Brasil

Pacheco e Lira discutem saída para PEC do precatórios

Presidente do Congresso considera possível solução que reúna pagamento das dívidas da União, cumprimento do teto de gastos e a inclusão de programas sociais

Senador considera fundamental a colaboração de todos os Poderes para se encontrar uma saída para as dívidas dos precatórios
20 de Setembro, 2021 | 04:40 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

São Paulo — O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM/MG), se reunirá na noite de hoje com o presidente da Câmara dos Deputados para tentar encontrar uma solução para o problema do pagamento dos precatórios, sem que haja o rompimento do teto dos gastos públicos e ainda sejam implantados os programas sociais planejados pelo governo. O governo, o Legislativo e o Judiciário têm tentado achar uma saída para a dívida de R$ 89 bilhões referente aos precatórios, sem comprometer o teto de gastos.

Veja mais: CCJ da Câmara considera PEC dos Precatórios constitucional

“São três conceitos que precisam coabitar e é essa a nossa missão, que imediatamente precisamos dar solução a esse problema. O precatório é um direito de quem recebe, obviamente que tem que ser observado, mas nós temos que respeitar o teto de gasto público e a necessidade de ter no espaço fiscal recursos possíveis para o programa social”, disse Pacheco, na convenção anual da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), realizado em Campinas (SP).

A ideia do governo é parcelar essa dívida em 10 anos. Mas, para isso, é preciso fazer uma alteração na Constituição, autorizando o Executivo a tomar essa medida. Com isso, o governo mandou no início do mês uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) para tentar solucionar o problema, fazendo o pagamento da primeira parcela em 2022.

PUBLICIDADE

Questionado se o parcelamento seria inevitável, Pacheco disse que “é uma das possibilidades aventadas, mas, vamos sentar à mesa, ver quais as três ou quatro alternativas que nós temos. Como política é a arte de escolher, vamos escolher uma que seja adequada para poder preservar esses conceitos, de responsabilidade fiscal, o espaço para um programa social e o cumprimento da obrigação de se pagar os precatórios”, disse.

PL das Fakenews

Ontem, o presidente Jair Bolsonaro decidiu enviar ao Congresso um Projeto de Lei para regulamentar a remoção de conteúdos em redes sociais. A estratégia do governo vem após Pacheco devolver ao Planalto a Medida Provisória editada por Bolsonaro, que tentou acelerar o processo de regulamentação.

Veja mais: PEC dos precatórios abre espaço para governo antecipar receitas com petróleo do pré-sal

“A razão da devolução da medida provisória foi realmente a impossibilidade de tratar esse tema, em razão de sua natureza e da ausência de relevância de urgência, por MP. Agora, vindo um projeto de lei, ele se soma a outros que tramitam no Senado e na Câmara dos deputados, que versam sobre esse tema de alteração do marco civil e legal da internet”, disse Pacheco.

PUBLICIDADE

O presidente do Congresso lembrou ainda que já existe um Projeto de Lei (2630) em análise na Câmara, já aprovado pelo Senado, que tem por objetivo combater as fakenews. “O mérito é uma discussão que haverá no parlamento brasileiro. Considerando a iniciativa do Executivo e vamos ter toda boa vontade de fazer um exame a respeito de eventuais alterações que possam acontecer nessa legislação”, disse Pacheco.

Leia também

Desmatamento na Amazônia em agosto atinge maior índice em 10 anos

Bill Gates capta US$ 1 bi para projetos verdes com ajuda de CEOs

Alexandre Inacio

Alexandre Inacio

Jornalista brasileiro, com mais de 20 anos de carreira, editor da Bloomberg Línea. Com passagens pela Gazeta Mercantil, Broadcast (Agência Estado) e Valor Econômico, também atuou como chefe de comunicação de multinacionais, órgãos públicos e como consultor de inteligência de mercado de commodities.

PUBLICIDADE