PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Cripto

Cripto Bros: Dominado por homens, setor precisa de mais mulheres, diz gestora

Para a chefe da maior bolsa de ativos digitais da Austrália, o universo de criptoativos poderia oferecer mais oportunidades para mulheres

Como em grande parte do setor de finanças e tecnologia, a indústria de ativos digitais continua dominada principalmente por homens
Por Andreea Papuc e Thuy Ong
27 de Setembro, 2021 | 08:02 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — A Blockchain precisa de maior participação feminina e oportunidades, à medida que a indústria se torna mais madura e a aceitação das finanças descentralizadas cresce, disse Caroline Bowler, diretora executiva da BTC Markets em Melbourne. O setor acolhe novas ideias e permite flexibilidade, disse Bowler.

PUBLICIDADE

“Existem muitos pontos de entrada para criptomoedas e negócios de blockchain e você não precisa ser um desenvolvedor ou especialista em blockchain para encontrar seu lugar dentro deste ecossistema”, disse ela.

Veja mais: Bitcoin e Ether se recuperam a níveis pré-proibição das criptomoedas na China

PUBLICIDADE

O incentivo de Bowler vai de encontro à notória cultura masculina do mundo cripto, bem como ao recorde australiano em igualdade de gênero. Como em grande parte do setor de finanças e tecnologia, a indústria de ativos digitais continua dominada principalmente por homens, embora os números sobre a divisão de gênero na indústria ainda sejam difíceis de encontrar. Os homens também dominam os investimentos em cripto.

‘Cripto Brothers’

“Não é perfeito, ainda existe toda aquela subseção de ‘cripto brothers’ e não tenho dúvidas de que continuará existindo”, disse Bowler, que já trabalhou no Bank of America Merrill Lynch e é integrante do conselho da Blockchain Australia. “Mas, à medida que a criptografia se torna cada vez mais popular e mais mulheres entram, o impacto disso é diluído e a aceitação surge.”

A trajetória das finanças tradicionais sugere que não será fácil aumentar o número de mulheres que trabalham no domínio dos ativos digitais. Embora o aumento no número de mulheres gestoras de fundos tenha sido o maior de todos os tempos no relatório Citywire Alpha Female 2021, a porcentagem de mulheres que administram dinheiro em todo o mundo aumentou de 10,3% para apenas 11,8%.

Veja mais: Investidor institucional ainda evita cripto, diz gestor veterano

A mulher mais famosa do setor é provavelmente Blythe Masters, a ex-banqueira do JPMorgan Chase & Co. creditada por inventar o swap de crédito, que fundou a startup de blockchain Digital Asset Holdings em 2015. Mas para pessoas que veem o valor da igualdade de gênero, ainda há um longo caminho a percorrer.

PUBLICIDADE

Veja mais: Promoções de negros para gerência do Walmart desaceleram nos EUA

“Precisamos conseguir mais mulheres na indústria”, Anthony Scaramucci, fundador da SkyBridge Capital, em uma entrevista na semana passada, em que discutiu a situação dos serviços financeiros e da criptografia. “Quanto mais diversificados somos, mais inteligentes somos. Podemos atrair pessoas de todos os lugares. Não sei como faremos, mas temos que fazer”, disse Scaramucci. A SkyBridge oferece fundos de Bitcoin e Ethereum.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Vacina da Pfizer contra Covid é segura para adolescentes

Defensores da ivermectina elevam uso não comprovado para Covid

Presidente da Caixa testa positivo para Covid após viagem aos EUA