PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Agro

Produtores de soja do Maranhão recebem primeiro pagamento sobre serviço ambiental

Projeto-piloto liderado pela Tropical Forest Alliance distribuiu US$ 40 mil para 52 agricultores por manterem a floresta em pé, mas custo de oportunidade de desmatar ainda é maior

Produtores recebem primeiro pagamento sobre serviços ambientais, mas ainda é mais vantajoso desmatar do que manter a floresta em pé
23 de Agosto, 2021 | 12:07 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

São Paulo — O projeto PSA Soja Brasil, liderado pela Tropical Forest Alliance (TFA), realizou o primeiro pagamento aos 52 agricultores que participaram da iniciativa e optaram por não realizar desmatamentos em suas propriedades, mesmo que a legislação garanta amparo legal a isso. O grupo recebeu US$ 40 mil em forma de Pagamento por Serviços Ambientais (PSA), como incentivo por não desmatar áreas ainda passíveis de desmatamento nos 450 mil hectares que o projeto englobou.

O projeto foi um dos primeiros a conseguir viabilizar um modelo envolvendo produtores de soja, uma metodologia de mensuração de emissões de carbono reconhecida internacionalmente, e um comprador para os créditos emitidos. No caso do piloto do Maranhão, o grupo japonês Sumitono foi o responsável pelo investimento no último elo da cadeia.

PUBLICIDADE

Veja mais: Exportação do agronegócio bate recorde com alta nos preços das commodities

Apesar da iniciativa, a conta ainda não fecha. “O custo de oportunidade do desmatamento ainda é maior do que o de manter a floresta em pé”, afirma Fabíola Zerbini, diretora da TFA para América Latina. Na prática, dado os atuais patamares dos preços da soja, ainda vale a pena abrir áreas que legalmente podem ser desmatadas para plantar soja.

Apesar de reconhecer que ainda é mais vantajoso desmatar para plantar do que manter áreas de floresta do Cerrado em pé, Fabíola lembra que a importância do piloto foi mostrar que é possível criar um modelo escalável e que ofereça segurança a todos os envolvidos. Segundo ela, com o desenvolvimento do mercado de carbono, já existe hoje uma demanda atual por créditos e um comprometimento e interesse do mercado financeiro.

PUBLICIDADE

“Para um país que quer dar um passo adiante na questão da proteção ambiental e do desenvolvimento sustentável, o trabalho desenvolvido foi um grande gol. Vamos partir agora para criar um modelo em Mato Grosso, que é o maior produtor de soja do Brasil. Nosso desafio agora é partir para uma perspectiva territorial, avançar em algumas políticas públicas e ainda realizar alguns ajustes na metodologia”, afirma Fabíola.

Veja mais: Ambipar compra Biofílica, de créditos de carbono florestal

O Cerrado entrou na mira de ambientalistas e grandes importadores de alimentos da Europa no combate ao desmatamento. Diferentemente da Amazônia, o bioma que abrange todo o Centro-Oeste e parte do Nordeste do Brasil é onde está a maior parte da produção brasileira de grãos e da pecuáriadfd

Contexto: A ideia do PSA Soja Brasil nasceu já há alguns anos, com a discussão sobre o desmatamento do Cerrado, mas começou a ganhar forma em abril do ano passado. Foram mapeadas as ideias e iniciativas envolvendo o governo, o setor privado e a sociedade civil para identificar ações já em curso e os gargalos ainda existentes.

Decidiu-se então criar uma prova de conceito, que não envolvesse apenas a fixação de carbono no solo pelo plantio da soja, mas que englobasse ainda uso da água e preservação da biodiversidade. Mais de 100 produtores começaram o projeto, mas após uma análise de compliance, que significa já ter o Cadastro Ambiental Rural (CAR) e estar regular do ponto de vista ambiental, trabalhista e tributário, apenas 52 foram selecionados.

Veja mais: Abag reconhece que imagem negativa do país no exterior tem se consolidado

“Usamos metodologias reconhecidas internacionalmente para mensurar o carbono no solo apenas da área produtiva, fizemos análises por amostragem em laboratórios e criamos um base-line. Aí uma equipe de econometria fez a precificação desse carbono. Criamos uma plataforma online com toda a documentação que pode ser acessada de qualquer lugar”, explica Fabíola.

Leia também

Alexandre Inacio

Alexandre Inacio

Jornalista brasileiro, com mais de 20 anos de carreira, editor da Bloomberg Línea. Com passagens pela Gazeta Mercantil, Broadcast (Agência Estado) e Valor Econômico, também atuou como chefe de comunicação de multinacionais, órgãos públicos e como consultor de inteligência de mercado de commodities.

PUBLICIDADE