PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Agro

Efeito negativo da agropecuária no PIB deve ser sentido nos próximos meses

Setor produtivo ainda sentirá a queda nos volumes de produção provocada pela estiagem no início da safra e pela sequência de três geadas no final do atual ciclo

Tempo de leitura: 1 minuto

São Paulo — O desempenho negativo da atividade agropecuária no segundo trimestre do ano continuará pressionando para baixo o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro ao longo do segundo semestre de 2021. Hoje, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) divulgou que o PIB nacional recuou 0,1% no segundo trimestre, em comparação aos primeiros três meses do ano. O principal fator de pressão foram os efeitos negativos dos indicadores agropecuários, que recuou 2,8% na mesma comparação.

“A safra começou com estiagem e terminou com três geadas. Essa situação provocou efeitos negativos sobre a produção de milho, café, algodão, cana-de-açúcar, laranja e da pecuária”, explica Marcos Jank, professor sênior de agronegócio e coordenador do Insper Agro Global.

PUBLICIDADE

Veja mais: PIB decepciona e economistas revisam estimativas para baixo

Para ele, o menor volume produzido, especialmente nessas culturas, ainda será sentido ao longo dos próximos meses, uma vez que o próximo ciclo produtivo terá início entre o final de setembro e início de outubro.

Limitações metodológicas

Apesar da queda trimestral dos indicadores agropecuários, Jank lembra que a metodologia utilizada pelo IBGE não se refere ao agronegócio como um todo, pois deixa de fora importantes setores da cadeia, como fertilizantes, máquinas, processamento (alimentos e bebidas) e serviços de distribuição. “Além disso, o dado do IBGE espelha apenas o volume do que foi produzido, levando em conta um vetor fixo de preço, ou seja, não considera as variações dos preços agropecuários. Olhar apenas para o volume não é suficiente”, afirma.

PUBLICIDADE

Para o professor do Insper, a expectativa é que os preços dos produtos agropecuários, especialmente aqueles voltados para a exportação, se mantenham firmes ao longo do segundo semestre do ano e pelo menos até o início de 2022. “Estamos com estoques baixos no mundo todo e os governos estão menos intervencionistas comparativamente com o que havia há 10 anos. Além disso, a demanda asiática segue firme e deve se manter assim”, afirma Jank.

Leia também

Economistas elevam projeção de inflação após nova bandeira

PUBLICIDADE

Com inflação e crise hídrica, investimento em energia solar se paga entre 3 e 6 anos

Supersafra de milho na China pode desacelerar compras do grão


Alexandre Inacio

Alexandre Inacio

Jornalista brasileiro, com mais de 20 anos de carreira, editor da Bloomberg Línea. Com passagens pela Gazeta Mercantil, Broadcast (Agência Estado) e Valor Econômico, também atuou como chefe de comunicação de multinacionais, órgãos públicos e como consultor de inteligência de mercado de commodities.

PUBLICIDADE