PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

Biden tem oportunidade de remodelar Federal Reserve com minorias à frente

Presidente americano pode inaugurar era em que o conselho administrativo do banco central teria mais mulheres e minorias

Democratas progressistas pedem que o governo Biden molde a liderança do Fed
Por Saleha Mohsin, Dave Merrill e Craig Torres
10 de Setembro, 2021 | 10:25 am
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — O presidente americano Joe Biden tem a oportunidade de remodelar o Federal Reserve, potencialmente inaugurando uma era em que o conselho administrativo do banco central teria mais mulheres, minorias e pessoas que colocariam mais peso na redução da desigualdade econômica.

Membros do conselho do Fed enfrentam o desafio contínuo de reparar a economia dos EUA dos danos causados pela pandemia do coronavírus. Eles terão a tarefa de decidir quando retirar o apoio para a recuperação e quando aumentar as taxas de juros dos níveis mais baixos que alimentaram um boom imobiliário e fizeram com que as ações disparassem para níveis recordes desde o ano passado.

Veja mais: Biden planeja conferência sobre vacinas em Assembleia da ONU

Democratas progressistas pedem que o governo Biden molde a liderança do Fed para que o banco central use suas ferramentas para melhor promover os ganhos de empregos entre grupos raciais, manter os bancos de Wall Street sob controle e combater as mudanças climáticas. O próprio presidente fez de um mercado de trabalho mais justo uma peça central de sua agenda.

PUBLICIDADE

“É uma questão de justiça”, disse Biden em um discurso de campanha em julho passado. “Por gerações, os americanos que são negros, pardos, nativos americanos, imigrantes, nem sempre foram totalmente incluídos em nossa democracia ou economia.”

O atual conselho de governadores do Fed conta com seis membros e uma cadeira aberta. Cada um é escolhido pelo presidente e, em seguida, sujeito à confirmação do Senado. Powell foi nomeado para o conselho pelo ex-presidente Barack Obama e, em seguida, elevado à posição de presidente pelo ex-presidente Donald Trump.

Novos cargos

Biden tem a chance de preencher os cargos de presidente, vice-presidente, vice-presidente de supervisão e vaga no conselho. Segundo informações da Bloomberg, os conselheiros de Biden estão considerando recomendar que Biden dê a Powell mais quatro anos como presidente do Fed e emparelhe isso com a nomeação do Governador do Conselho do Fed, Lael Brainard, para o papel de regulador principal do banco central, que será inaugurado em outubro.

A escolha mais esperada é a cadeira. Muitos economistas esperam que Biden retome uma tradição de décadas de renomear o chefe do Fed de um predecessor presidencial - em um aceno à independência do banco central da Casa Branca - dando a Powell um segundo mandato de quatro anos. Trump quebrou o padrão ao elevar Powell, então governador do Fed, à presidência em 2018, em vez de dar a Janet Yellen, agora secretária do Tesouro, um segundo mandato como presidente do Fed.

PUBLICIDADE

Embora Powell tenha sido visto como a escolha mais provável, alguns ativistas progressistas têm instado Biden a escolher Brainard em vez disso, dada sua oposição aos movimentos de desregulamentação sob Powell. Eles observam que o presidente controla a agenda, diminuindo o poder do vice-presidente se eles não estiverem alinhados com o presidente.

Veja mais: Inflação ao produção nos EUA avança em agosto com alta dos fretes e commodities

Para as outras aberturas potenciais, os observadores do Fed consideram várias pessoas, desde atuais e ex-formadores de políticas do Fed até acadêmicos e um economista de Wall Street, como candidatos.

Muitos deles ocuparam cargos na administração Obama no Fed, Departamento do Tesouro ou no Conselho de Consultores Econômicos, incluindo Lisa Cook, Sarah Bloom Raskin, Karen Dynan e Seth Carpenter.

William Spriggs, economista-chefe da organização trabalhista AFL-CIO, é um defensor declarado de políticas pró-trabalhador em todos os grupos raciais. E Cecilia Rouse é atualmente a primeira afro-americana a presidir o Conselho de Consultores Econômicos da Casa Branca, posição também ocupada por Ben Bernanke e Yellen antes de se tornarem presidentes do Fed.

Biden deve avaliar pelo menos a escolha para a presidência do Fed neste outono, a fim de concluir o processo de confirmação do Senado antes do prazo de fevereiro. Há várias pessoas em jogo para as próximas nomeações do Fed, e muita coisa pode mudar nas deliberações - e na economia - antes disso.

PUBLICIDADE

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Mensagem do BCE e esforços dos EUA para imunizar a população aliviam mercados internacionais

Alta do IPCA faz bancos revisarem projeções para inflação em 2021

Verde Asset, de Stuhlberger, vê ambiente complexo com política, crise hídrica e problemas de suprimento