PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Brasil

URGENTE: PIB brasileiro cai 0,1% no 2º trimestre, puxado por resultado negativo do agro

Economia avançou 6,4% no primeiro semestre e acumula alta de 1,8% nos últimos quatro trimestres

PIB do agronegócio puxa queda da economia brasileira
01 de Setembro, 2021 | 09:03 am
Tempo de leitura: <1 minuto

Bloomberg Línea — A economia brasileira recuou 0,1% no segundo trimestre de 2021, na comparação com o primeiro trimestre, puxada por uma queda de 2,8% do setor agropecuário. As informações foram divulgadas nesta quarta-feira (1) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Veja mais: Economistas elevam projeção de inflação após nova bandeira

PUBLICIDADE
  • Com esse resultado, a economia brasileira avançou 6,4% no primeiro semestre e acumula alta de 1,8% nos últimos quatro trimestres.
  • Na comparação com o segundo trimestre do ano passado, cresceu 12,4%.
  • Segundo o IBGE, o PIB continua no patamar do fim de 2019 ao início de 2020, período pré-pandemia, e ainda está 3,2% abaixo do ponto mais alto da atividade econômica na série histórica, alcançado no primeiro trimestre de 2014.

O desempenho da economia no trimestre vem do resultado negativo da agropecuária (-2,8%) e da indústria (-0,2%). Por outro lado, os serviços avançaram 0,7% no período.

A atividade industrial também recuou devido às quedas de 2,2% nas indústrias de transformação e de 0,9% na atividade de eletricidade e gás, água, esgoto, atividades de gestão de resíduos. Essas quedas compensaram a alta de 5,3% nas indústrias extrativas e de 2,7% na construção.

Para o economista-chefe da Necton, André Perfeito, em nota, um destaque positivo do lado da demanda foram exportações líquidas, com uma queda de 0,6% na variação trimestral dessazonalizada das importações e uma alta de 9,4% das exportações.

PUBLICIDADE

“Mantemos nossa projeção de PIB em torno de 5% para o final do ano, e basta que se cresça 0,5% por trimestre para que atinja tal resultado. Contudo, vale notar que se observarmos o crescimento no ano propriamente, a variação esperada para o final deste ano não é de 5%, mas sim próximo de 2%”.

André Perfeito, economista-chefe da Necton

Leia também

Orçamento para 2022 não consegue dissipar incerteza fiscal

Como a ‘cultura dos brothers’ atrasa o ecossistema de inovação brasileiro

Google adia retorno obrigatório ao escritório até 2022 por Covid

Ana Siedschlag

Ana Carolina Siedschlag

Editora na Bloomberg Línea. Jornalista brasileira formada pela Faculdade Cásper Líbero e especializada em finanças e investimentos. Passou pelas redações da Forbes Brasil, Bloomberg Brasil e Investing.com.

PUBLICIDADE