PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

Senadora chama Powell de ‘perigoso’ e se opõe a recondução no Fed

“Você agiu para tornar nosso sistema bancário menos seguro, e isso o torna um homem perigoso para chefiar o Fed”, disse Elizabeth Warren

Senadora declara oposição à recondução de Jerome Powell na presidência do Federal Reserve
Por Craig Torres
28 de Setembro, 2021 | 01:42 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — A senadora Elizabeth Warren, pressionando o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, em seu histórico de regulamentação financeira, disse que não o apoiaria para um segundo mandato como chefe do banco central dos Estados Unidos.

“Seu histórico me preocupa seriamente”, disse a democrata de Massachusetts nesta terça-feira (28) durante uma audiência do Comitê Bancário do Senado. “Você agiu para tornar nosso sistema bancário menos seguro, e isso o torna um homem perigoso para chefiar o Fed. É por isso que me oponho à sua renomeação.”

PUBLICIDADE

O mandato de Powell expira em fevereiro e, conforme a Bloomberg News, assessores da Casa Branca estão considerando recomendar o presidente Joe Biden para mantê-lo no cargo.

Veja mais: Biden tem oportunidade de remodelar Federal Reserve com minorias à frente

Yellen, que testemunhou ao lado de Powell na audiência do Senado sobre a economia durante a pandemia, disse a assessores da Casa Branca em agosto que apoia a recondução de Powell como presidente. Seu suporte é uma voz fundamental no processo de deliberação da Casa Branca, informou a Bloomberg, dada sua experiência anterior como presidente do Fed e no banco central.

PUBLICIDADE

Os votos de Powell que se juntaram às políticas do vice-presidente de supervisão, Randal Quarles, de redução da regulamentação em nome da eficiência, têm sido um obstáculo para Warren e Sherrod Brown, senador democrata por Ohio e presidente do painel bancário do Senado.

A governadora do Fed, Lael Brainard, é vista como uma candidata importante para a cadeira. Ela e Powell divergem em seus pontos de vista sobre a regulamentação financeira em particular.

Veja mais: Powell x Brainard: Regulação domina debate sobre sucessão no Fed

A oposição de Warren complica os cálculos do governo Biden. Será necessário aumentar sua pressão por Powell ou escolher outro candidato, que pode enfrentar mais resistência dos republicanos no processo de confirmação em um Senado no qual os democratas têm 50 das 100 cadeiras.

Um funcionário da Casa Branca não respondeu imediatamente aos pedidos de comentários.

Powell, um republicano nomeado para o Conselho do Fed pelo ex-presidente Barack Obama e elevado à presidência pelo ex-presidente Donald Trump, recebeu apoio verbal de vários senadores republicanos por mais quatro anos.

PUBLICIDADE

Powell flexível

A declaração de Warren contra ele sinaliza que ela não acredita que um novo vice-presidente de supervisão possa definir a agenda com um presidente que pode não concordar com ele. Powell mostrou flexibilidade no passado, pelo menos resistindo a divergências em votos do Conselho contra as iniciativas de Daniel Tarullo, que liderou uma revisão agressiva da supervisão na esteira da crise financeira de 2008-2009.

Powell interpreta a Lei Dodd-Frank - as reformas de 2010 postas em prática para fortalecer os bancos após a crise - em termos legais bastante estritos. A lei diz que o vice-presidente de supervisão “deve desenvolver recomendações de políticas” para o Conselho do Fed e deve “monitorar a supervisão e regulamentação dessas empresas”.

O assento é apenas uma das quatro posições que a administração Biden poderia preencher. O mandato do vice-presidente Richard Clarida como governador expira em janeiro, e o mandato de Randal Quarles como vice-presidente de supervisão expira no próximo mês. Além disso, há um assento vago.

As nomeações podem ter um impacto dramático nas expectativas da política no próximo ano. Além disso, Robert Kaplan e Eric Rosengren, presidentes dos Feds de Dallas e Boston, renunciaram após o escrutínio sobre suas negociações de ações em 2020, possivelmente lançando duas novas previsões na equação quando os funcionários do Fed se reunirem em dezembro.

PUBLICIDADE