Brasil

Petrobras sofre ofensiva judicial de 12 estados e DF sobre alta da gasolina

Ação civil pública pede retirada imediata de publicidade da estatal sobre razões do aumento dos preços do combustível

Ação civil pública pede à Justiça Federal aplicação de multa diária caso a Petrobras não retire material sobre a alta do preço da gasolina
13 de Setembro, 2021 | 11:10 am
Tempo de leitura: 2 minutos

São Paulo — A Petrobras virou alvo de uma ação civil pública movida por 12 estados e pelo Distrito Federal na Justiça Federal que pede a retirada imediata de uma propaganda da estatal sobre alta dos preços da gasolina de seu site e redes sociais.

Segundo esses entes da federação, a propaganda induz o consumidor a pensar que o ICMS (Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual, Intermunicipal e de Comunicação) seria o maior responsável pelo preço que vem sendo cobrado pelos combustíveis.

Veja mais: Petróleo supera US$ 70 com produção no Golfo do México comprometida

“A publicidade utiliza um discurso de que a alta dos combustíveis se dá em decorrência da taxa do ICMS, induzindo a população ao erro, fazendo pensar que a Petrobras cobra apenas R$ 2 pelo litro da gasolina, e o restante do valor seria devido ao ICMS, que é de responsabilidade dos governos estaduais. E esta informação não é verdadeira”, diz Ricardo Sefer, procurador-geral do Pará, um dos 12 estados que ajuizaram, em conjunto, a ação civil pública na vara cível de Brasília, segundo uma nota divulgada pelo Governo do Pará.

PUBLICIDADE

Na ação, as procuradorias-gerais dos estados do Pará, do Rio Grande do Sul, Maranhão, Sergipe, Piauí, Bahia, Amazonas, Pernambuco, Espírito Santo, Goías, Amapá e Minas Gerais, além do DF, argumentam que a propaganda gera uma confusão no consumidor e, com isso, altera maliciosamente a percepção em relação à imagem da empresa, de acordo com o comunicado.

“Ao dar informações parciais, a companhia induz o consumidor a pensar que o valor da gasolina é menor do que efetivamente é, criando a impressão de que a parcela de tributos é muito superior ao valor do produto em si”, afirma Sefer.

Veja mais: Gasolina e petróleo sobem após o furacão Ida ameaçar suprimento de combustíveis nos EUA

Segundo o procurador-geral do Pará, a publicidade dá a entender que o preço cobrado, além dos R$ 2, é composto de valores que não são destinados à estatal, deixando de citar, inclusive, a incidência dos tributos federais e do valor cobrado pelo componente etanol anidro, que é adicionado na proporção de 27% a cada litro da mistura, sendo este preço indissociável do valor do litro do combustível.

PUBLICIDADE

Na ação, as procuradorias-gerais dos estados do Pará, do Rio Grande do Sul, Maranhão, Sergipe, Piauí, Bahia, Amazonas, Pernambuco, Espírito Santo, Goiás, Amapá e Minas Gerais, além do DF, solicitam que a justiça determine a retirada imediata da propaganda do site e das redes sociais da estatal, sob pena de multa diária, e que a Petrobras produza publicidade suficiente para desfazer os efeitos da publicidade enganosa, assim como a condenação para o pagamento de indenização por dano moral coletivo, em valor a ser fixado pelo juiz.

Procurada pela Bloomberg Línea, a Petrobras não comentou imediatamente.

Leia também

BTG Pactual, Itaú BBA e Morgan Stanley lideram mais IPOs entre janeiro e julho

Principal do dia: semana começa amena no exterior; política local fica no radar

Ações de fabricante italiana de óculos disparam após parceria com influencer Chiara Ferragni

Sérgio Ripardo

Sérgio Ripardo

Jornalista brasileiro com mais de 25 anos de experiência, com passagem por sites de alcance nacional como Folha e R7, cobrindo indicadores econômicos, mercado financeiro e companhias abertas.

PUBLICIDADE