PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Negócios

Brasil silencia bonecas falantes por falta de chip

Sem insumos, indústria nacional dribla “apagão dos brinquedos” e prevê aumento de 14% no faturamento com o Dia das Crianças

Falta de chips tira de cena bonecas falantes
28 de Setembro, 2021 | 07:00 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

São Paulo — A escassez mundial de chips, um efeito colateral dos gargalos industriais desencadeados pela pandemia da Covid-19, vai ser sentida no próximo Dia da Criança. Fabricantes brasileiras de brinquedos decidiram aposentar, por exemplo, as bonecas falantes e que se movimentam, devido à falta de matéria-prima.

No mundo todo, brinquedos populares para as crianças podem se esgotar muito antes das festas de final do ano como resultado de interrupções na cadeia de suprimentos global.

PUBLICIDADE

“Tivemos o problema da falta de alguns chips de voz para boneca, mas a gente substituiu. São mais de 600 tipos de boneca. Não tem chip, não tem boneca que fala 50 palavras, mas vamos caprichar nos cabelos e nos vestidos. O mercado não vai parar nem ficar mais pobre por causa disso. Investimos em inovações”, diz o presidente da Abrinq (Associação Brasileira dos Fabricantes de Brinquedos), Synésio Batista da Costa, em entrevista à Bloomberg Línea.

Veja mais: Mundo pode ter apagão de brinquedos antes mesmo da Black Friday

Ele acrescenta que a Semana da Criança, que concentra as vendas de brinquedos no varejo, até o próximo dia 12 de outubro, deve registrar um aumento de 14% no faturamento do setor em relação ao mesmo período do ano passado.

PUBLICIDADE

Serão cerca de 1.100 lançamentos de brinquedos, 200 a mais do que no ano passado. O setor já projeta mais 400 novos produtos para o Natal. As 400 indústrias desse segmento estão trabalhando em regime de três turnos.

Veja mais: Como vídeos de unboxing no YouTube deram vida à nova face da indústria de brinquedos

“A Semana da Criança representa 35% do faturamento anual da indústria”, afirma Costa, lembrando que, no ano passado inteiro, o setor cresceu 21%, o melhor desempenho em 30 anos, devido à redução das importações de brinquedos chineses por causa da pandemia, das restrições nos portos e da prioridade das indústrias de abastecer mercados maiores do que o Brasil, sobretudo nos EUA e na Europa.

No ano passado, as indústrias de brinquedos faturaram um total de R$ 7,7 bilhões, segundo a Abrinq. “Houve a contratação de mais de 1.800 pessoas no ano passado”, conta o presidente da associação.

O setor reclama do aumento dos custos, principalmente das resinas plásticas. “Desde o início da pandemia, a Braskem já aplicou um reajuste acumulado de 147%”, diz Costa, citando a maior petroquímica do país.

Ele afirma que as importações de brinquedos da China continuam 30% menores na comparação com 2019, ano pré-pandemia. “Estamos enfrentando os chineses com muita inovação, muitos lançamentos. Mas ainda há um grande de quinquilharia chinesa, mas os estoques desses produtos diminuíram com a pandemia”.

PUBLICIDADE

O presidente da Abrinq diz que a disparada global dos preços dos containers nas rotas marítimas castiga os importadores de brinquedos, pois o reajuste dos fretes acaba reduzindo as margens de lucro, desestimulando a venda do produto no Brasil, bem como a valorização do dólar. “Tem frete de container que saltou de US$ 4 mil para US$ 17 mil, exemplifica Costa.

Ele diz que os preços dos brinquedos estão mais caros do que no ano passado, mas não soube estimar o tamanho desse reajuste. As maiores fabricantes de brinquedos do Brasil são: Bandeirantes, Estrela, Grow, Elka, Cotiplás, Xalingo, Magic Toys, Toyster, Pais & Filhos, Novabrink, entre outras.

Veja também:

PUBLICIDADE

Vai viajar após a vacina? Confira 10 tendências da retomada do turismo

Companhias aéreas têm novo impulso com flexibilização de regra de viagem

Sérgio Ripardo

Sérgio Ripardo

Jornalista brasileiro com mais de 25 anos de experiência, com passagem por sites de alcance nacional como Folha e R7, cobrindo indicadores econômicos, mercado financeiro e companhias abertas.

PUBLICIDADE