagou o banco no lugar do devedor.

Veja mais: Vacina da Pfizer contra Covid é segura para adolescentes

“Passei em Franca, gostei do terreno e comprei por R$ 16 milhões. Terreno pertencia a empresa que quebrou e eu comprei o terreno e paguei ao BNDES. O que eu fiz foi livrar o BNDES no abacaxi”, afirmou.

PUBLICIDADE

O empresário afirmou que, no início da pandemia, procurou empréstimos no Bradesco, Santander e Itaú, mas não nos bancos estatais.

“Fake News. No governo do PT nunca peguei nada de bancos públicos. Na pandemia, peguei dinheiro do Bradesco, Itaú e do Santander. Banco estatal, na-na-ni-na-não. Para depois lá na frente falarem: ‘tá vendo, ele foi financiado com dinheiro público!’”

PUBLICIDADE

Algemas, propaganda e expulsão de advogado

A tensão começou ainda antes do depoimento. Numa provocação, Hang chegou ao Senado levando algemas, em uma alusão à prisão, mas o item não passou pelo detector de metais.

No início do depoimento, foi exibido um vídeo trazido por Hang em que criticava o relator, Renan Calheiros (MDB-AL) e fazia propaganda das lojas – senadores da oposição ao presidente Jair Bolsonaro reclamaram que o depoimento estava usando a CPI para fazer publicidade.

Veja mais: Remédios contra Covid ainda sem comprovação de eficácia podem ser arma de Biden

PUBLICIDADE

Renan, no início do depoimento, insultou Hang, chamando-o de “bobo da corte”, “bufão” e “sabujo”.

“Bons tempos em que as cidades do interior se iluminavam com o simples anúncio de que o circo chegou. Nos restou só o trágico globo da morte e 595 mil mortos”, disse Renan.

Por volta das 12h30, houve um tumulto. Omar Aziz determinou a expulsão de Beno Brandão, um dos advogados de Hang, por ter supostamente ofendido o senador Rogério Carvalho (PT-SE).

PUBLICIDADE

Na volta da sessão, meia-hora mais tarde, o advogado pediu desculpas e pediu a reconsideração da expulsão. Brandão foi autorizado a ficar.

Leia também:

O que você NUNCA deve fazer ao começar a investir em criptomoedas

PUBLICIDADE

Como vai funcionar a nova ferrovia da Rumo em Mato Grosso

Como o biogás transforma o passivo ambiental em negócio bilionário


Graciliano Rocha

Graciliano Rocha

Editor da Bloomberg Línea no Brasil. Jornalista formado pela UFMS. Foi correspondente internacional (2012-2015), cobriu Operação Lava Jato e foi um dos vencedores do Prêmio Petrobras de Jornalismo em 2018. É autor do livro "Irmã Dulce, a Santa dos Pobres" (Planeta), que figurou nas principais listas de best-sellers em 2019.

PUBLICIDADE